FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Suprema

(On the Basis of Sex, 2018)
Por Francisco Carbone Avaliação:     2.0
Uma grande voz, aqui abafada.
A diretora Mimi Leder é uma profissional exímia da televisão americana (vide Plantão Médico e The Leftovers), tendo sido constantemente elogiada e premiada por seus trabalhos na telinha, mas quando se trata de aventurar-se no cinema, suas tacadas são quase sempre desastrosas, cheias de pretensão e nulas de resultados em suas intenções, seja no melodrama ou no thriller (vide A Corrente do Bem e O Pacificador). O quadro geral não muda com o lançamento dessa pretensa biografia de Ruth Bader Ginsburg, uma mulher de ala liberal, feminista radical e decisiva em suas ações, a primeira a ocupar uma cadeira dentro da Suprema Corte americana, que acabou de ver um documentário sobre si ser um campeão de bilheteria na mesma temporada, além de ter duas indicações ao Oscar.

O oposto ao documentário ocorre aqui, pois falta relevância ao projeto e sobra ineficiência em todas as áreas, logo com uma biografada tão rica em personalidade. Não há qualquer vislumbre de brilho, coletivo ou particular, no longa. Uma trajetória contada de maneira burocrática e arrastada, com sequências absurdamente clichês e esquemáticas desde a primeira (Ruth caminhando altiva entre um mar de homens rumo a faculdade, como a desbravar o caminho, que no papel até poderia ter sido interessante) até a última, em um roteiro que até tenta focar numa passagem única de sua vida, quando Ruth luta para derrubar leis que tratem questões de gênero com distinção e diminuição, mas que abusa da burocracia ao narrar sua história, tão realmente desbravadora e aqui tratada ora com desdém, ora com exacerbada deferência. 

Talvez o equilibrio adquirido na televisão não chegue até seus projetos cinematográficos (a bem da verdade, foram poucos e em sua totalidade, irrelevantes) porque a estrutura de um seriado é prévia a realização final dos episódios, enquanto no cinema o peso do condutor é unificado. E realçam nesse caso os propósitos também da natureza do projeto, que em 'Suprema' nada mais são do que tratar da maneira mais rasa possível os feitos de sua personagem. Uma biografia sem qualquer invenção narrativa, apenas um desfile dos temas do momento que se fazem instigantes e chamam a atenção de certa ala da crítica. Entretanto, um tema de maneira solitária no máximo provoca um discurso bonito e inflamado, mas para realizar um bom filme é preciso bem mais que isso, e é a partir daí que o longa falha - ou nem tenta acertar, particularmente. 

Aos poucos, o filme sobre a vida de Ruth Ginsburg vai se tornando menor que o imaginado, graças a sua direção acanhada e às suas intenções didáticas, que não buscam refletir no cenário atual a fala inspirada da biografada, e vez por outra soa datado no lugar onde ainda pretende reverberar. O filme não parece ir além de homenagear um tempo outro e esquece de provocar os paralelos necessários ao nosso tempo, os avanços da voz de sua personagem e os lugares que suas ideias alcançaram, que ficam exclusivamente nos letreiros finais dessa produção sem qualquer lastro cinematográfico. Uma trilha sonora excessiva só contribui pra romantizar uma história maior do que os parcos recursos de sua diretora teriam para abarcar. 

O elenco também não se destaca, e Felicity Jones desperdiça um dos personagens mais ricos que poderia ter conseguido em momentos pouco inspirados, um Armie Hammer travado e sem maiores utilidades, mesmo a participação luxuosa de Kathy Bates se resume a mais um lugar confortável e sem novidades para a grande veterana, mas nenhum deles são inteiramente culpados por suas performances sem brilho, em lugares confortáveis e desprovidos de grandes momentos - não tinha como ser diferente com um roteiro tão sem nuances ou curvaturas. Uma pena que um projeto que poderia ser inquieto como sua inspiração, uma mulher que ajudou tanto em avanços dos direitos femininos perante a Justiça, tenha gerado um produto final tão enfadonho e desinteressante, apenas um produto esquecível e indigno de sua protagonista que numa rápida aparição final reflete mais luz do que o longa inteiro.
Por Francisco Carbone, em 14/03/2019
Avaliação:     2.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 2.0
•  Média 2.0
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#69 Indicados ao Oscar 2019
#68 Creed II
#67 Vidro
#66 Homem-Aranha no Aranhaverso
#65 WiFi Ralph e O Retorno de Mary Poppins
#64 Melhores Filmes de 2018
#63 Duro de Matar
#62 Roma
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Suprema
(On the Basis of Sex, 2018)
• Direção:
- Mimi Leder
• Elenco Principal:
- Felicity Jones
- Justin Theroux
- Armie Hammer
• Sinopse: A história de Ruth Bader Ginsburg, suas lutas por direitos iguais e o que teve que superar a fim de se tornar juíza da Suprema Corte dos Estados Unidos.
 FILMES RELACIONADOS
• A Corrente do Bem
• O Pacificador
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE
Apoiadores
Promobit: O site para encontrar aquela promoção imperdível