FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS HOME CINEMA TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
CRÍTICA

Todos Dizem Eu Te Amo

(Everyone Says I Love You, 1996)
Por Heitor Romero Avaliação:                   9.0
Love is in the air.

Woody Allen é um cineasta de homenagens. É possível notar em quase todos os seus filmes alguma referência honrosa a uma pessoa, lugar, filme, ídolo ou música. Em Manhattan (idem, 1979) ele faz uma escancarada declaração de amor à sua cidade querida; em Interiores (Interiors, 1978) há claras referências ao cinema de seu ídolo confesso, Ingmar Bergman; em Memórias (Stardust Memories, 1980) Fellini é o grande homenageado da vez; A Rosa Púrpura do Cairo (The Purple Rose of Cairo, 1985) apresenta uma singela homenagem ao próprio cinema; Billy Wilder, Roman Polanski, Alfred Hitchcock e Orson Welles ganharam a atenção de Allen em Um Misterioso Assassinato em Manhattan (Manhattan Murder Mystery, 1993); Neblina e Sombras (Shadows and Fog, 1991) marca a vez do cineasta se aventurando pelo Expressionismo Alemão; e em O Escorpião de Jade (The Curse of the Jade Scorpion, 2001) Allen escolhe o filme noir para enaltecer.

No caso de Todos Dizem Eu Te Amo (Everyone Says I Love You, 1996), Allen decide homenagear os musicais ao estilo da velha Hollywood e, de quebra, incluir nessa lista de homenageados o sentimento mais constante no cinema: o amor. É de conhecimento de todos que não há gênero mais capaz de potencializar, engrandecer e florear o amor do que o musical, e é por isso que neste filme não há espaço para comedimento ou vergonha – tudo é escancarado, com personagens cantando aos quatro ventos pela rua, dançando ao lado de pedestres desconhecidos uma coreografia impecável, sofrendo em rimas suas desilusões amorosas, e voando (literalmente) no embalo de uma bela canção. Ao decidir optar por esse caminho, Allen acaba encontrando nessa pieguice uma maneira de enriquecer sua forma dinâmica de contar histórias.

Como se trata de uma homenagem descompromissada e leve, Allen abre mão de seu realismo pessimista característico ao abordar os relacionamentos amorosos. A trama é lotada de personagens, cada qual representando um tipo de amor diferente, mas todos sempre dispostos a arriscar uma chance com o algoz dos corações. Skylar (Drew Barrymore) e Holden (Edward Norton), por exemplo, formam o típico casal jovem apaixonado que planeja um futuro casamento, sendo o rapaz um tanto mais empolgado com a idéia do que a moça, que prefere sonhar ainda com príncipes encantados. Já Steffi (Goldie Hawn) e Bob (Alan Alda) representam aquele amor mais maduro e longevo, agora que estão comemorando mais um ano de casamento feliz. Joe (Woody Allen), ex-marido de Steffi e melhor amigo de Bob, é um cara que está sempre à procura do amor, mas parece nunca conseguir encontrá-lo. Von (Julia Roberts) é uma historiadora sensível que sonha em viver um tórrido romance extraconjugal, mas que se mostra insegura e culpada demais para arriscar a estabilidade do seu casamento. Lane (Gaby Hoffmann) e Laura (Natalie Portman) são duas irmãs pré-adolescentes que disputam a atenção do garoto mais bonito do bairro. E Djuna (Natasha Lyone), nossa narradora e filha de Steffi e Joe, é uma jovem que se apaixona e desapaixonada por vários caras como quem troca de roupa.

Através desses tantos personagens e tramas podemos notar a dinâmica típica de um trabalho de Allen, com direito a muitas neuroses, idas e vindas, troca de casais e desilusões amorosas. O toque diferencial está na forma como todo esse ritmo se modifica quando o amor entra em pauta. No meio de tantas histórias acontecendo ao mesmo tempo, tudo pára e fica de repente mais lento, mais romantizado, quando um dos personagens decide falar de seus sentimentos através de uma canção. Nesses momentos tudo parece um romance ao estilo de Doris Day e Rock Hudson, ou mesmo Fred Astaire e Ginger Rogers. É então que Allen se deixa levar pelo seu lado mais cafona e abraça de vez o gênero que decidiu homenagear.

Allen pediu para que seus atores cantassem como se estivessem no chuveiro, e até quis que Goldie Hawn cantasse um pouco pior para que seus números musicais não ficassem artificiais. Afinal, mesmo com todo o romance e toda a firula, se trata de um trabalho moderno, e os sentimentos dos personagens pareceriam muito mais reais e intensos se cantados sem muita preparação. Quem se deu bem nessa história foi Edward Norton, que protagoniza alguns dos números musicais mais inspirados e se mostra versátil como sempre. Julia Roberts também aproveita bem a oportunidade de encarnar a personagem mais típica de Allen na produção, cheia de neuras e complicadíssima – e foi quem mais seguiu à risca a instrução de cantar como se estivesse no chuveiro (sua cantoria é desastrosa). Mas quem realmente chama a atenção é Goldie Hawn, ao lado de Allen, na belíssima canção I’m Through With Love (aquela mesma interpretada por Marilyn Monroe em Quanto Mais Quente Melhor [Some Like it Hot, 1959]), à beira do rio Sena na noite de réveillon parisiense, no melhor e mais inspirado número musical da produção. As locações – Nova York, Paris e Veneza – completam o cardápio de um autêntico filme romântico.

Todos Dizem Eu Te Amo pode parecer menor ou um tanto mais inofensivo que alguns trabalhos conceituados de Allen, mas seu público e objetivo são outros. Poucas vezes o cineasta fugiu tanto de sua zona de conforto, e o resultado é mais uma de suas deliciosas homenagens, feita especialmente para se assistir a dois. É um trabalho voltado para todos os românticos incorrigíveis, e para todos que já disseram ou ouviram aquelas três palavrinhas mágicas que fazem qualquer coração bater mais forte. Não preciso nem dizer quais são, não é?     

Por Heitor Romero, em 15/06/2012 Avaliação:                   9.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 5.0
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Rodrigo Cunha 8.0
• Régis Trigo 6.0
• Demetrius Caesar 6.0
• Silvio Pilau 7.0
• Vlademir Lazo 7.5
• Heitor Romero 9.0
•  Média 7.0
Notas - Usuários
7.2 (187 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (13)
Por Daniel Mendes , em 16/06/2012 | 21:24:02 h
Sinto muito Patrick, mas eu já perdi as contas de quantas foram as vezes que o cinema tratou o amor de forma cafona em diversos filmes, alguns tidos até como obra primas...me recuso a falar o nome para que não venha alguém me importunar.
Por Heitor Romero , em 16/06/2012 | 21:23:49 h
Rs, é um sonho ver Allen dirigindo e atuando com ela, não posso negar que isso influencia na minha admiração pelo filme hehe.
Por Vlademir Lazo , em 16/06/2012 | 15:36:44 h
O Heitor deve amar a Julia Roberts, isso provavelmente influi na adoração dele pelo filme rs.
Por Heitor Romero , em 16/06/2012 | 10:59:07 h
ah obrigado *_*. Eu usei o termo cafona, mas no sentido de ser aquela coisa à moda antiga, romantizada, ultrapassada e que hoje não se vê mais. E eu sou um dos únicos que coloca esse filme entre os meus preferidos de Allen, deve ser um dos meu feel good movies preferidos haha.
Por Patrick Corrêa , em 15/06/2012 | 17:06:14 h
Amor é cafona para os excessivamente práticos e frívolos.
Por Paulo Faria Esteves, em 15/06/2012 | 14:53:27 h
Allen tem muitos filmes bons e muitos filmes esquecíveis. Este é um dos segundos, acho eu... está bem longe dos melhores dele! Mas lá tem algumas coisas boas (como quase todos os dele).
Por Lucas Castro, em 15/06/2012 | 13:51:47 h
é um dos melhores mesmo
Por Paco Picopiedra, em 15/06/2012 | 12:14:48 h
Goldie e Woody dançando é uma linda cena mesmo. Por outro lado, Julia Roberts praticamente não existe nesse filme heh Não curto musicais, mas sou fã do Woody, por isso o filme me foi muito agradável, assim como a crítica do Heitor.
Por Adriano Augusto dos Santos, em 15/06/2012 | 11:33:41 h
Fantastico texto para um filme sublime,um dos melhores do Woody.
Por Cássio Bruno de Araujo Rocha, em 15/06/2012 | 11:22:25 h
http://www.youtube.com/watch?v=x5Ni9IglBEM
Por Cássio Bruno de Araujo Rocha, em 15/06/2012 | 11:18:54 h
Gostei bastante da crítica, ficou um texto muito fofo.
Só não concordo com cafona, mas até entendo o uso, pq, pra quem não é amante do gênero, musicais parecem mesmo um pouco bregas e despropositados.
Pra mim, ao contrário, esse é um filme bastante elegante... Goldie Hawn e Woody dançando as margens do Sena é uma cena eterna... I'm through with love...
Por Patrick Corrêa , em 15/06/2012 | 10:53:32 h
Que texto lindo! Parabéns, Heitor!
Adorei a forma como foi construído. Está à altura de um filme tão querido e tão adorável.
Só não concordei com o uso do termo "cafona"...
Por Thiago de Andrade, em 15/06/2012 | 10:51:09 h
Legal a crítica, Heitor.

O filme é um dos únicos musicais que gostei.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Todos Dizem Eu Te Amo
(Everyone Says I Love You, 1996)
• Direção:
- Woody Allen
• Elenco Principal:
- Julia Roberts
- Goldie Hawn
- Alan Alda
• Sinopse: Holden e Skylar estão apaixonados. Skylar vive em Manhattan com sua grande família, onde Bob e Steffi, seus pais, estão casados há muitos anos. Joe, um amigo da família, tem uma filha, DJ, com Steffi. Após outra relação fracassada, Joe está sozinho o...
 FILMES RELACIONADOS
• A Rosa Púrpura do Cairo
• Interiores
• Manhattan
• Memórias
• Neblina e Sombras
• O Escorpião de Jade
• Quanto Mais Quente Melhor
• Um Misterioso Assassinato em Manhattan
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2014) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
ANUNCIE CONOSCO