FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Transformers: O Último Cavaleiro

(Transformers: The Last Knight, 2017)
Por Gabriel Papaléo Avaliação:       3.0
O código de Bay.
imagem de Transformers: O Último Cavaleiro
Michael Bay vem desenvolvendo desde Bad Boys um estilo muito particular de lidar com o quadro em seus filmes. A ação caótica, cada vez mais incompreensível, foi se tornando uma desculpa para Bay e seus fotógrafos testarem as mais variadas câmeras em usos de luz dos mais abstratos. Seus set pieces não são o foco, nem as cenas de drama; todas dirigidas no mesmo tom, focando o movimento sempre, mesmo que a montagem fique incompreensível. Bay não pensa os planos enquanto recortes de um todo, mas em pequenos fragmentos de movimento ininterrupto, sempre afeiçoados antes no potencial abstrato de luz e nunca no potencial dramático. Transformers - O Último Cavaleiro quase segue esse rumo.

Aqui nota-se que há um esforço de pensar a mitologia dos robôs não como uma curiosidade para começar o filme, mas levando em conta seu papel na construção do universo representado ali - e nas consequências que isso leva. O roteiro de Art Marcum, Matt Holloway e Ken Nolan abre com mais uma retcom na franquia, dessa vez trazendo a lenda do Rei Arthur como uma historia alternativa de primeiro contato com os Transformers. Paralelo a isso, Optimus recebe uma missão divina de reconstruir Cybertron no lugar da Terra. A morte de uma historia para a substituição de outra é o que liga todos os personagens do filme, e é no que se baseia os arquétipos humanos da narrativa.

A personagem feminina principal, que começa com um discurso de equidade feminista e termina sendo subjugada por cada homem da narrativa, é uma historiadora que conta o como a lenda de Rei Arthur e Merlin era uma mentira fantasiosa; o doutor vivido por Anthony Hopkins é um historiador das lendas, um homem interessado nos mitos; a menina Izabella é responsável por cuidar de robôs numa zona de conflito, vítimas da perseguição aos Transformers; o personagem de John Turturro volta à franquia também, justo pelo seu potencial de historias secretas, no que está escondido.

Nessa relação de ressignificações históricas enquanto enigmas, Bay aproxima tempos através de situações e o que elas representam. Ainda que encenada e filmada com um descaso absurdo, uma ideia interessante é a da historiadora ser apresentada num jogo de pólo; é como se a ação dos cavaleiros tivesse sido domada, e um esforço civilizatório que não nega as origens da Historia, mas cujos vencedores a domesticam para seus próprios interesses.

O problema principal é que essa ênfase na mitologia é toda muito ridícula, e não é possível que pensaram que a solução para esses filmes era complexificar as relações dos personagens dando a eles um subtexto temático, ou recomeçar (novamente) a historia da franquia. É um filme muito sério, sobre historias muito sérias, com personagens muito sérios, e cujo disposição para construção mitológicas desses enigmas que questionam signos e significados é completamente nula. Chega uma hora que colocam vários gênios da historia da humanidade como detentores de conhecimento por serem da linhagem sagrada de Merlin. Eu não acreditei quando me peguei vendo O Código da Vinci Transformers, parece que encomendaram o roteiro pro Nolan.

E a pretensão temática furada executada de forma suspeita revela a inconsciência de Bay sobre o que conversa em seus filmes. Em Sem Dor, Sem Ganho, seu melhor filme desde A Rocha, Bay questionava em tela temas que lhe eram caros: o fascismo era ridicularizado, a historia de sucesso do self-made-man fluindo entre a sátira e a sociopatia, toda sua fascinação pelo militarismo era convertida numa ideia falida de masculinidade da época retratada no filme. O moralismo se mantinha ao final, mas isso mostrava mais que era um filme inegavelmente americano que um filme do diretor. A questão interessante disso é que Bay voltou a glamourizar todos as patriotadas e machismos logo em Transformers 4, seu filme seguinte, e isso diz muito sobre a forma do diretor de lidar com seus materiais; é sobretudo ignorância o fio condutor dessas narrativas, e Bay simplesmente parece não saber o que está contando.

A contradição disso é justamente a força em A Rocha e Sem Dor, Sem Ganho, e aqui a necessidade do diretor de se desenvolver apenas numa ação anti-questionadora não só o mantém estagnado como trai muito do que se desenha pelos seus filmes de gênero. Bay parece sempre ansioso para pontuar suas cenas com piadas, sejam machistas ou xenofóbicas, e aqui não demonstra disposição nem para apresentar personagens - como o primeiro filme fazia razoavelmente. Transformers sequer traz movimento.

Mesmo a estrutura se repete para rearranjar todos os elementos dos outros filmes. A trama do escolhido do segundo filme (ainda o pior da série) se entrelaça com a ficção espacial do terceiro e o hyperlink internacional do quarto filme para trazer um resultado que soa simultaneamente insuficiente e inchado. Mesmo o desenvolvimento de personagens é suspenso quando demanda o roteiro, como Izabella só sumir na segunda metade do filme depois de uma hora a construindo. Quando se vê com 30 minutos que as cenas só não existem, o mínimo que se espera é que se torne algo inacreditável, uma inconsequência convicta. Mas não, nem anárquico formalmente o filme é, é sobretudo um padrão de narrativa clássica muito mal realizada.

E por aí tome várias emoções e intrigas nunca sentidas, mas ditas sempre pelo texto. Não que seja muito diferentes de séries como House of Cards ou os filmes da Marvel, mas ao menos esses produtos preguiçosos não vem recheados com tanta escrotice. Chega um momento em que Anthony Hopkins surta e começa a segurar e gritar com uma mulher asiática porque sim, porque parece uma boa piada. Como a cena em que Hopkins, a historiadora vivida por Laura Haddock e Mark Wahlberg falam sobre o "celibato" desse último, o que não é possível que não tenha constrangido todos os envolvidos.

A receita pra isso dar certo não é tão absurdo, é saber encenar ação - é um filme de bonecos, afinal. Essa tentativa de complexificar gera cenas hilárias como a que Hopkins e Turturro descobrem que o ponto central da profecia é Stonehenge, uma histeria coletiva filmada como uma grande descoberta.

Na hora de resolver um enigma, é sintomático que os personagens só entrem na sala e comecem a destruir tudo para achar o tesouro. Não há um esforço de mistério, não há curiosidade; o que há são piadas sexistas enquanto a ação acontece. Bay cada vez mais caminha para uma anulação da narrativa, para a fragmentação completa da linguagem, em que pode misturar aspectos, formatos, digital com película, gopros e 5Ds ao seu IMAX 3D, luz natural estourada com texturas e partículas. Nesse filme ele ainda tenta contar uma historia, e talvez isso seja o que o mais comprometa.
Por Gabriel Papaléo, em 24/07/2017
Avaliação:       3.0
Notas - Equipe
• Gabriel Papaléo 3.0
•  Média 3.0
Notas - Usuários
4.5/10 (19 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (6)
Por Alexandre Koball, em 29/07/2017 | 13:17:14 h
Finalmente parece que Transformers perde o status de filme-evento que vinha trazendo desde o original. A bilheteria foi pífia e as críticas as piores da série. Antes tarde do que nunca.
Por Luiz Fernando de Freitas, em 27/07/2017 | 13:37:02 h
"150 minutos"

Porque na cabeça do Michael Bay isto já é o suficiente para o filme ser considerado um épico.
Por Karlos Fragoso, em 27/07/2017 | 11:59:27 h
Não como esse kra (Bay) nao desiste de fazer essa porra de filme!! pqp!!
Por Mateus da Silva Frota, em 25/07/2017 | 23:54:58 h
Donald Trump + uma câmera = filmes do Michael Bay
Por Guilherme Spada, em 25/07/2017 | 20:59:06 h
150 minutos
Por Douglas Rodrigues de Oliveira, em 24/07/2017 | 11:26:10 h
Parabéns pela façanha herculana de extrair 11 parágrafos de um caça-níquel fétido dos mais virulentos e farsescos de 2017, e sem cair na verborragia ou deselegância crítica numa repugnância facilmente detestável.

'Um filme de bonecos, afinal.' Sim. Pobres crianças.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Transformers: O Último Cavaleiro
(Transformers: The Last Knight, 2017)
• Direção:
- Michael Bay
• Elenco Principal:
- Mark Wahlberg
- Stanley Tucci
- Josh Duhamel
• Sinopse: Optimus Prime procura os criadores de sua espécie em viagem ao espaço, encontrando os Quintessons e o gigantesco vilão Unicron, um robô-entidade que devora Planetas. Em paralelo, Cade Yeager se une aos Dinobots e a poucos Autobots (Bumblebee, Drift, ...
 FILMES RELACIONADOS
• A Rocha
• Sem Dor, Sem Ganho
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE