FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

O Segredo dos Seus Olhos

(Secreto de sus ojos, El, 2009)
Por Vlademir Lazo Avaliação:           5.0
Repleto de bons momentos, mas desengonçado em sua totalidade.

Há que se tomar cuidado com os filmes médios. É fácil abraçar o que de acordo com nosso gosto pessoal se apresenta como um indiscutível grande filme, ou repudiar o que nos parece uma bomba irremediável. O meio-termo sem dúvida também sempre deve existir, e não há mal nenhum em apreciá-lo, entretanto, o que mais tem infestado o cinema contemporâneo é o filme médio que se passa por grande arte, a poesia enlatada nas telas, mal pensados dramaturgicamente e repleto de truques, mas que no seu conjunto atende ao perfil de um público mais sofisticado, que cansados do excesso de filmes ruins pode cair em enganações e derivações de todos os tipos. Algo que pode atingir a qualquer um de nós, em qualquer etapa de nossa cinefilia. Pode ocorrer amanhã ou depois, ou estar acontecendo neste momento, nunca se sabe.

O Segredo dos Seus Olhos é uma obra que quer ser grande, e o consegue vez por outra, porém o filme de Juan José Campanella (O Filho da Noiva, Clube da Lua) não escapa da camisa-de-força dos excessos brilharescos que tem marcado o recente cinema argentino. A cena de abertura é sintomática: a câmera trêmula e fora de foco ao som de uma trilha bem sentimental acompanhando uma mulher correndo atrás de um trem, e sua figura, até então enorme (de acordo com as palavras do protagonista), ficando cada vez menor e diminuta, até desaparecer. É apenas uma sequência, e abre também o romance que o oficial de justiça aposentado Benjamin Espósito (Ricardo Darin) há anos vem tentando escrever, acerca de suas experiências entorno da investigação de um crime hediondo envolvendo um estupro/assassinato ocorrido em Buenos Aires em 1974. À medida que o inquérito progride, encontra-se o criminoso, porém descobrimos que por trás de tudo existem outras revelações e diferentes camadas tendo como pano de fundo uma crítica velada ao governo da então presidente Isabel Perón.

Não é sempre que Campanella consegue ir muito além das boas intenções. Em alguns momentos o filme arranca sorrisos amarelos, como na cena em que os investigadores invadem clandestinamente uma casa à procura de provas e são surpreendidos pelo cachorrinho da dona da casa que chega na hora, com o cãozinho correndo e latindo em direção aos oficiais, que se obrigam a disparar fugindo com o rabo entre as pernas. A sequência no estádio de futebol também não funciona como deveria por causa dos exageros de câmera, e também é prejudicada por uma desnecessária e longa conversa sobre futebol argentino dos anos sessenta que antecede a perseguição no estádio. Quanto mais o filme avança, percebe-se uma queda de fôlego na direção, e as recorrentes idas e vindas no tempo mais embaraçam e atrapalham o filme ao invés de ajudá-lo, além de uma óbvia impressão de esquematismo, principalmente na meia hora final, depois que O Segredo dos Seus Olhos parece ter esgotado o assunto. Ainda que sem apelar para discursos e elucubrações políticas, o diretor insiste nesse último ato em aludir aos abusos cometidos pelo governo da época contra os opositores, o que reforça ainda mais a fluidez claudicante da obra. É louvável que na vida real o povo argentino tenha a necessidade de purgar as manchas do seu recente passado histórico julgando e condenando os seus antigos déspotas ainda vivos, mas no cinema a obsessão pelos períodos dos regimes ditatoriais latino-americanos é um filão que cansou há muito tempo. 

O grande trunfo de O Segredo dos Seus Olhos é o seu elenco, especialmente o ótimo Ricardo Darin como o personagem central. Trata-se de uma performance melancólica que confere o tom ao filme, no papel de um sujeito que passou a vida como sabendo que se lhe reserva um destino medíocre. O seu Benjamin Espósito em dado momento se pergunta: “Como se faz para viver uma vida vazia?” ou a variante “Como se faz para viver uma vida cheia de “nada”?”. A força e o interesse do filme até certo ponto residem na relação que Benjamin desenvolve com a sua chefe, a juíza Irene Menéndez Hastings (Soledad Villamil), que aos seus olhos parece intocável e vinda de outro mundo, uma mulher forte e elegante que guarda o seu melhor sorriso apenas para o noivo poderoso com quem está comprometida. É um dos casais mais improváveis do cinema recente, o que justamente por isso resulta em um curto-circuito em todas as vezes que ambos os personagens contracenam, sublinhando a paixão desesperançada de Benjamin pela colega de trabalho. A maioria das cenas no fórum desnudam a formalidade de ambientes e funcionários rígidos e austeros. Por sinal, Irene é dona de um dos melhores momentos do filme de Campanella, no interrogatório com o principal suspeito do assassinato, em que ela humilha e manipula o acusado. Enquanto Irene se mostra inatingível ao interesse romântico de seu subordinado, a trama desfruta de certa credibilidade. Mas o rumo que o desenvolvimento da relação toma perto do desfecho não é muito convincente, enfraquecendo ainda mais o resultado final de um filme repleto de bons elementos, mas desengonçado em sua totalidade.

Por Vlademir Lazo, em 25/02/2010 Avaliação:           5.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 9.0
• Rodrigo Cunha 9.0
• Josiane Ka 9.0
• Régis Trigo 6.5
• Silvio Pilau 7.0
• Felipe Tostes 9.0
• Vlademir Lazo 5.0
• Heitor Romero 8.0
•  Média 7.8
Notas - Usuários
8.5 (550 votos)
Top Usuários #102
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões
Comente no Cineplayers (7)
Por Alexandre Marcello de Figueiredo, em 22/04/2014 | 18:51:47 h
O filme é bom e o final reserva uma surpresa chocante.
Por Vinícius De Vita, em 25/07/2013 | 10:00:22 h
mas é que essa frase realmente não faz muito sentido
Por Jucélio Buback , em 25/07/2013 | 08:40:07 h
Um dos melhores filmes de todos os tempos....
Por Bruno Bernardes, em 25/07/2013 | 03:37:04 h
um filme como esse merece uma critica mais digna
Por Victor Ramos, em 04/08/2012 | 19:34:26 h
"Parei. Eu hein."

Prove então que ele está errado, meu filho. Se não tem maturidade o suficiente para lidar com visões opostas às suas, então nem visite sites de cinema.

Mas também, de quem é leigo (aquele tópico sobre o cinema brasileiro foi fods) espero tudo.
Por Rafael Medeiros , em 18/06/2012 | 10:44:48 h
"um filme repleto de bons elementos, mas desengonçado em sua totalidade. "

Desconfio que autor da crítica bolou essa frase, achou ela bonita e espirituosa e teceu sua crítica a partir dela.

Simplesmente essa frase não tem a MENOR aplicabilidade para esse longa.
Por Rafael Medeiros , em 18/06/2012 | 10:43:20 h
5.0 pra um filme desse?

Parei. Eu hein.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Segredo dos Seus Olhos, O
(Secreto de sus ojos, El, 2009)
• Direção:
- Juan José Campanella
• Elenco Principal:
- Ricardo Darín
- Soledad Villamil
- Pablo Rago
• Sinopse: Após trabalhar a vida toda num Tribunal Penal, Benjamín Espósito se aposenta. Seu tempo livre o permite realizar um sonho longamente postergado: escrever um romance baseado num acontecimento que vivera anos antes. Em 1974, foi encarregado de investig...
 FILMES RELACIONADOS
• Clube da Lua
• O Filho da Noiva
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO