FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Todas as Cidades do Norte

(Svi severni gradovi, 2016)
Por Francisco Carbone Avaliação:           5.5
O silêncio das relações em choque.
O cineasta sérvio Dane Komljen tem uma proposta de observação e oferece isso ao público. Parte integrante da mostra Novos Olhares dentro do Olhar de Cinema, o filme é a estreia de Dane que prepara com muita calma as peças de um quebra-cabeça, sem pressa para revelar seus "conflitos" e motivações. Com essa calma, o filme arma um terreno que pode ser ocupado por qualquer narrativa futura. Ela demora a vir num nível que em determinado momento achei que o filme de fato se resumiria a nos fazer acompanhar uma dupla masculina numa casa invadida realizando atividades prosaicas e banais. E até é somente isso por uma parte extensa, mas as pistas começam a ser dadas nesse longa sem diálogos, justamente porque o filme se dá nos momentos onde nada de relevante está sendo realizado pelos personagens. E isso tem um certo fascínio a título dessa observação proposta; quem são esses dois de faixa etária diferentes nessa casa vazia, tentando fazer fogueiras, sentados em terraços e marquises? 

Em determinados momentos, textos em off são lidos. Poéticos, intensos, vão gradualmente apresentando o quadro geral, que é sendo completo (ainda que com lacunas) por ações entre eles: estamos diante de um casal. E a relação está abalada a ponto de um terceiro vértice aparecer para desestabilizar ainda mais, e sua presença ser permitida. Komljen vai aos poucos descortinando não apenas a narrativa literal, como dando pistas sutis dos propósitos do longa de maneira mais ampla, através dos textos lidos também. Estamos diante de uma narrativa suave e sem arroubos sobre o abandono, não apenas o que você impõem ao outro como também a si mesmo. Como raramente estão em cena ao mesmo tempo, a sensação de uma 'solidão acompanhada' (que não é nada estranho para qualquer um que já tenha vivido uma relação a dois) atravessa o filme, e vai se intensificando até encerrar o segundo ato do filme. 

A partir do terceiro ato, com a situação já estabelecida, uma virada vai levar a produção a embarcar num caminho sem volta rumo a uma visão completamente antiquada ao universo retratado. Durante muitos anos a comunidade LGBT é assolada por uma imagem negativada em relação a forma como lidam com seus sentimentos, e o longa de Komljen vem reafirmar essa visão simplificada de todo um grupo. Por decisão estética os personagens mal se tocam, só que isso bate na tela de forma a reproduzir esses estereótipos tambem na arte. O que vemos são homens depressivos, entristecidos, com o rosto fechado, e a interação restrita a toques nos cabelos, que em tese até seria uma solução bonita mas que unido ao resto, dá uma impressão a remeter ainda os preconceitos em relação ao amor entre iguais, que não podem se tocar ou se revelar nem a si mesmos. 

Pra piorar o quadro, um final quase apocalíptico se desenha e se concretiza, deixando os méritos de um roteiro cheio de elipses e não-ditos empalidecidos diante de decisões também pelo próprio filme, que batalha contra si mesmo para ter a liberdade que um filme com essa escolha de universo ambientado clama nos dias de hoje. Como já dito, a delicadeza da mise-en-scene, a secura emocional que cabe na aridez das relações mostradas ali, acaba por não valer diante de opções narrativas que reforçam estereótipos negativos e os estabelecem como realidade concreta e replicada, através do outro relacionamento que o filme observa, de tacitura idêntica. Ainda assim fica a curiosidade para uma próxima empreitada desse jovem sérvio com um claro intuito de realizador singular; talvez da próxima vez uma pesquisa ampliada faça a diferença. 

Visto no 6º Olhar de Cinema de Curitiba
Por Francisco Carbone, em 15/06/2017
Avaliação:           5.5
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 5.5
•  Média 5.5
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Todas as Cidades do Norte
(Svi severni gradovi, 2016)
• Direção:
- Dane Komljen
• Elenco Principal:
- Boris Isakovic
- Boban Kaludjer
- Dane Komljen
• Sinopse: Dois homens transformam uma zona inóspita em um espaço calmo e pacífico. Esse paraíso particular é perturbado com a chegada de um terceiro indivíduo.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE