FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

O Sequestro

(Kidnap, 2017)
Por Bernardo D.I. Brum Avaliação:           5.5
Típico filme de ação protagonizado por uma mãe comum.
imagem de O Sequestro
De início, O Sequestro tem toda uma cara de ser um Busca Frenética (Frantic, 1988) mais modesto: conhecemos a rotina de Karla Dyson como mãe divorciada e garçonete, que se desdobra em cinco para cobrir a sua escala de trabalho e a dos outros e ao mesmo tempo cuidar do filho, o pequeno Frankie Dyson. De forma pedagógica, esse prólogo é o momento mais simpático do filme, onde cada vez mais pessoas se identificam em uma situação cada vez maior do mundo atual: a família nuclear se dissolve e seus indivíduos se adaptam a duras penas.

Porém, tudo muda no momento do sequestro antecipado pelo título: no momento em que Karla dá por falta do filho após atender uma ligação de telefone, engana-se quem acha que este será um filme onde a protagonista baterá de porta em porta cada vez mais progressivamente desesperada em busca do filho; no mesmo momento, ela embarca em sua minivan e passa a perseguir o gasto e enferrujado Ford Mustang dos sequestradores, um casal de típicos rednecks estereotipados até o limite. 

E essa perseguição é, na verdade, a tônica do filme. O sequestro que intitula a obra sem dúvida é a principal razão de conflito da obra, mas seu desenvolvimento é todo pela minivan atrás do Mustang, o que domina boa parte da projeção. É o momento em que o filme dá adeus a qualquer verossimilhança e parte para a pura fanfarronice, com raros momentos onde lamentavelmente se leva a sério, com a protagonista lançando comentários que chegam mesmo a soar hilários.

Aliás, com a protagonista praticamente sozinha em seu carro de passeio o tempo todo, tais comentários surgem como a principal pedra no sapato do filme: Karla Dyson fala o tempo todo. Pede para o filho aguentar firme, anuncia o que está planejando em voz alta, expressa suas dúvidas verbalmente. Qualquer sutileza vai embora do filme enquanto a atriz principal se esforça em conferir um mínimo de dignidade às falas para lá de genéricas do filme. 

A obviedade do filme é o que o impede de crescer mais, de ser um Encurralado (Duel, 1971) ao contrário, extraindo a tensão em saber quem seria perseguido e de onde vem a determinação de fugir tão grande quanto a da protagonista em perseguir: o filme entrega o ouro muito rápido e se mostra inclusive previsível em mostrar as razões dos antagonistas. Mais hora, menos hora, começa a ficar previsível. Assim que a protagonista supera alguns dos desafios com certa inventividade do roteiro, tudo começa a ficar mais fácil e o filme, apesar de ameaçar, termina sem muito desafio, contando com algumas conveniências lógicas e de sorte.

No final das contas, O Sequestro diverte até certo ponto, até a parte em que o suspense se esvai - quando começamos a entender que a protagonista sempre sobrevive aos seus confrontos com os rednecks, por pior que seja a colisão ou ferimento, quando o falatório constante nos impede que antecipemos qualquer coisa por nós mesmos, quando o divertido exager vai pouco a pouco minando os próprios desafios. A linguagem videoclipada cheia de cortes, filtros e efeitos de câmera não tem a mínima inteligência visual e muitas vezes é redundante ou até mesmo irritante. 

Mas mesmo passando longe de ser bom, durando mais do que deveriar durar e querendo falar sério em meio a puro avacalho (o filme afirma que as crianças desaparecem porque os pais não correm atrás - ignorando o número de vezes que a protagonista poderia ter morrido e tudo seria em vão). Sua narrativa concentrada - todo e qualquer outro personagem periférico na trama é apenas mencionado e jamais visto, e mesmo a criança sequestrada tem uma participação mínima - mantém um mínimo interesse em um filme que é sobretudo uma bobagem passável que manteria o espectador acordado caso fosse encontrado na grade noturna de uma televisão. 

Ofuscado em sua semana de lançamento nos EUA pela grande aposta A Torre Negra (The Dark Tower, 2017), O Sequestro em todo o seu potencial perdido pelo meio do caminho no final das contas é apenas rápido e rasteiro, ancorado no esforço de Berry em um personagem inusitado que no final das contas acaba sendo o principal interesse do filme. 
Por Bernardo D.I. Brum, em 12/09/2017
Avaliação:           5.5
Notas - Equipe
• Bernardo D.I. Brum 5.5
•  Média 5.5
Notas - Usuários
5.7/10 (3 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #007 Stranger Things
• #006 45 anos de O Poderoso Chefão
• #005 Branca de Neve e os Sete Anões
• #004 Halloween
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Sequestro, O
(Kidnap, 2017)
• Direção:
- Luis Prieto
• Elenco Principal:
- Halle Berry
- Christopher Berry
- Dana Gourrier
• Sinopse: Uma mãe solteira luta com todas as suas forças para recuperar seu filho que foi raptado num parque.
 FILMES RELACIONADOS
• A Torre Negra
• Busca Frenética
• Encurralado
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE