FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Um Sonho Sem Limites

(To Die For, 1995)
Por Heitor Romero Avaliação:               7.0
A megera indomada.
imagem de Um Sonho Sem Limites
Na abertura de Um Sonho Sem Limites (To Die For, 1995), a câmera de Gus Van Sant passeia por inúmeros recortes de jornal, matérias e manchetes sobre o possível envolvimento de uma popular garota do tempo no assassinato de seu próprio marido. Suzanne Stone (Nicole Kidman) está sempre sorrindo, acenando, aproveitando os flashes, se promovendo por meio da atenção gratuita que a colocou, por alguns instantes, no topo que sempre almejou chegar. A conclusão é clara e dada logo de cara: não existe publicidade ruim. A trilha e os recursos narrativos usados pelo diretor parecem ignorar a seriedade daquelas acusações e estabelecem um clima de humor e irreverência, anunciando-se uma espécie falso documentário, no qual diversos personagens compartilham suas perspectivas e experiências relacionadas com Suzanne e sua jornada de sedução, poder e morte. 

Um Sonho Sem Limites pode ser considerado, num primeiro momento, como um incomum estudo de personagem. A narrativa sobrevive quase que unicamente de depoimentos variados, incluindo os da própria protagonista, de modo que o cruzamento de informações jamais consegue estabelecer um veredicto oficial e final sobre a personagem em questão. Suzanne é um verdadeiro mistério, sobrevive somente de sua fama, de seu histórico, de sua imagem perante as pessoas pelas quais passou para chegar onde queria. Ao mesmo tempo em que Van Sant tanto procura alcançá-la, seu formato fragmentado e documental jamais lhe permite acesso à verdadeira intimidade e natureza dessa mulher inescrupulosa. Nicole Kidman, no auge de sua beleza e na ascensão de sua carreira, capta em detalhes todas essas camadas de Suzanne, oferecendo uma performance ora charmosa, engraçada e vulnerável, ora cruel, calculista e perigosa.

Em um segundo momento, conforme novos personagens são inseridos, como o trio de adolescentes manipulado por Suzanne para a execução de seu plano de assassinato, Van Sant amplia sua perspectiva e potencializa o valor de sua narrativa ao incluir na mesa os desajustes, dramas e sentimentos de uma geração tão refém de seus ídolos de TV, tão obcecada por aparências, tão insegura de si. O diretor dava continuidade aos temas que tanto lhe interessaram em trabalhos anteriores, como Drugstore Cowboy (idem, 1989) e Garotos de Programa (My Own Private Idaho, 1991), e antecipava em forma e conteúdo o que viria a fazer em sua futura obra-prima, Elefante (Elephant, 2003). Em todos esses filmes, ele procurou de alguma forma passear por histórias corriqueiras que terminam em situações comprometedoras de crime, decadência e morte. Vítimas de uma mídia que banaliza a violência e o sexo e frutos de uma geração consumista, egoísta e separatista, os jovens nos filmes de Van Sant ou tendem a se deixar engolir pelos desejos ou simplesmente enlouquecem com a pressão e se tornam perigosos. 

O interessante é que, seja numa comédia de humor negro como Um Sonho Sem Limites, seja num drama desesperador como Elefante, os fragmentos captados por Van Sant jamais permitem uma visão total e conclusiva sobre a juventude. Sua intenção é sempre questionar, satirizar, desmoralizar e, em algum nível, também compreender e em parte perdoar. Inclusive, no DVD lançado pela Obras-Primas do cinema recentemente, há um extra com uma entrevista do diretor divagando um pouco sobre o que o levou a se interessar por essa história. Suzanne permanece um mistério mesmo após muitas revelações e reviravoltas, mas o que sobra após os créditos finais é um inexplicável sentimento de empatia por essa psicopata que, no fundo, só fez aquilo que julgava necessário para alcançar aquele sonho quase impossível que a grande maioria jamais sequer se permite sonhar.  
Por Heitor Romero, em 21/08/2017
Avaliação:               7.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 6.0
• Régis Trigo 6.0
• Silvio Pilau 7.5
• Heitor Romero 7.0
• Francisco Bandeira 5.5
•  Média 6.4
Notas - Usuários
6.4/10 (60 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #007 Stranger Things
• #006 45 anos de O Poderoso Chefão
• #005 Branca de Neve e os Sete Anões
• #004 Halloween
• #003 Blade Runner / Blade Runner 2049
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Sonho Sem Limites, Um
(To Die For, 1995)
• Direção:
- Gus Van Sant
• Elenco Principal:
- Nicole Kidman
- Joaquin Phoenix
- Casey Affleck
• Sinopse: Suzanne Stone (Nicole Kidman) é uma jovem do interior que tenta a sorte na cidade grande. Ela trabalha como repórter na TV, onde compensa seu limitado talento com muita sujeira, sexo e até mesmo mortes para se manter lá em cima.
 FILMES RELACIONADOS
• Drugstore Cowboy
• Elefante
• Garotos de Programa
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE