FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

Olga

(Olga, 2004)
Por Alexandre Koball Avaliação:         4.0
O cinema nacional tenta criar uma obra-prima, mas o resultado é um drama romântico forçado.

Não há dúvida que o cinema nacional já engatou uma segunda e está acelerado para a popularidade. Já é maior que uma dúzia o número de sucessos no último ano, e isso permite cada vez mais a realização de produções mais e mais ousadas. Olga é uma delas. É um filme milionário da nova safra do cinema brasileiro. Foi promovido largamente nos meses que antecederam seu lançamento. É o principal lançamento do ano por aqui. Olga é um exemplo que o nosso mercado já está maduro e solidificado. Pois é apenas em um mercado solidificado que um filme medíocre como este poderia obter o sucesso que está recebendo e continuará recebendo por mais algum tempo, e também em seu lançamento em vídeo e DVD.

Filmes assim são necessários para um mercado que quer ser grande. Filmes assim pagam produções menores e que realmente têm algum valor como cinema. Enfim, por mais injusto que seja o sucesso de Olga, ele é importante. O mercado funciona desse jeito. Na bem da verdade, esse filme deveria ter sido lançado na televisão, onde seu formato se encaixaria mais coerentemente. Mais uma vez, a vilã é a Globo Filmes, que possui um quase monopólio sobre as bilheterias de filmes brasileiros e pode lançar o que bem entender que o público vai assistir como um carneirinho segue seu pastor. A Globo entende do que o povo gosta, sem dúvida. É fácil para ela lançar filmes que emocionam o espectador menos acostumado com cinema de verdade – o espectador de suas novelas.

Olga é, simplificando tudo, um dramalhão muito mal dirigido pelo estreiante em cinema Jayme Monjardim. Adaptado de um romance, que é a novelização de um caso real, conta a história da alemã Olga Benário, comunista que acabou se envolvendo com o grande líder também comunista Luís Carlos Prestes. Durante o governo de Getúlio Vargas, Olga foi presa e deportada para sua terra natal, indo parar na mão dos nazistas. Enfim, à princípio pode parecer um filme de teor político, mas todos os elementos históricos transcorrem muito superficialmente na tela. Monjardim quer é mostrar o romance entre Olga e Prestes, algo totalmente desinteressante e clichê, embora possa vir a chamar a atenção do – como já foi mencionado – espectador menos vivido em cinema (e a popularização do cinema nacional traz milhares desses espectadores para assistirem a um filme como este).

A direção de Monjardim é incrivelmente tola. O filme simplesmente não funciona efetivamente como cinema. O diretor demonstra sua falta de experiência ao não saber aproveitar o dinheiro para o qual foi confiado, desperdiçando a chance de pelo menos criar uma obra bonita. A fotografia é bonita sim, mas é extremamente mal aproveitada. Cenas inteiras do romance entre Olga e Prestes poderiam muito bem ter ficado de fora da edição final para, quem sabe, serem lançadas apenas posteriormente em DVD. Todo o processo de mostrar os dois se apaixonando é extremamente irritante e usual – você já viu isso antes. Cenas como as de sexo, ou a da separação entre os dois são novelescas ao extremo – extremo mal gosto. Os personagens, então, são vistos como bobos, pois seus idealismos perdem-se em meio a palavras de amor sofríveis. Tudo é mostrado como em uma grande novela, e por isso pode-se dizer que foi perdida uma chance de se criar um pequeno clássico no cinema nacional.

Retifico-me: não creio que mesmo na mão de um bom diretor de cinema o filme poderia se tornar um clássico. Mesmo que retirassem ou dessem menos espaço para o romance, a história de Olga Benário não tem muita relevância no cenário nacional. É apenas uma entre milhões que sofreram perseguição na primeira metade do século passado. Não chegou a realizar grandes feitos, mesmo sendo uma mulher de garra. Enfim, não é fácil encontrar alguém que tenha conhecido a pessoa de Olga antes da realização desse filme. A interpretação irregular (às vezes irritante, às vezes intensa, embora na maioria delas forçada) da atriz Camila Morgado pode ser perdoada, então, pela fraqueza de sua personagem. Mesmo o momento clímax de sua interpretação (referente a um bebê) soa forçado e desnecessário para a trama. Ah sim, a partir da deportação de Olga para a Alemanha, nada de realmente interessante mais acontece: Prestes e Olga estão separados e o filme torna-se ainda mais vazio de conteúdo.

Todos os coadjuvantes aparecem e saem da tela sem brilho algum: mesmo Osmar Prado como Getúlio Vargas possui um papel rápido e sem destaque. Fernanda Montenegro, embora interprete bem seu papel, não tem utilidade maior na trama – mais um corte que poderia ser feito. Prestes, interpretado por Caco Ciocler, não tem também destaque algum com seu personagem visivelmente também enfraquecido pelas cenas de romance. O filme, além de tudo, tem uma edição confusa, seu início, na tentativa de criar maior emoção, mostra Olga como criança, artifício totalmente desnecessário que não consegue dar profundidade maior nem justificar a personificação de Olga como uma idealista. Outra passagem que poderia ficar de fora é referente a Olga e seus pais. O roteiro, juntando-se tudo isso, se mostra bem primário e inocente, merecedor de várias revisões que, obviamente, acabaram não acontecendo.

Outro ponto irritante do filme é o seu manipulismo. Típico de televisão, esse artifício é uma grande e negativa cara-de-pau se levado ao cinema de forma tão evidente. Closes em rostos tristes; choro incessante de bebê; câmera lenta quando a protagonista apanha dos nazistas; música melosa nos momentos tristes e cenas de romance... exemplos não faltam pra ilustrar a manipulação que Monjardim tenta executar em seus espectadores. Finalmente, outro dos pontos irritantes é a insistência em misturar as línguas no filme. Uma hora Olga fala alemão para em seguida falar português. Não há problema em ambientar, mesmo que o filme se passe na Alemanha, todas as falas para o português, desde que se mantenha um padrão. Não há justificativa para as idas e vindas das línguas faladas durante o filme. Outra escolha errônea do diretor.

Os pontos positivos resumem-se à bela fotografia (mas repito: muito mal aproveitada) e, como fator externo, a demonstração da evolução técnica do cinema brasileiro. Em termos de conteúdo estamos passando por uma fase muito irregular. Olga é um filme medíocre, de roteiro ordinário e atuações apenas corretas, quando não são forçadas demais. É torcer para que, a partir de seu sucesso, filmes realmente importantes e com conteúdo sejam produzidos – espera-se apenas que não seja pela Globo Filmes.

Por Alexandre Koball, em 29/08/2004 Avaliação:         4.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 4.0
• Rodrigo Cunha 4.0
• Josiane Ka 6.0
• Régis Trigo 4.0
• Demetrius Caesar 2.0
• Silvio Pilau 6.0
• Heitor Romero 3.0
•  Média (Bottom Editores #39) 4.1
Notas - Usuários
5.9 (376 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (2)
Por Kennedy B. Vasconcelos, em 27/08/2011 | 00:18:19 h
Nunca vi o filme. Só ouvi falar. Em suma, achei essa crítica muito preconceituosa, ou melhor, discriminatória.
Por Luiz Felipe Martins Candido, em 22/08/2011 | 19:59:13 h
Sua crítica contempla os pontos importantes. Endosso todos seus pontos de vista e acrescentaria o excesso de closes e cenas fechadas, o que dá a sensação de se estar assistindo a uma novela. Parabéns.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Olga
(Olga, 2004)
• Direção:
- Jayme Monjardim
• Elenco Principal:
- Camila Morgado
- Caco Ciocler
- Fernanda Montenegro
• Sinopse: Uma grande história de amor, em todos os sentidos: a luta; os ideais; o marido; a maternidade. Da infância burguesa na Alemanha à morte numa das câmaras de gás de Hitler, as imagens retratam a alma de uma revolucionária que descobriu o amor e a cruel...
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO