FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Paraíso Perdido

(Paraíso Perdido, 2017)
Por Francisco Carbone Avaliação:                 8.0
A ciranda de Monique.
Um corredor, uma cortina que se abre. De trás dela sai Erasmo Carlos, anunciando que aquele é um lugar para quem ama, o Paraíso Perdido. Assim se inicia o novo e homônimo longa de Monique Gardenberg, cineasta muito especial que infelizmente cria grandes espaços entre suas produções. Esse é apenas o quarto filme de uma carreira iniciada há mais de 20 anos, e o primeiro em ONZE anos (o último, Ó Paí, Ó), o que só sua persona como diretora também de teatro justifica, mas não diminui a ausência. Uma carreira pautada por primeiramente uma característica que se repete aqui, a habilidade com numerosos e excepcionais elencos, que comanda sempre com extrema competência. Mas Monique é muito mais que uma diretora de atores, embora sua veia teatral tenha realçado isso.

Monique tem também o poder de captar a essência do universo retratado quase a se metamorfosear por entre seus espaços e descobertas, seja ele a cena multicultural baiana, a prosa requintada de Chico Buarque ou até os meandros de uma investigação jornalística que burila códigos de ética. A diretora de Jenipapo é uma voz que faz falta nesse momento de acertada exposição da presença feminina atrás das câmeras, e sua experiência em diferentes frentes acabou também criando uma facilidade de se mover entre a ficção e o conceito de espetáculo, que ela já flertou no longa anterior e que aqui é elevado a personagem.

Paraíso Perdido é o principal cenário do filme e também seu esqueleto, uma espécie de árvore genealógica que sustenta seu grupo de personagens e os mantém unidos. A partir desse cenário todas as relações serão construídas, estabelecidas e futuramente modificadas. A boate tem um caráter melancólico que combina com a teia assumidamente novelesca que Monique apresenta, desdobrando afetos e emoldurando uma colcha fina que permeará ações e reações, do passado e do presente. Quanto ao futuro, é através desse jogo que o filme estabelece o seu, tentando e conseguindo acarinhar cada um daqueles seres.

Odair é um policial que salva Ímã de um ataque homofóbico, e esse é seu passaporte para o universo paradisíaco-familiar que Monique habilmente constrói. Ao som do samba-canção, do brega e do cancioneiro mais desbragado já produzido no país, a lente de Pedro Farkas elabora as luzes e os movimentos sinuosos com a qual a câmera passeia pelo espaços criados por Valdy Lopes, que captam não apenas a essência do lugar como de cada mínimo detalhe em cena. Em confluência com o incrível figurino de Cássio Brasil, a luz de Farkas emoldura muito do entendimento da direção e nos remete muito rapidamente ao propósito da produção, o lugar que deve ocupar e as intenções de Monique com o mesmo. O filme só será apreciado corretamente se o mergulho na proposta for total, a outra opção a isso seria não embarcar no molde que aquelas músicas fazem de toda a parte técnica e das opções de Monique para a narrativa. 

A cena do brega já foi protagonista de alguns longas nacionais (Vou Rifar meu Coração Amor, Plástico e Barulho, mais notadamente), e aqui essa cena adquire mais interiorização e a junção do samba-canção também no molho, não apenas como ambientação do roteiro mas também dando relevo a diálogos e personagens, tudo em prol de criar um corpo característico ao filme, onde toda a parte técnica realça esse viés e o elenco invejável reproduz essa demanda do filme. De Julio Andrade a Erasmo Carlos, de Humberto Carrão a Seu Jorge, de Lee Taylor a Felipe Abib, todos estão especiais. Mas é o elenco feminino que evoca esse universo de frente: Hermila Guedes, Malu Galli, Julia Konrad e o terceiro desempenho espetacular em 2018 de Marjorie Estiano (que faz dela o Nome do Ano no cinema brasileiro) é um quarteto destemido em cada fotograma, repleto de nuances, de potência, de impacto mas também imerso em sensibilidade.

E um capítulo à parte é preciso ser aberto para Jaloo. A estreia no cinema do cantor paraense é uma das muitas apostas de Monique (Konrad veio de Malhação para essa estreia no cinema) e é das figuras mais hipnóticas dessa safra. Aliando uma voz única, uma pegada musical completamente diferenciada e que já é um diferencial próprio, Jaloo é uma força atraente demais e o filme é embevecido dele. Sua presença ressalta tanto o lado musical do filme quanto as fragilidades muito humanas que ele emprega a seu Ímã, talvez um dos nomes mais acertados do nosso cinema recente. Seu poder de atração ecoa em todo o elenco e no próprio filme em si, ao mesmo tempo que não é nada egoísta e acaba dividindo holofotes com cada ponto de luz que emana do filme, e são muitos.

Monique ainda tem aqui aquela capacidade cada vez mais rara de encerrar um longa no momento perfeito, uma cena poética e emblemática da amplitude e união daqueles seres unidos numa ciranda coletiva de dores e implosões que se repetem e alimentam umas das outras, que mesmo esquecendo dois personagens pelo caminho ainda assim aponta que não haverá solução sem sensibilidade, união e empatia.
Por Francisco Carbone, em 22/05/2018
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 8.0
•  Média 8.0
Notas - Usuários
7.0/10 (4 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
• #40 100 anos de Ingmar Bergman
• #39 Os Incríveis 2
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Paraíso Perdido
(Paraíso Perdido, 2017)
• Direção:
- Monique Gardenberg
• Elenco Principal:
- Erasmo Carlos
- Júlio Andrade
- Hermila Guedes
• Sinopse: A história de um pai e seus filhos, suas vidas e desencontros, que cantam à noite em uma boate decadente.
 FILMES RELACIONADOS
• Amor, Plástico e Barulho
• Jenipapo
• Vou Rifar meu Coração
• Ó Paí, Ó
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE