FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Os Iniciados

(Inxeba, 2017)
Por Francisco Carbone Avaliação:               7.5
A manutenção da liberdade.
imagem de Os Iniciados
O cineasta John Trengove não poupa o espectador logo de cara. Com menos de 5 minutos de filme, somos apresentados à situação que vai se desenrolar em seu longa, e que consiste num intenso retiro para um grupo de jovens na África do Sul de hoje, mas que certamente tem reflexos em rituais arcaicos; dentre essa iniciação, a primeira atitude do processo é uma circuncisão à sangue frio, sem muito tempo para lamento. É feito e pronto, sem qualquer espécie de preparação mais cuidadosa. É uma mutilação certamente, mas também é a forma que a tradição e o conservadorismo encontraram para manter uma série de vidas sob uma espécie de comando naquela sociedade. Uma forma arcaica de demonstrar apreço pelo passado e pelo atraso, corroborada inclusive pelos que deveriam prezar pela liberdade, por estarem ainda mais à margem que o resto do grupo. É o passado gritando e dizendo que nenhuma decisão arrojada será permitida dentro de quem mantém sua raiz no antiquário, ainda que não-convicta.

O filme é o desdobramento de um curta-metragem do diretor sobre esse mesmo processo ritualístico sul-africano, onde uma montanha é palco da relação entre cuidadores e iniciados, o primeiro tratando da ferida criada no processo e adentrando esse jovem na vida adulta, e o jovem se deixando levar pelo fim da adolescência e o processo de formação de seus valores, anseios e desejos. O longa-metragem amplia a situação da iniciação, que acaba servindo de metáfora para o processo do crescimento de jovens homens e de outros homens, que se embrenham por sentimentos adultos, decisões adultas e pulsões adultas, rumo ao que deveria um futuro emocional. Ainda que o filme repita planos e mesmo marcações de cenas, o painel que se abre sobre esse processo até muito exótico e que propaga essa espécie de ancestralidade é ousado, violento sob pontos de vista emocional e físico, mas absolutamente fascinante no aspecto etnográfico. Trengove abre camadas de discussão sobre vilarejos onde provavelmente viveu para traçar uma história que busca romper com o passado e buscar um futuro particularmente melhor, ainda que controverso naquele ambiente.

Rituais envolvendo mutilações em tribos sul-africanas geralmente têm como alvo as mulheres, que ainda sofrem com esse processo. Os Iniciados no entanto é um filme exclusivamente composto por homens, e todos esse processo só diz respeito a esse grupo de personagens, de onde conhecemos Xolani. O diretor do filme sempre com espaço para respirar, de uma forma ampla e sem detalhes físicos, o oposto de Vija. Xolani e Vija são cuidadores de iniciados e se encontram anualmente naquela mesma montanha para o ritual pelo qual passam os jovens. Vemos o corpo de Vija em close: costas, bunda, boca, braços, tórax, Trengove aproveita tudo para desenhar sutilmente a relação entre esses dois homens, que não é nova mas precisa de uma renovação sem dúvida. Para isso, a promessa do horizonte é de abandonar as montanhas, de viver livremente. Mas o roteiro cria essa história de dependência e obsessão da forma mais milimétrica possível, com cada passo refletindo o agora e algumas possibilidades de futuro que vão se afunilando.

Toda a violência do filme, seja ela física ou emocional, é sempre muito chapada na tela, intensa e arranhada. Já o amor, o carinho e as relações de afeto estão sempre sob uma perspectiva aberta e amplificada, como se precisassem de fato do ar puro para existirem e serem interpretadas. Mas é um filme sobre esse processo, entre o ancião e a juventude, que entende mas é curiosa e precisa tatear. Já o passado é retrógrado e abafado, e dele só vêm lampejos do mal. É dessa maneira que a narrativa transborda no processo de criação autoral da direção, que o filme tenta conjugar os laços entre esses dois mundos que precisam coexistir. Como manter o legado que a História nos impinge sem perder as escolhas individuais e o livre arbítrio de hoje, muito mais múltiplo que nunca. Os extremos não ajudarão, e talvez o olhar diferenciado ainda seja muito ousado para certas camadas, mas o filme consegue transitar por entre diversas parcelas diferentes e mapeá-las.

A visão de Trengove para aquela realidade não é positivada, nem amainada. O que vemos é um espaço onde os raios de luz sempre são encobertos e onde a noite existe mesmo durante o dia, inclusive internalizada pelo protagonista. Para além de apresentar uma fatia ainda atuante dentro da sociedade do país, o filme confirma como a mudança dentro de um grupo arraigado ainda se busca de formas igualmente ancestrais e nada libertadoras. Sua crueza e seu tom onde sonhos são apenas sonhos não atrapalham a história sendo contada, mas não deixa de ser inusitado que um homem jovem lide com o cerceamento das liberdades individuais de uma maneira tão seca e sem esperanças. Um belo retrato sobre como mudamos com o medo e de como eles moldam nossos futuros particulares.
Por Francisco Carbone, em 19/01/2018
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 7.5
•  Média 7.5
Notas - Usuários
7.8/10 (4 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Iniciados, Os
(Inxeba, 2017)
• Direção:
- John Trengove
• Elenco Principal:
- Nakhane Touré
- Bongile Mantsai
- Niza Jay
• Sinopse: Um solitário funcionário de uma fábrica viaja para as montanhas com os homens de sua comunidade a fim de iniciar um grupo de jovens em uma irmandade masculina.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE