FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Pequena Grande Vida

(Downsizing, 2017)
Por Heitor Romero Avaliação:           5.0
O sonho de um homem ridículo.
imagem de Pequena Grande Vida
No enredo de Pequena Grande Vida (Downsizing, 2017), novo filme de Alexander Payne, a ciência descobre uma maneira brilhante de minimizar os estragos do homem ao meio-ambiente e dessa forma salvar o planeta e a raça humana. Através de uma tecnologia capaz de diminuí-lo ao tamanho médio de 12 centímetros e colocá-lo para viver em mini-cidades com excelentes condições de vida e insignificantes índices de poluição, é possível também aproveitar o embalo e oferecer ao homem de classe média comum a chance de finalmente alcançar o inalcançável sonho americano da casa própria, carro do ano, família perfeita e conforto financeiro. 

Autor costumeiro de personagens em crise com seus próprios sonhos e ambições e observador satírico das instituições afundadas na hipocrisia americana, Payne centraliza agora em Paul Safranek (Matt Damon) a ideia do homem engolido por esse meio, literalmente diminuído e resumido a um mero fantoche que abre mão de sua própria integridade em busca da chance de finalmente alcançar a suposta felicidade e plenitude vendidas nos anúncios de jornal e TV. Mas o conflito permanece, pois Paul não é simplesmente um americano capitalista – ele é um americano capitalista com senso de culpa, sendo capaz de perceber, ainda que a contragosto, o horror daquela ideia vendida como tão cheia de boas-intenções a favor do planeta e da vida. 

Pequena Grande Vida tem um argumento muito divertido que parece saído da mente de algum membro do Monty Python, e na sua primeira hora o explora sempre com muito bom humor e uma direção inspirada. Sempre em planos inteligentes que valorizam a discrepância de tamanhos entre os homens normais e os encolhidos, as imagens de Payne falam por si só e provocam risadas sem precisar de uma única palavra, expondo todo o ridículo da situação levada tão a sério pelos cientistas e vista como ideal pelos consumidores. Expandindo todas as possibilidades, ele inclui questões sociais como as dificuldades de adaptabilidade dos “encolhidos” no mundo dos “normais”, o preconceito de um lado para com o outro, implicações políticas e financeiras, o impacto na segurança das fronteiras entre os países, etc. Atingindo todas as esferas sociais, o diretor brinca bastante com sua história maluca em um primeiro momento. 

A partir da segunda hora, passado o deslumbramento com o novo universo inventado, Pequena Grande Vida de repente se transforma em um filme diferente – e pior. A questão ambiental, que até então era usada como desculpa moral para a execução de um negócio puramente capitalista e nada preocupado com o meio-ambiente e qualidade de vida, logo passa a ser levada tão a sério pelo roteiro que qualquer vestígio de humor some e entra uma abordagem sentimentalóide e panfletária. Uma vez dentro de uma dessas mini-cidades, Paul se desilude ao descobrir algum tempo depois que lá também existe desigualdade social, pobreza, miséria e sofrimento. Ao conhecer uma ativista vietnamita que perdeu a perna e atualmente trabalha como empregada doméstica e ajuda comunidades carentes na periferia daquele mundo não-tão-perfeito, ele percebe que trocou seis por meia dúzia e que isso lhe custou o casamento e a própria identidade. 

A conclusão estaria implícita nessa situação, mas Payne inexplicavelmente abre mão de todo o humor mordaz e de toda a irreverência e abre espaço para um roteiro esquemático, maniqueísta e superficial em todas suas considerações panfletárias de conscientização sobre a destruição do planeta Terra. Uma trilha sonora melosa e insistente também entra subitamente em cena para tentar conferir algum peso dramático, mas a partir desse ponto nada convence e a obra vai se descaracterizando até perder de vez sua autenticidade. Soa como uma auto sabotagem, como se o próprio filme caísse na armadilha e se revelasse tão pueril e ingênuo quanto aquele Paul do começo, acreditando piamente na possibilidade de um mundo “melhor” e mais “justo” que somente o capitalismo poderia (?) oferecer. 
Por Heitor Romero, em 13/02/2018
Avaliação:           5.0
Notas - Equipe
• Régis Trigo 2.0
• Silvio Pilau 3.0
• Heitor Romero 5.0
• Francisco Carbone 1.0
•  Média 2.8
Notas - Usuários
5.7/10 (23 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE