FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Trama Fantasma

(Phantom Thread, 2017)
Por Marcelo Leme Avaliação:                 8.0
Idiossincrasia em corte e costura.
imagem de Trama Fantasma
As índoles retratadas nesse drama psicológico são absolutamente cruéis. Também são fascinantes. Se o estranhamento pode provocar algum fascínio, não é exagero alegar que Trama Fantasma é suficientemente estranho por conseguir nos fascinar devido à conjuntura comportamental dos personagens e ao contexto no qual convivem compartilhando perversidade emotiva. Além do mais, além dos fenômenos emocionais, é um filme artesanal tal como as costuras que a câmera diligente capta, sempre trabalhando com luzes e cores. Pura elegância em cada quadro. 

Detalhes. Paul Thomas Anderson filma detalhes. Nos detalhes residem características que dão forma aos personagens, evidenciando comportamentos sem que estes sejam um estudo preciso de suas particularidades psíquicas, mas o quanto estes mesmos comportamentos implicam diretamente na relação entre três grandes personagens: um homem, sua irmã e sua musa – pronomes possessivos são salientes. É um filme que se sustenta no trio e nas individualidades que demarcam idiossincrasias. 

Intimidades. Anderson filma intimidades. Nas intimidades residem constatações de condutas que moldam os personagens revelados sem pudores em cena sob uma luz imprecisa, até o ponto em que identificamos estranhezas e finalmente a compreendemos. Em síntese é um trabalho sobre opressões em distintos níveis, tanto na atitude déspota do líder junto aos  empregados até a opressão psicológica que este líder suporta, repleto de manias e obsessões. 

A história se passa em Londres durante a década de 50. Reynolds Woodcock, um costureiro respeitadíssimo, trabalha em casa junto a várias outras costureiras que prestam serviço coerente aos caprichos obsessivos de seu mentor. Ele desenha e concebe vestidos para mulheres ricas. Woodcock preza por eficiência e emana autoridade, tendo na rotina o controle de tudo que gira em volta. Na primeira metade, o roteiro do próprio PTA busca apresentar o universo de seu protagonista. Alinhado e elegante, o visual combina a direção de arte com um figurino sofisticado, dando uma impressão de filme envelhecido, alguma grande obra inglesa setentista redescoberta.   

Nesse meio, homem e mulheres interagem. Woodcock se apoia sobre a irmã, Cyril Woodcock (Lesley Manville), parceira, conselheira e porto seguro. A mulher aparece como espelho do costureiro, mas numa versão racional. É provavelmente a personagem mais complexa e que oferece distintas vertentes de compreensão ao espectador. 

O texto do roteiro a princípio parece dizer respeito a alguém real ou, quem sabe, ser baseado em algum clássico da literatura inglesa. Uma adaptação convencional? Nada disso. É original e advém de uma lógica ambiente bem orquestrada: admitir a beleza da elite londrina e ressaltar a deformidade moral dos patriarcas, ruindo a imponência de seu poder ao apresentar dramas e, mais especificamente, perversões. Pasolini gostaria.   

Trama Fantasma explora o exercício do poder num meio comum, tratando do abuso de autoridade num ciclo repetitivo entre figuras cujas funções se assemelham a das agulhas e das linhas, itens úteis para a concepção de um vestido imaginado. As pessoas são itens particulares de Woodcock e sua musa nada mais é do que sua manequim. Sua musa e esposa, que atende por Alma Elson (Vicky Krieps), é tão enigmática quanto o costureiro, provocando-o em nome de um amor nocivo. É um fetiche. Esse thriller disfarçado de romance certamente definirá um dos casais mais insalubres do cinema.

Paul Thomas Anderson apresenta seu melhor texto desde Sangue Negro (There Will Be Blood, 2007), ainda que esteja narrativamente muito próximo ao de seus dois últimos trabalhos, O Mestre (Master, The, 2012) e Vício Inerente (Inherent Vice, 2014), que se entranhavam em personagens cuja complexidade psicológica era submetida a concepções quase oníricas. O diretor se responsabiliza pela cenografia e efetiva sua arte em imagem rudimentar, ao passo que dirige as cenas detalhando aquele universo: os dedos feridos pelas agulhas, por exemplo, contam através da imagem um pouco da identidade do protagonista.  

Ditado geralmente por emoções, o desenvolvimento do filme se acentua mediante as reações de seu exigente protagonista frente aos estímulos que lhe são lançados. Ele é desafiado. Ele é desrespeitado. E diante das hostilidades inesperadas, surpreende com reações imaturas e odiáveis, típicas de um machista frustrado cujo orgulho fora vencido pela desobediência de uma mulher que não se curvou a ele tal como outras outrora fizeram. Daí surgem longos e poderosos diálogos que estruturam a dinâmica desse casal cujo relacionamento persiste ao prazer da contestação. O insulto para alguns é um deleite. 

E tal dinâmica só é possível graças aos atores, especialmente ao excepcional Daniel Day-Lewis, que corporalmente consegue representar a imponência de um lorde inglês em gestos, seguindo o mesmo ritmo que profere palavras, sempre refinado e comedido, até o ponto que bruscamente constrange em virtude da arrogância. É um ímpeto brutal desatinado de alguém incapaz de lidar com frustrações, reagindo ferrenhamente como se atacasse com armas pontiagudas, similares às  agulhas ou lápis, seus instrumentos de ação.  

Paul Thomas Anderson, de maneira artesanal e prezando pela estética, apresenta um melodrama metódico com erotismo oprimido, cercado por tensões sexuais e largado a compulsão obsessiva de um considerável gênio. 
Por Marcelo Leme, em 19/02/2018
Avaliação:                 8.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 6.0
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Rodrigo Cunha 8.0
• Silvio Pilau 7.0
• Heitor Romero 8.5
• Marcelo Leme 8.0
• Bernardo D.I. Brum 8.0
• Francisco Carbone 10.0
• Rafael W. Oliveira 9.0
• Felipe Leal 8.0
•  Média 8.0
Notas - Usuários
7.8/10 (173 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (1)
Por Dáiron César Waick Schuck, em 25/02/2018 | 20:52:37 h
Os filmes do PTA são tão frios... distantes... aqui não é diferente.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #45 60 anos de Tim Burton
• #44 Meu Amigo Totoro
• #43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
• #42 Filmes da Sessão da Tarde
• #41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
• #40 100 anos de Ingmar Bergman
• #39 Os Incríveis 2
• #38 Era Uma Vez no Oeste
• #37 Jurassic Park e Jurassic World
• #36 O Bebê de Rosemary
• #35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
• #34 Han Solo: Uma História Star Wars
• #33 Deadpool 2
• #32 Um Corpo que Cai
• #31 Stephen King no Cinema
• #30 Vingadores: Guerra Infinita
• #29 A Franquia 007
• #28 Um Lugar Silencioso
• #27 2001: Uma Odisseia no Espaço
• #26 Jogador Nº1
• #25 Planeta dos Macacos
• #24 Quentin Tarantino
• #23 75 anos de David Cronenberg
• #22 Projeto Flórida
• #21 Trama Fantasma
• #20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
• #19 Oito e Meio de Fellini
• #18 A Forma da Água
• #17 The Post e os filmes de Jornalismo
• #16 Indicados ao Oscar 2018!
• #15 20 Anos de Titanic
• #14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
• #13 Melhores de 2017
• #12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
• #11 Especial Natalino
• #10 Assassinato no Expresso Oriente
• #9 Onde os Fracos Não Têm Vez
• #8 Liga da Justiça
• #7 Stranger Things
• #6 45 anos de O Poderoso Chefão
• #5 Branca de Neve e os Sete Anões
• #4 Halloween
• #3 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #2 De Volta Para o Futuro
• #1 Os Goonies
• #0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Trama Fantasma
(Phantom Thread, 2017)
• Direção:
- Paul Thomas Anderson
• Elenco Principal:
- Daniel Day-Lewis
- Vicky Krieps
- Lesley Manville
• Sinopse: Na Londres dos anos 1950, o prestigiado costureiro da alta sociedade Reynolds Woodcock e sua irmã Cyril dirigem a Casa de Woodcock, vestindo nobres e damas de respeito. Mas certo dia ele se apaixona por Alma, uma jovem garçonete obstinada que se tor...
 FILMES RELACIONADOS
• O Mestre
• Sangue Negro
• Vício Inerente
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE