FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Tragam-me a Cabeça de Carmen M.

(Tragam-me a Cabeça de Carmen M., 2019)
Por Francisco Carbone Avaliação:             6.5
Corpos em ebulição.
A experiência de Felipe Bragança como realizador tem amaciado sua autoralidade, permitindo um olhar menos hermético sobre a sociedade. Seu novo projeto pós Não Devore meu Coração! deixa essa porta aberta ao entendimento amplo, sem precisar de signos ininteligíveis para propor uma discussão social até profunda, mesmo que siga pautas necessárias de hoje vez por outra. Mesmo no anterior já víamos um Bragança menos afeito a portas trancadas para a compreensão, sem sacrificar o autor - possivelmente um ponto de amadurecimento que o coloca seguro no cinema que constrói com habilidade. Seu encontro com Catarina Wallenstein é fértil no terreno imagético e simples no terreno das ideias, sem jamais atribuir diminuição a esse olhar.

Olhar esse que no longa alcança Carmen Miranda, um elo de ligação forte entre Brasil e Portugal, que Bragança reestabelece com Catarina, como se mais uma vez a distância e as aproximações entre essas duas células pátrias voltassem a ser matizadas. Em cena, Catarina é Ana, uma atriz portuguesa prestes a encarar um espectro de Carmen em um filme dentro do filme. Ao abrir contato com essa persona tão mitificada quanto a de Carmen, Ana começa a interiorizar os processos dramáticos e expelir o resultado dos mesmos, em performances que desestruturam o filme e a própria experiência da diretora Catarina na pele da atriz Ana.

O filme abre com um corpo em cores jogado no chão. Ana, Carmen, Catarina... muitas mulheres precisam sobreviver e a ajuda vem das mãos de um anjo moderno típico da Lapa carioca de hoje, negro e gay. Com inserções em dois tempos diferentes, o filme mostra a morte e o posterior renascimento dessa fênix em vibrantes tons coloridos, e o processo pelo qual a versão de Ana 'atriz de método em busca da Carmen interior' é fotografado em preto e branco, ambos pela bela luz de Guilherme Tostes (que trabalhou com Bragança em 'Fernando que ganhou um Pássaro do Mar' e com Douglas Soares no sensorial 'Inocentes') e essas gradações tão díspares em energia e intenção, o sonho dourado literal e a realidade que o passado filmico e pálido representa, são a obra falando alto suas questões políticas contemporâneas.

O viés político nem sempre é discreto no filme, com áudio sobre pesquisa ibope sendo ouvido em fundo de cena e desfile de Sete de Setembro em determinado momento que, se não esvazia o roteiro, trás para ele uma aparente obrigatoriedade com o contemporâneo no que parece ser um expurgo social, completamente aceitável no momento em que vivemos; artistas são seres que podem verbalizar o agora de maneira poética e libertária, e 'Tragam-me...', como toda obra artística, é produto do seu tempo. Mas existe uma maneira de politizar discurso como Bragança sempre fez e torna a fazer aqui, com a política de corpos fora de seu habitat natural sendo resgatados por outros igualmente deslocados, de maneira mais imagética que discursiva. Quando opta por essa análise, o filme é muito feliz e ainda mais amplo.

O trabalho de atriz de Catarina é poderoso e serve ao filme de maneira completa, sendo ele sozinho de intensa expressividade. Esse processo de parceria que Bragança já exerceu outras vezes entende-se como muito rico como agregador de vozes a conjurar desejos. A realização do filme interno tem a participação de Helena Ignez como a diretora, o que por si só já abre espaço para o político em sua natureza, além de contar com um belíssimo cenário de autoria de Lia Maia, que marca o filme com seu impacto solar.

Tudo isso cria um apanhado de força para contar uma história relativamente simples sobre um processo de imersão cênica promovendo uma catarse interna sobre quem a vive. Nada relativamente novo em abordagem, mas incrivelmente eficiente em sua realização, ainda que flerte com o excesso de intenções.

Filme visto na Mostra de Cinema de Tiradentes
Por Francisco Carbone, em 21/01/2019
Avaliação:             6.5
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 6.5
• Francisco Carbone 6.5
•  Média 6.5
Notas - Usuários
aguardando 3 votos
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#69 Indicados ao Oscar 2019
#68 Creed II
#67 Vidro
#66 Homem-Aranha no Aranhaverso
#65 WiFi Ralph e O Retorno de Mary Poppins
#64 Melhores Filmes de 2018
#63 Duro de Matar
#62 Roma
#61 O Senhor dos Anéis
#60 Scarface
#59 Infiltrado na Klan
#58 Animais Fantásticos: Os Crimes de Grindelwald
#57 O Legado de Stan Lee
#56 O Roteiro de Cinema
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Tragam-me a Cabeça de Carmen M.
(Tragam-me a Cabeça de Carmen M., 2019)
• Direção:
- Felipe Bragança
- Catarina Wallenstein
• Elenco Principal:
- Helena Ignez
- Catarina Wallenstein
- Marcos Sacramento
• Sinopse: Ana, uma atriz portuguesa, mergulha na crise política e identitária brasileira atual, enquanto se prepara para viver Carmen Miranda em um misterioso longa-metragem dirigido por um vulto sem nome. Um colorido pesadelo tropical sobre o Brasil de 2018.
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2019)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE
Apoiadores
Promobit: O site para encontrar aquela promoção imperdível