FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA
Sentença de Morte
(Death Sentence, 2007)
Por Silvio Pilau Avaliação:               7.0
Mesmo sem profundidade, tem todos os elementos de um bom filme de ação.

Não é de hoje que Hollywood lança dois filmes com temática semelhante em curto período de tempo. Há poucos anos, por exemplo, tivemos os filmes de meteoro, os da Segunda Guerra e até desenhos que pareciam beber da mesma fonte, todos chegando aos cinemas com poucos meses de diferença. Agora parece ser a vez dos filmes de vingança. Pouco depois de Valente, que trazia Jodie Foster como uma mulher que virava espécie de justiceira após a morte do marido, chega Sentença de Morte, algo como um Desejo de Matar para as platéias atuais.

O roteiro de Ian Jeffers conta a história de Nick Hume, vice-presidente de uma companhia de seguros e chefe de uma família estável, com mulher e dois filhos. Após uma partida de hóquei, Nick e o filho mais velho param para abastecer o carro. É quando ocorre um assalto e o garoto é assassinado diante dos olhos do pai. Ao perceber que o sistema não fará muita coisa, Nick decide soltar o culpado para fazer justiça com as próprias mãos, sem saber as conseqüências que isso irá trazer.

Dirigido por James Wan, responsável pelo irregular Jogos Mortais, Sentença de Morte é eficiente em seus propósitos, funcionando bem como um filme de ação com alguns toques dramáticos. O grande ponto a favor da obra é forma com a qual a família Hume é retratada no início do filme. De forma natural, sem parecer comercial de margarina, Wan mostra uma família feliz, criando uma relação entre os personagens e o espectador.

Assim, todos os eventos posteriores pelos quais os Hume passam encontram reflexo na platéia e as cenas de ação ganham em tensão, uma vez que a preocupação com os personagens existe por parte de quem assiste ao filme. Além disso, o roteiro ainda apresenta um competente arco dramático para o personagem de Nick Hume, que passa de pai de família amoroso e cidadão exemplar a um assassino sem piedade. Ainda que esta evolução não seja tão densa quanto em Valente, ela existe, e é, ainda mais que a sede de vingança, o verdadeiro motor de Sentença de Morte.

É aí também que a produção difere daquela obra relativamente amoral estrelada por Charles Bronson há mais de trinta anos. Nick Hume sente dúvidas, culpa e remorso em relação às suas ações, e sua transformação jamais deixa de convencer. Kevin Bacon, porém, não parece ter sido uma escolha feliz de elenco. Ainda que competente, Bacon não possui o alcance necessário para certas cenas que exigem mais emoção e dramaticidade, entregando uma atuação irregular. É visível que o ator fica mais à vontade no terceiro ato, com o personagem já mais ensandecido – papel com o qual está muito mais acostumado.

Enquanto isso, James Wan surpreende com uma direção segura e até certo ponto ousada, especialmente nas seqüências de ação. Com movimentos de câmera inventivos, inclusive planos-seqüência interessantes, e uma abordagem crua em relação à violência, Wan emprega nervosismo aos momentos mais agitados de Sentença de Morte, sentimento que aumenta graças à identificação com os personagens. O aspecto mais intimista da história também é bem retratado, especialmente a desconstrução do personagem principal, que, ao final, nem de perto parece o homem do início – e o cabelo mal cortado no confronto derradeiro dá um toque especial de insanidade.

No entanto, além da atuação inconstante e de certos momentos nos quais a transformação do protagonista parece por demais acelerada, o roteiro peca em outros momentos. A subtrama sobre o segundo filho se sentir menos amado surge do nada, sem indício algum anteriormente, como um mero recurso do roteiro para gerar novo conflito que não leva a lugar algum. Além disso, o personagem de John Goodman funciona apenas como obstáculo ao andamento da trama, pois resolve-se sem influenciar em nada.

Contando com uma interpretação psicótico de Garret Hedlund como o vilão, Sentença de Morte tem todos os ingredientes de um bom filme de ação: identificação com personagens, um vilão ameaçador, eficientes toques dramáticos e cenas muito bem filmadas. Não chega à profundidade de Valente, mas é mais completo que o “clássico” Desejo de Matar.

Por Silvio Pilau, em 29/04/2008 Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Silvio Pilau 7.0
•  Média 6.5
Notas - Usuários
7.0 (89 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Sentença de Morte
(Death Sentence, 2007)
• Direção:
- James Wan
• Elenco Principal:
- Kevin Bacon
- Garrett Hedlund
- Kelly Preston
• Sinopse: Nick Hume vive uma vida tranquila em Boston, onde cuida de seu negócio e da sua família. Uma noite basta para mudar tudo isso, quando seu filho mais velho é assassinado na sua frente. O assassino é preso, mas Nick não se contenta apenas com a sentenç...
 FILMES RELACIONADOS
• Desejo de Matar
• Jogos Mortais
• Valente
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO