FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Retorno de Mary Poppins

(Mary Poppins Returns, 2018)
Por Cesar Castanha Avaliação:                 8.0
Revisando Mary Poppins.
imagem de O Retorno de Mary Poppins
O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns, 2018) é o novo filme em live-action da Disney e mais um a seguir a atual tendência do estúdio de revisitar seus antigos sucessos. Embora seja difícil desvincular o filme dessa tendência, há, no entanto, uma justificativa mais bem resolvida para esta continuação do que para outras das refilmagens, sequências e prólogos do estúdio. Em primeiro lugar, isso se dá porque Mary Poppins é uma personagem, em mais de um sentido, de qualidade atemporal. Enquanto Jane e Michael Banks cresceram e são agora adultos, este habitando a mesma casa 17 na Cherry Tree Lane com seus filhos, para Mary Poppins, um ser de misteriosa mágica, o tempo não age da mesma forma, permitindo-a voltar para ajudar a nova família Banks em um momento de necessidade.

Esse retorno é também facilitado pela grande competência do filme, na direção de Rob Marshall, mas também no texto, no aparato técnico da direção de arte, figurino, efeitos visuais, animação e atuações, de produzir uma sensação afetiva de se estar assistindo algo muito próximo do filme anterior, o clássico Mary Poppins (1964), dirigido por Robert Stevenson e estrelado por Julie Andrews e Dick van Dyke. O Retorno de Mary Poppins conquista, assim, algo muito raro, ainda mais se considerarmos que o filme original é relativamente sortudo: um dos poucos live-actions de sucesso da Disney na sua época, conquistando uma indicação para o Oscar de Melhor Filme e a fama de ter lançado Julie Andrews, antes uma atriz aclamada do teatro e da televisão, aos cinemas.
 
Para considerarmos, no entanto, como é que essa sensação de Mary Poppins retorna mais de 50 anos depois, é preciso que nos perguntemos o que Mary Poppins representava em primeiro lugar. Adaptado dos livros infanto-juvenis de P. L. Travers, Mary Poppins celebrava ironicamente - de um modo bem “americanizado”, diga-se - um estilo de vida e cultura britânicos. O filme sugere a disneificação desse universo londrino e tinha o que precisava para fazer isso perfeitamente: uma nova estrela britânica com alguns anos de sucesso na Broadway, um astro da comédia hollywoodiana e a capacidade da Disney para a criação visual (e musical) de novos universos de fantasia.

O que O Retorno de Mary Poppins faz é manter o que pode do universo fílmico original e respeitar o que não pode ser mantido. Enquanto o trabalho de arte, desenho de produção e cenografia nos reaproximam do mundo que o primeiro filme revelou aos cinemas há meio século, o texto e as atuações sustentam as mudanças também necessárias para dar um sentido de continuidade ao universo. O que é curioso, porém, é que tanto essa nova interpretação da personagem por Emily Blunt quanto o roteiro de David Magee se afastam do filme anterior apenas à medida que se aproximam da obra de Travers.

A Mary Poppins de Blunt é uma personagem bem mais sisuda que a originada por Andrews nos cinemas. Enquanto as duas compartilham da alusão a uma bondade intrínseca, a performance de Andrews sugere uma falta de consciência de Poppins sobre a sua própria irreverência, como se ela fosse pretensamente ingênua em relação a si mesma. Blunt, já bem mais autoconsciente em cena (algo inevitável, considerando que a atriz assume o que agora se tornou uma das personagens mais icônicas do cinema), compõe uma personagem que sabe quem é e os efeitos que ela mesma tem na casa dos Banks.

Uma revisão interessante que O Retorno de Mary Poppins propõe em relação ao filme original é a oposição a uma ideia de família nuclear (como um alicerce moral da sociedade) que este fortalece. Enquanto Mary Poppins se resolve pela aproximação dos pais com os filhos (criticando a dedicação exclusiva do Sr. Banks ao trabalho no banco e a participação da Sra. Banks no movimento sufragista), O Retorno de Mary Poppins já parte de um contexto em que o retorno da família nuclear não é uma das possibilidades. Michael Banks (Ben Whishaw) é viúvo e cria seus três filhos com a ajuda da irmã, Jane (Emily Mortimer), uma mulher engajada na causa sindical (o que o filme, desta vez, vê com bons olhos, como um dado da bondade de Jane, e não de sua negligência com a família).

Outra novidade interessante são os filhos de Michael Banks, que, diferentemente do pai e da tia, não são crianças incontroláveis que devem ser disciplinadas, mas sim personagens que assumem para si uma série de responsabilidades com a morte da mãe e que devem, desse modo, ser reeducados por Mary Poppins a experimentar a irreverência e a falta de sentido da infância. Aqui chegamos a outro ponto em que o novo filme é quase tão bem sucedido quanto o filme anterior: a criação de pequenas aventuras episódicas, desconectadas entre si e que dão, ao filme, um caráter de coletânea de pequenas histórias. Em uma dessas curtas histórias, quando os irmãos Banks e Mary Poppins mergulham no mundo ilustrado do jarro da mãe, o filme alcança com absoluta perfeição o objetivo de reproduzir um outro momento do cinema, a ingenuidade de uma animação tradicional que é contemporânea (ou até anterior) ao primeiro Mary Poppins.

O Retorno de Mary Poppins é o filme mais adequado ao tipo de direção que Rob Marshall propõe (episódica e de rompimento frequente da diegese em favor do espetáculo) e uma sucessão digna do filme original, sabendo quando respeitá-lo, revisá-lo e quando, também, afastar-se dele. O novo filme, arrisco dizer, está mais próximo do que P. L. Travers parecia idealizar em uma adaptação da sua personagem. Não cabe a mim, enfim, julgar se esse tipo de personagem e universo responde ao público do cinema hoje, mas é notável que o filme encontra, em seu investimento nostálgico, uma mesma qualidade de atemporal, uma habilidade de se referir a outros contextos, de participar, hoje, de outros momentos do cinema. Com que força o filme será capaz de sustentar essa qualidade só o tempo e as novas voltas dos ventos do Norte dirão.
Por Cesar Castanha, em 26/12/2018
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Régis Trigo 5.0
• Heitor Romero 7.5
• Bernardo D.I. Brum 8.0
• Cesar Castanha 8.0
•  Média 7.1
Notas - Usuários
7.4/10 (20 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (1)
Por Carlos Eduardo, em 27/12/2018 | 02:44:19 h
Arrisco dizer que a seqüência superou o original e representa uma retomada pra Rob Marshall depois de tantos desastres pós-Chicago. É um filme mais equilibrado, de ritmo melhor e o elenco então nem se fala. Respeita o original sem ficar na sua sombra e cria números musicais belíssimos apoiando um roteiro simples e de uma ingenuidade deliciosa que está em falta hoje em dia. Emily Blunt arrasa.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Retorno de Mary Poppins, O
(Mary Poppins Returns, 2018)
• Direção:
- Rob Marshall
• Elenco Principal:
- Emily Blunt
- Dick Van Dyke
- Meryl Streep
• Sinopse: Em Londres, nos anos da Depressão, Jane e Michael Banks agora são crescidos. Após uma perda, os três filhos de Michael são visitados pela enigmática Mary Poppins, que com suas habilidades mágicas ajudará essa família a redescobrir a alegria de viver.
 FILMES RELACIONADOS
• Mary Poppins
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE