FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Silêncio

(Silence, 2016)
Por Vlademir Lazo Avaliação:               7.5
Fé e apostasia.
imagem de Silêncio
Um dado concreto a ser observado: Silêncio (Silence, 2016) é o filme de Martin Scorsese que parte de material literário mais relevante desde, pelo menos, A Última Tentação de Cristo (The Last Temptation of Christ, 1988), do qual esse trabalho mais recente é uma espécie de continuação não-oficial dentro da filmografia do diretor. Sabemos que qualidade em cinema e literatura nem sempre coincidem, e que um grande livro pode ter uma adaptação frustrante. Baseado em romance de Shusaku Endo (o qual Masahiro Shinoda também filmou no começo dos anos setenta), a história parece à prova de fogo, e grandiosa o suficiente por si mesma, o que faz com que Scorsese não precise inflar o seu estilo de direção, como têm ocorrido nos seus últimos projetos cinematográficos. Não há grandiloquência tampouco fetichismo estético, mas uma notável sobriedade, além de beleza, fé, força e violência em ritmo lento mas não entediante, com um tanto do talento que o cineasta demonstrou em diversas outras ocasiões. 

Silêncio carrega consigo uma extensão política: todo império precisa expandir os limites de sua abrangência para impedir o próprio desaparecimento. É o que ocorre com o império cristão, como no tempo dos jesuítas que saíam pelo mundo catequizar ou converter em novos católicos os habitantes de regiões longínquas fora da Europa. Em Portugal do século XVII, a Companhia dos Jesuítas recebe a noticia de que no Japão feudal o missionário Ferreira (Liam Neeson) praticou a apostasia, e dois de seus seguidores mais devotos, os padres Sebastião Rodrigues (Andrew Garfield) e Francisco Garrpe (Adam Driver), partem com o desejo de confirmar a veracidade da informação.

Um filme sobre homens dispostos ao sacrifício pessoal ou levados à renúncia de uma causa ou de um grupo, necessitando reorganizar as circunstâncias justamente em prol da causa ou do grupo. Mas também o choque de civilizações, o abismo nas diferenças culturais, linguísticas e religiosas, ao vermos padres e missionários católicos pregando no Oriente de tradições  milenares. Um pouco de uma viagem conradiana no coração das trevas, ou no caso, em meio ao excesso de nevoeiro, em território hostil dominado pelo budismo, a população totalmente controlada, e o cristianismo ou qualquer influência advinda do Ocidente proibidos de circular no Japão. Uma guerra espiritual que resulta em destroços físicos defronte a impassibilidade da natureza, com perseguições, decapitações, fogueiras, crucificados, etc. Toda uma sorte de horrores como uma presença constante, na tentativa de evitar o tráfico de ideias e de influências e disseminação católica. 

A inquisição japonesa invade residências, buscando qualquer objeto com imagens cristãs escondidas, em meio ao contrabando de objetos religiosos (cruz, santos ou rosários). Num mundo em que parece que Deus ainda não se estabeleceu ou que se omite, e no qual se obtém como resposta apenas a morte, ou o silêncio, Rodrigues vai descobrir que ser um apóstata, mais do que salvar a própria pele ou a de seus iguais, servirá para manter e prolongar a cristandade em território tão beligerante. A forma de lutar contra o caos e a incompreensão que governa entre os homens. Uma semente para árvores que possam consentir colher frutos na posteridade. Permanecer vivo é também um modo de martírio e de resistência para que o ideal e a causa subsistam. A apostasia, aqui, é como a última tentação no filme de 1988, ambas podem desagradar ou enfurecer católicos, mas nesses longas de Scorsese elas existem para reafirmar uma crença. 

Voltando aos atributos e senões com adaptações literárias, detratores de Onde os Fracos Não Têm Vez (No Country for Old Men, 2007), para que sirva como um exemplo dentre tantos outros, podem com razão afirmar que os seus méritos são todos decorrentes do romance de Cormac McCarthy. Com os Coens fazendo apenas uma ilustração do livro, recaindo na caricatura e no decorativismo, que implode num esvaziamento que reforça a sua fadiga estética. Não é o que acontece em Silêncio, que possui direção segura e corresponde plenamente à potência de suas possibilidades. Scorsese faz o seu melhor filme em duas décadas. 

Por Vlademir Lazo, em 08/03/2017
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Daniel Dalpizzolo 7.0
• Silvio Pilau 7.5
• Vlademir Lazo 7.5
• Heitor Romero 8.5
• Rafael W. Oliveira 8.0
• Léo Félix 8.5
• Felipe Leal 7.5
• Felipe Ishac 9.0
•  Média 7.8
Notas - Usuários
7.8/10 (154 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (9)
Por Letícia , em 23/07/2017 | 23:51:36 h
Impressionante é a capacidade do Scorsese de tatuar seus filmes nas mentes dos espectadores. Capacidade que se renova.
E com certeza seu melhor momento nos últimos tempos.
Mais um do mestre!
Por jorge lucas , em 15/03/2017 | 14:36:07 h
Quem não se convenceu com Garfield em Hacksaw Ridge tem que ver esse aqui. O cara brilha!
Por Daniel Mendes , em 12/03/2017 | 00:37:37 h
Bom filme, mas não acho de forma alguma o melhor Scorsese em duas décadas (Vivendo no Limite, Ilha do Medo - A PARTIR DAQUI PRO MEU GOSTO - Infiltrados e Lobo de Wall Street são melhores). Tá pau a pau com Hugo...
Por Felipe Lima, em 10/03/2017 | 13:44:39 h
Se Mel Gibson tivesse dirigido esse filme seria uma bosta, com todo respeito.
Por Guilherme Machado, em 10/03/2017 | 10:59:36 h
"a história parece à prova de fogo, e grandiosa o suficiente por si mesma, o que faz com que Scorsese não precise inflar o seu estilo de direção, como têm ocorrido nos seus últimos projetos cinematográficos. Não há grandiloquência tampouco fetichismo estético"

Mas essa não é a moral do Scorsese? Criticar ele por "grandiloquência" parece criticar o cara justamente pelo que ele se propõe a fazer (sempre se propôs, aliás, não é de agora). Sutileza, como esse Silence, é a exceção na carreira dele, não a regra.
Por Guilherme Machado, em 10/03/2017 | 10:56:06 h
"O acerto que Gibson faria sobre o Scorsese é manter a fidelidade do idioma, ou seja, teriamos atores falando portugues e japones"

E todo resto seria uma porcaria. O Mel Gibson não tem a sutileza pra abordar os temas principais dessa história, ia focar na violência das torturas (fazer um Invencível 2) e deu.
Por Prêmio BRAZINTERMA, em 10/03/2017 | 09:54:45 h
Revendo esse filme fiquei mais impressionado com atuação amadurecida de Andrew Garfield como padre em conflito (mesmo com esse sotaque rídiculo de portugues) é a melhor interpretação protagonista de 2016.

PS: as vezes me pergunto "e se o Mel Gibson tivesse dirigido esse filme?". O acerto que Gibson faria sobre o Scorsese é manter a fidelidade do idioma, ou seja, teriamos atores falando portugues e japones, aí o choque de culturas seria muito melhor.
Por Daniel Mendes , em 09/03/2017 | 21:55:11 h
Nesse cinema pop moderno eu confio mais em Scorsese e Zemeckins do que no Spielberg ou no Gibson. Farei uma sessão religiosa durante essa páscoa (Tentação, Paixão, Silêncio Último Homem). Pra mim Rei dos Reis do Ray é tão superior aos filmes religiosos dessa turma que me recuso a vê-lo junto de qualquer um dos quatro.
Por Declieux Crispim, em 09/03/2017 | 09:42:21 h
Ótimo texto como sempre. Não estava muito empolgado para vê-lo, pois a filmografia do Scorsese recente é bem problemática. Assistirei a ele assim que possível.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Silêncio
(Silence, 2016)
• Direção:
- Martin Scorsese
• Elenco Principal:
- Andrew Garfield
- Adam Driver
- Liam Neeson
• Sinopse: No século XVII, dois padres jesuítas, Rodrigues e Garupe, viajam ao Japão a fim de localizar seu mentor Padre Ferreira, que dizem ter morrido enquanto vivia no Japão disseminando o cristianismo. Baseado no romance de Shusaku Endo.
 FILMES RELACIONADOS
• A Última Tentação de Cristo
• Onde os Fracos Não Têm Vez
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE