FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

Olga

(Olga, 2004)
Por Flávio Augusto Avaliação:                   9.0
Flávio vai contra a maré e concorda com a indicação como melhor filme estrangeiro pelo Brasil.

Olga Benário foi uma mulher que lutava por seus sonhos. Ela era judia alemã e vinha de uma família consideravelmente rica, mas, insatisfeita com o mundo e com o rumo que a História tomava, largou tudo e foi à Rússia treinar táticas militares com os comunistas. O que ela não esperava era uma missão ao Brasil, na qual deveria fingir ser esposa de Luís Carlos Prestes, revolucionário brasileiro, garantindo sua segurança até o momento em que chegassem ao país.

Esta é a premissa de "Olga - Muitas paixões numa só vida", adaptação cinematográfica do livro de Fernando Morais, resultando num filme bem dosado, bem-feito e visualmente impecável, contando a trajetória da comovente Olga e sua relação amorosa.

Assim que a projeção se inicia, a protagonista está num campo de concentração, e a partir daí, vai relembrando os momentos marcantes de sua vida: a decisão de treinar com os comunistas, o momento em que conheceu Carlos Prestes, seus relacionamentos, sua chegada ao Brasil, os apuros por qual passou no país, entre outros.

A trama segue bem amarrada, desenvolvendo a história de várias personagens, mas obviamente as que mais se destacam são Olga (Camila Morgado) e Luiz Carlos Prestes (Caco Ciocler). A princípio, pode-se pensar que os dois são maus atores, porque os diálogos entre eles muitas vezes soam forçados, mas isso ocorre porque Olga é uma personagem seca e direta com as palavras. Quanto a Luiz Carlos, o máximo que se pode conjecturar é que o ator estava apenas procurando seu espaço na trama. De qualquer maneira, mais ou menos no meio do enredo os atores se firmam no filme e desenvolvem suas personagens muito bem. Camila Morgado, por exemplo, chega a surpreender em inúmeros momentos, atingindo o auge de sua interpretação numa cena que envolve Olga, uma criança e alguns soldados nazistas. A atriz nunca deixa os bons momentos escaparem, agarra-os com convicção e os repassa aos espectadores com firmeza, veemência e profissionalismo.

Outras interpretações merecem ser mencionadas. A mãe de Luiz Carlos, D. Leocádia Prestes, ficou ao encargo de Fernanda Montenegro, que, como de praxe, cumpriu seu trabalho de maneira exemplar. Osmar Prado, Floriano Peixoto, Murilo Rosa e Mariana Lima são outros nomes que também devem ser mencionados.

Mesmo com um elenco de peso e uma trama bem construída, o filme comete alguns deslizes - mínimos, que não chegam a fazer muita diferença, mas que podem ser observados por olhos mais atentos e criticados por bocas mais cruéis. Trata-se dos desagradáveis clichês, presentes em cenas mais dramáticas, como aquela em que Olga é forçada a se separar de Luiz Carlos. Eles se abraçam, sussurram palavras de amor, choram e, em câmera lenta, despedem-se. Aliás, a câmera lenta foi amplamente utilizada no filme, para reforçar os momentos mais emocionantes, mas, às vezes, seu uso poderia ter sido evitado.

Quanto aos outros aspectos técnicos do filme, observa-se um esmero incrível dedicado a figurinos, locações e fotografia, algo provavelmente nunca antes visto no cinema nacional. Pensar que tudo aquilo foi filmado no Rio de Janeiro é difícil, principalmente quando se vêem detalhes impecáveis e uma veracidade fantástica nos cenários: neve, água, todos os elementos que compõem uma locação bem-feita estão lá. A maquiagem, ainda que simples, não demonstra falhas - até mesmo a expressão cadavérica das personagens no campo de concentração é extremamente realista.

A música de Marcos Vianna cumpre seu papel dentro do filme: o de transmitir a emoção necessária aos espectadores através das melodias. Alguns arranjos são simples e modestos, mas muito bem trabalhados, assim como os mais complexos. De qualquer maneira, a essência emocional de cada cena é repassada ao público de maneira forte e ainda assim muito sutil, com melodias emocionantes e bem acabadas.

Enfim, Olga é um exemplo para a indústria cinematográfica nacional. Consta de bons atores, ótima produção técnica, ótimo roteiro, excelente direção. É importante que os brasileiros aprendam a apreciar esta peça do cinema brasileiro, para conhecerem as pessoas que tentaram revolucionar o país e entenderem um pouco mais de sua história, ou para simplesmente conferirem a magnífica trajetória de Olga Benário.

Por Flávio Augusto, em 04/09/2004 Avaliação:                   9.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 4.0
• Rodrigo Cunha 4.0
• Josiane Ka 6.0
• Régis Trigo 4.0
• Demetrius Caesar 2.0
• Silvio Pilau 6.0
• Heitor Romero 3.0
•  Média (Bottom Editores #36) 4.1
Notas - Usuários
5.9 (378 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (3)
Por Marcus Almeida, em 05/09/2011 | 16:51:13 h
Elogia, elogia e não justifica, esse filme é um lixo!
Por Kennedy B. Vasconcelos, em 27/08/2011 | 00:25:12 h
É chato mesmo ver um filme que parece novela, mas que discriminação com novelas. Isso chega a irritar. Bom, não posso dá muito minha opinião pois nem assisti o filme.
Por Luiz Felipe Martins Candido, em 22/08/2011 | 19:56:58 h
A crítica afirma o tempo todo que o filme é bom, exalta os méritos do filme, mas não os explica, não justifica seus pontos de vista. Assisti ao filme e fiquei com a mesma sensação descrita no crítica de Alexandre Kobal, que o filme se encaixaria num formato televisivo (o tempo todo, em inúmeras cenas, tinha a sensação de estar assistindo uma novela, sobretudo pelo excesso de cenas fechadas, closes nos personagens etc.), mas nem resvala no que pensamos ser bom cinema.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Olga
(Olga, 2004)
• Direção:
- Jayme Monjardim
• Elenco Principal:
- Camila Morgado
- Caco Ciocler
- Fernanda Montenegro
• Sinopse: Uma grande história de amor, em todos os sentidos: a luta; os ideais; o marido; a maternidade. Da infância burguesa na Alemanha à morte numa das câmaras de gás de Hitler, as imagens retratam a alma de uma revolucionária que descobriu o amor e a cruel...
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO