FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Quando Eu Era Vivo

(Quando Eu Era Vivo, 2014)
Por Heitor Romero Avaliação:               7.5
Efeito sem causa.

Em Trabalhar Cansa (idem, 2011), o diretor paulistano Marcos Dutra realizou a complicada tarefa de transitar em tempo integral em uma zona obscura e abstrata que intermeia a realidade e a fantasia. É aquele terreno transitório onde é possível reconhecer as estruturas da realidade e ao mesmo tempo se perder em meio a insights que indicam uma força oculta além de nossa compreensão carnal. Ao mesmo tempo em que traçava um retrato fiel e pé no chão da vida da classe média do brasileiro, ele se aventurava em um plano fantástico que contrastava bela e sutilmente com o tom realista da trama. O grande trunfo da obra, no fim das contas, foi conseguir se manter nesse meio sem hora ou outra se firmar nem para o lado da razão nem para o lado paranormal – um feito dificílimo.

E foi graças a essa primeira experiência bem sucedida que o diretor parece ter conseguido a confiança para encarar um filme complexo como seu novo Quando Eu Era Vivo (idem, 2014), baseado no romance de Lourenço Mutarelli, A Arte de Produzir Efeito Sem Causa. Se em Trabalhar Cansa a exploração do território extra-sensorial se mostra mais sutil, aqui há uma proximidade muito mais ampliada do horror. A trama gira em torno de Júnior (Marat Descartes), um homem desempregado e sem rumo que volta a morar com seu pai, Sênior (Antônio Fagundes), e desenvolve uma atração pela inquilina do prédio, Bruna (Sandy Leah), uma estudante de música que agora ocupa seu antigo quarto. Após encontrar objetos que pertenciam à sua mãe, como fitas de vídeo, Júnior mergulha em um espiral de lembranças e traumas e aos poucos vai perdendo a noção do delírio e da realidade.

O título do romance original sugere uma quebra na teoria de causa e efeito, propagada por algumas doutrinas que ensinam, resumidamente, que a reação vem a partir da ação, ou tudo que vai, volta. No caso de Quando Eu Era Vivo essa noção é rompida quando notamos que Júnior passa a sofrer assombrações e delírios (os efeitos) a partir do nada. Como se só uma constante da fórmula estivesse ativa, isso gera uma fenda não somente na teoria original, como na estrutura de realidade da obra, e nisso Dutra volta a transitar com eficiência naquela já mencionada zona morta, entre realidade e pesadelo.

Por ser um terreno de atmosfera sinistra e de uma textura inconsistente, os cenários e tempos parecem ganhar vida e se mutacionam, se mesclam, e já não sabemos, a certa altura do campeonato, se estamos diante da realidade, do sonho, do delírio, do presente ou do passado. Tudo o que nos é apresentado a princípio se dissolve em seu próprio eixo, para depois ir se redesenhando e ganhando um contorno familiar, porém de alguma forma diferente dos traços iniciais. Evoca as ideias de A Hora do Lobo (Vargtimmen, 1968), de Ingmar Bergman, principalmente no que diz respeito à ‘hora em que a maioria das pessoas morre, e a maioria nasce. Nesta hora, os pesadelos nos invadem...”.

E para construir essa atmosfera angustiante, o diretor recorre às velhas convenções do gênero de terror, que ainda funcionam quando bem aplicadas. O barulho de uma porta batendo, o uivo do vento entrando pela janela, um louco gritando na rua, a potencialização de pequenos sons cotidianos e banais, como o ranger da madeira indicando a aproximação lenta de algum estranho. Tudo colabora para a ideia de alguma ameaça, que jamais se materializa, pois o filme tem um pé no realismo que jamais o permite concretizar qualquer conceito fantasioso demais. Por outro lado, é essa veia realista que nos permite enxergar claramente as fissuras, fragilidades e enlaces íntimos nas relações dos personagens, mesmo aqueles que somente são mencionados (como a mãe).

A música ganhará uma atenção especial do diretor e justificará, a princípio, a controversa escalação de Sandy para o papel de Bruna. Mas não se deixem enganar por preconceitos bobos, pois a presença da cantora é peça essencial na engrenagem e uma das razões mais fortes para o resultado final extasiante da obra. Descartes segue como um dos atores (se não o principal) mais importantes do (bom) cinema nacional recente e salva o personagem de se tornar um lunático trash tão comum em composições para filmes desse estilo, enquanto Fagundes se encaixa  perfeitamente para a plena sintonia do trio.

Nada em especial merece o crédito de uma obra original, mas em algum lugar e em algum momento do filme nasce algo de muito intuitivo, forte e perene, embora não seja possível (pelo menos para mim) dizer exatamente o que é. Talvez seja parte do charme da obra de Marcos Dutra brincar com a nossa percepção assim como brinca com a lógica de seus protagonistas, e esse caos causado pela ruptura da ligação entre causa e efeito nos eleve também ao terreno das incertezas, onde nada nem ninguém é capaz de distinguir o que é real e o que não é.

Por Heitor Romero, em 03/02/2014
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Heitor Romero 7.5
• Marcelo Leme 7.5
• Pedro Tavares 7.0
• Guilherme Bakunin 6.0
•  Média 7.0
Notas - Usuários
6.9/10 (64 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (16)
Por Felipe Ishac, em 30/07/2014 | 03:46:46 h
Sandy desqualifica a obra sim! O filme é bom mas tem cenas que da uma certa vergonha da atuação dela, principalmente quando ela começa a cantar. A cantoria final foi boa, mas porque ela estava acompanhada da voz do cara. A cena em que ela canta na mesa é ridícula!
Por Rodrigo Giulianno, em 06/02/2014 | 16:09:07 h
A Sandy daria uma boa atriz pornô ou uma cantora sertaneja pop.
Por Victor José Ferreira Narciso, em 06/02/2014 | 11:37:46 h
Excelente critica, parabens. Achei inferior ao Trabalhar cansa, mas ainda é bem interessante...
Por Diogo Serafim, em 04/02/2014 | 23:58:19 h
Ótimo filme. A atuação da Sandy em nada compromete o filme, arrisco concordar com o Heitor e exaltar a sua presença como uma das qualidades da obra.
Por Rodrigo Giulianno, em 04/02/2014 | 16:58:53 h
A Sandy faz anal nesse filme?
Por Alexandre Koball, em 04/02/2014 | 15:44:54 h
É, tá!
Por Daniel Dalpizzolo, em 04/02/2014 | 12:12:49 h
escalar a sandy é um gesto de coragem que só me deixa mais interessado pelo filme.
Por Felipe Nicéas Carneiro Leão, em 04/02/2014 | 11:26:35 h
Sandy automaticamente desqualifica a obra. {2}
Por Guilherme Santos , em 03/02/2014 | 22:00:45 h
Achei interessante também a belíssima fotografia do filme que vai se tornando mais sombria ao desenrolar da trama, bom filme
Por Alexandre Koball, em 03/02/2014 | 21:50:50 h
Legal.
Por Eduardo Pepe, em 03/02/2014 | 21:41:50 h
Todo mundo que viu confirmou que ela não compromete o resultado do filme.
Por Alexandre Koball, em 03/02/2014 | 21:16:51 h
Por quê? Eu não vi o filme mas já vi outras atuações dela. A não ser que seja uma evolução notável e improvável... se for o caso, falarei bem.
Por Matheus Duarte, em 03/02/2014 | 19:56:27 h
Quer dizer, muito menos de um editor.
Por Matheus Duarte, em 03/02/2014 | 19:55:30 h
Isso não é pensamento para vir de um editor.
Por Victor Ramos, em 03/02/2014 | 19:45:21 h
Sério isso?

v
Por Alexandre Koball, em 03/02/2014 | 19:33:51 h
Sandy automaticamente desqualifica a obra.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Quando Eu Era Vivo
(Quando Eu Era Vivo, 2014)
• Direção:
- Marco Dutra
• Elenco Principal:
- Marat Descartes
- Antônio Fagundes
- Sandy Leah
• Sinopse: Júnior volta a morar com a família depois que perdeu o emprego e se separou da esposa. Ao chegar na casa que um dia já fora seu lar, ele se sente um estranho e passa seus dias no sofá do velho Sênior remoendo a separação, o desemprego e sonhando com ...
 FILMES RELACIONADOS
• A Hora do Lobo
• Trabalhar Cansa
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE