FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Ponto Cego

(Blindspotting, 2018)
Por Francisco Carbone Avaliação:                   9.0
Olhares multiplicados pela percepção.
imagem de Ponto Cego
O cinema do mundo está pedindo equidade racial e de gênero. O recém terminado Festival de Brasília gritou isso pelo segundo ano consecutivo, e Hollywood não tem feito outra coisa nos últimos anos, em exemplares no geral muito bem sucedidos. Desde 12 Anos de Escravidão até Moonlight, passando por Estrelas Além do Tempo e Histórias Cruzadas, entre muitos outros, a população afro-americana tem reivindicado um lugar para além de onde há muitos anos (décadas?) fora relegado, às comédias comerciais. Com o aparecimento de Corra! ano passado, o cinema mostrou que as questões étnicas ancestralizadas precisavam ser discutidas, e que havia qualidade narrativa suficiente para que um filme fosse além do panfleto. Com isso chegamos a Ponto Cego, cujo diretor Carlos Lopez Estrada mostra que o cinema mais uma vez pode agregar linguagem cinematográfica a discursos sociais, saindo ambos potencializados.

O filme parte de um lugar comum narrativo e se desenvolve para muito além do que esperamos dessa mesma forma: a amizade entre dois jovens adultos que cresceram juntos no mesmo bairro, que expandiu suas características e hoje vive em estado de vigilância por conta da violência. Collin é negro, Miles é branco. Desde a infância, essa amizade foi construída em cima da tensão latente do ambiente que os cercava, mas, quando os conhecemos, Collin está há três dias de terminar sua liberdade condicional e Miles está enfrentando os desafios de ser pai e domar sua própria personalidade, de características conflitantes. Collin é testemunha de um assassinato na noite do antepenúltimo dia restante, um policial branco atira pelas costas de um rapaz negro. Durante esses último dias, Collin e Miles em suas rotinas serão postos em cheque nas suas realidades, em revestimento narrativo que não corresponde ao esperado, dando frescor a uma trama que poderia ser traduzida de maneira banal, e aqui explode com impacto.

O filme é a estreia na direção de longas de Estrada, cuja experiência vem de episódios em dois seriados obscuros e muitos videoclipes, e que aqui assume um projeto particular dos protagonistas Daveed Diggs e Rafael Casal, que não apenas estrelam o filme, como também são os autores do roteiro e produtores do projeto. Claramente tem uma autoralidade ligada a eles que perpassa todo o projeto, e isso não por apenas suas assinaturas em várias divisões do projeto. O roteiro de autoria deles reflete as discussões em pauta em todo o país, alargando para a arte o olhar que confronta o racismo e a empatia, e espelhando na tela as inquietações atuais. Exemplo, por trás de possíveis clichês como a eterna culpa que negros sejam implicados na sociedade, o filme reconfigura as situações, reembaralha nossas certezas em relação ao seu movimento e promove um frescor que daria orgulho ao jovem Spike Lee. Diante de certezas no desenrolar das camadas e das resoluções, o manuscrito de Diggs e Casal promove o novo, sem para isso apelar para o irreal. O filme só joga para as possibilidades que foram negadas àquelas pessoas, mas que sempre foram opções reais nos fatos.

O filme não se furta em ousar misturar gêneros na tela, tais como a comédia, o policial, o drama, e até o musical, que vai adquirindo contornos próprios em seu caminhar tendo em vista que um dos protagonistas tem pretensões artísticas, fazendo o filme comportar características como os dos duelos de raps e rimas em determinadas passagens, especialmente em seu clímax, no limite onde cruzam o desespero, a tensão e a saída humanamente possível, com resultado impecável em um momento de profunda reflexão, dentro e fora do filme, que pode apontar contra ou a favor da própria produção de maneira polêmica. O filme também joga imageticamente com metáforas assimiladas com facilidade pelo público, como o cooper diário de Collin por um cemitério, quando ele corre por entre lápides, a fugir delas. Ou os pesadelos envolvendo violência que o assolam desde que ele vê o assassinato, fato esse que muda sua vida; não será a vida de todas as minorias um pesadelo diário? A forma como Miles é apresentado, construído, desconstruído, para no final se transformar na imagem clara que o próprio estereótipo do branco é outro achado, por inserir tantas nuances visuais e narrativas até o momento-chave, outra cena marcante.

O trabalho na direção de Estrada corresponde à responsabilidade colocada nas suas costas, de tratar esse universo com propriedade e urgência, e os desempenhos de Diggs e Casal são igualmente potentes e potencializados um pelo outro e pelo todo. Longe de parecer redundante e/ou autoexplicativa, também o título do filme é reavaliado conforme a trama avança. Partindo da expressão onde uma mesma imagem abstrata pode ter diferentes significados dependendo de quem e como se olha, o filme promove diferentes tipos de absorção da própria expressão, que passa por diversos sentidos até ela própria também ser um exemplo de ponto cego, e ampliar a forma de como vemos cada detalhe que compõe a nossa vida e a dos outros. Isso tudo num aparente modesto longa que chega nas telas falando muito baixinho, e ir crescendo em representatividade e importância a cada nova cena, até se tornar um dos produtos mais interessantes a aportar nos cinemas nessa temporada.
Por Francisco Carbone, em 03/10/2018
Avaliação:                   9.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 9.0
•  Média 9.0
Notas - Usuários
7.7/10 (7 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Ponto Cego
(Blindspotting, 2018)
• Direção:
- Carlos López Estrada
• Elenco Principal:
- Casey Adams
- Utkarsh Ambudkar
- Kendra Andrews
• Sinopse: Umas comédia sobre a amizade entre dois homens em um mundo que permanece sempre o mesmo.
 FILMES RELACIONADOS
• 12 Anos de Escravidão
• Corra!
• Estrelas Além do Tempo
• Histórias Cruzadas
• Moonlight
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE