FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Paterson

(Paterson, 2016)
Por Felipe Ishac Avaliação:               7.0
A simplicidade de Jim Jarmusch.
Após a grande epopéia de sentimentos que foi Amantes Eternos (Only Lovers Left Alive, 2013), Jim Jarmusch resolveu minimizar a grandeza de suas histórias e explorar a mediocridade do ser humano. Em Paterson (idem, 2016), que concorreu à palma de ouro de 2016, o diretor proliferou temas sobre rotina, aceitação, vivência, mas também passou um lírico contexto sobre o descobrimento usual da vida.

O longa conta a história de Paterson, um pacato motorista de ônibus na cidade de Paterson, em Nova Jersey, que gosta, em suas horas vagas, de escrever poesias sobre o simples, o cotidiano. Assim como os poemas do personagem, Jarmusch fez, neste aqui, um simples filme bem coordenado; acessível para os novos e lúdico aos conhecedores, vazio em pretensões, porém, cheio de bons momentos, alicerçados por uma condução narrativa bastante eficiente, momentos engraçados e sutilezas remotas, ainda que perca sua maciez com o andar da história. 

O filme conta com três personagens importantes: nosso protagonista, interpretado por Adam Driver, que apesar de não se expressar muito bem, consegue imprimir toda uma insegurança do personagem e solidificá-la em tela; além de viver uma vida mediana, guarda seus poemas - sua verdadeira paixão - como algo muito intimista, deixando apenas sua esposa lê-los. Sua mulher, interpretada por Golshifteh Farahani, que faz um trabalho excepcional como uma mulher que vive de arte às custas do marido, entretanto, sempre deixando suas ambições visíveis, sendo a força do casal, algo bem caricato, porém verossímil aos olhos mundanos. E o cachorro, que funciona, junto com o chefe de Paterson, como o alívio cômico e a válvula para o andar narrativo. 

Jarmusch, como poucos, consegue tirar muita substância do comum, com uma linguagem amigável e sem aquela arrogância cinematográfica intrínseca a várias obras contemporâneas. Ao longo do filme, acompanhamos o protagonista escrever dezenas de novas poesias, estas de conteúdo bem trivial (por exemplo, sobre um fósforo e sua embalagem), que são escritas em tela, geralmente à imagem de uma paisagem campestre ou cachoeiras bem fotografadas - isto é a prova do bom humor e da constante ironia do diretor, escarnecendo a indústria do cinema de hoje em dia, onde a forma, muitas vezes, está acima do conteúdo. 

Neste aqui, a cidade se identifica como um dos personagens principais também - junto com o motorista e sua família - pois, mesmo se estabelecendo numa simplicidade conjectural, o longa consegue criar uma atmosfera bem icônica, coisa que o diretor sabe fazer bem e sempre usa em seus filmes. Os dois (cidade e ser humano) estão conectados entre si, parece que um não vive sem o outro; o personagem se mostra como o brilho esquecido da cidade e soma grandeza às terras. Ele é alguém bem singelo e inocente, assim como o local em que vive: tem repulsa a celulares, computadores e tecnologia em geral, sua única diversão é ouvir o que os outros têm a dizer e botar a cabeça para funcionar. Porém, Jarmusch é bem claro quanto a essa integridade: é mostrado como um defeito se tratando do personagem, uma complexidade que tem de ser resolvida e, porventura, uma crítica a esse tipo de conservadorismo específico.

Mesmo sem muito o que contar, a metragem define bem seus posicionamentos alegóricos, edificando isso em um final de pura interpretação, distinta a cada um. Com uma sinceridade textual satisfatória, gerida por uma autenticidade sublime, rara nos dias atuais, Paterson, sem dúvidas, é uma das obras mais enigmáticas dos últimos tempos; não por reviravoltas da narrativa ou complexidade do enredo, mas, simplesmente, por sua atmosfera genérica sucumbir tanto o nosso timbre sensitivo, mesmo com tão pouco. Não há quase nenhuma emoção característica à obra, mas há tanto sentimento pós-sessão - externo a todo filme -, uma sensação agridoce. Todavia, a jornada vaga do motorista para uma nova descoberta sensorial é cheia de banalidades e passagens ordinariamente aventurosas, fazendo com que a condução rítmica do filme perca sua exuberância e o tempo demore a transitar em diversos momentos.

Por Felipe Ishac, em 06/01/2017
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 6.0
• Heitor Romero 8.0
• Felipe Leal 8.0
• Felipe Ishac 7.0
•  Média 7.3
Notas - Usuários
7.5/10 (78 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Paterson
(Paterson, 2016)
• Direção:
- Jim Jarmusch
• Elenco Principal:
- Adam Driver
- Golshifteh Farahani
- Barry Shabaka Henley
• Sinopse: Na cidade de Paterson, em Nova Jersey, um pacato motorista de ônibus vira um personagem conhecido por se destacar em uma arte diferente da condução de veículos, a poesia.
 FILMES RELACIONADOS
• Amantes Eternos
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE