FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Uma Quase Dupla

(Quase Dupla, Uma, 2018)
Por Francisco Carbone Avaliação:             6.0
Picadeiro de brilho coletivo.
Não tem como não admirar quem se proponha a fazer algo de diferente dentro do universo 'comédias Globo Filmes'. Ok, acabei de escrever algo nesse mesmo caminho no texto de Mulheres Alteradas, parece que sou um profundo admirador do que a hegemonia 'global' promove no nosso cinema. Mas é de se admirar mesmo que vez por outra um novo olhar se faça presente dentro dessa seara tão notadamente nociva. A prerrogativa desses filmes geralmente abre mão de qualquer mínima inventividade estética, se resumindo a filmar sem brilho o que está descrito no roteiro. Sem nada além. Enquanto no filme de Luis Pinheiro existia uma intenção de ao menos tentar reproduzir uma linguagem HQ, aqui a sátira policial tão cometida no cinema americano chega às nossas telas com certo cuidado e inspiração, mostrando que Marcus Baldini não tem intenção de ser esquecido.

Marcus tem dois sucessos no currículo, Os Homens são de Marte e é pra Lá que eu Vou e Bruna Surfistinha, uma biografia fora do lugar comum, tristonha e pé no chão. Nesse novo filme, Baldini se mostra no controle de uma homenagem mais do que a um gênero, mas a uma época. A trilha remete a Shaft, os carros são antigos (mesmo!) e a movimentação de câmera não nega: há uma emulação divertida do universo policial dos anos 70 aqui. Na verdade, é uma salada que mistura as referências da época com filmes de duplas de tiras que passam por Máquina Mortífera, Seven e acaba por criar uma apropriação abrasileirada dessa seara que não é nosso culturalmente, mas que funciona porque se trata de uma comédia. O cuidado da produção é muito evidente e acaba por convencer o espectador daquela inverossimilhança simpática.

A supracitada trilha de Plínio Profeta é um achado, porque não apenas situa o filme dentro da farsa proposta como sublinha muito bem a trama, além de ser boa de fato e não apenas funcional. Ela sofistica aspectos da direção, que infelizmente não é constante para além da bela moldura criada no produto. Ainda assim, é um material diferenciado que apresenta um roteiro (a cinco mãos, Leandro Muniz, Ana Rever, mais o produtor Fernando Fraiha e dois dos protagonistas, Tatá Werneck e Daniel Furlan) repleto de gags realmente engraçadas. O trabalho de montagem (a cargo de Danilo Lemos) cria um ritmo que passeia por gêneros diferentes sem perder o fôlego e a identidade, e o figurino de Leticia Barbieri traduz bem cada um daqueles personagens, indo além do mero ato de vestir.

Não se trata de um projeto repleto de camadas ou subtextos - é uma comédia pop bem feita, encenada de maneira competente. Mas nada de marcante ou fora do comum acontece, a não ser na certeza de que o gênero comédia ainda é muito mal tratado por aqui. Ao invés de criar uma relevância que não lhe cabe, Marcus se contenta em ser esperto com o charme que consegue ter. Não atrapalha em nada o fato do filme ser protagonizado por Tatá Werneck, uma figura cada vez mais polarizada. Amada e odiada na mesma proporção, Tatá é de um talento incomensurável para uns e uma grande canastrona para outros, mas ninguém é indiferente a ela. Cheia de personalidade, se reinventou há dois anos à frente de um talk show premiado em suas duas temporadas, e agora lhe falta alcançar no cinema o sucesso que a TV nunca lhe negou. A construção de sua Keyla em nada lembra a anterior KikaK de TOC, sua primeira protagonista no cinema e um desafio imenso para ela. Aqui ela parece mais em casa, ainda que criando possibilidades.

O filme é fruto de uma vontade de Tatá contracenar com Cauã Reymond, foi construído também como veículo para tal e o resultado final é o menos artificial possível, e Cauã cria uma química sem igual com Tatá. Não é de hoje que ele demonstra sensibilidade e inteligência cênica, e o filme abre seu leque de opções do que já tinha apresentado até hoje. Ary França é outro grande ator mal aproveitado no geral e que aqui demonstra seu potencial. E o que dizer de Daniel Furlan? É uma das figuras mais interessantes da atualidade. Ano passado fez um estrago em TOC e em La Vingança e aqui muda seu registro para algo ainda mais exterior, renovando seu estoque e mostrando que seu potencial está só no início; seus encontros com Tatá no filme são implacáveis, dois atores que se conhecem muito e sabem o que potencializar no outro. É da interação entre essas figuras que nasce 50% do interesse no longa de Marcus Baldini, que não precisa ir muito além (e vai) do que isso para apresentar um passatempo de primeira.
Por Francisco Carbone, em 18/07/2018
Avaliação:             6.0
Notas - Equipe
• Francisco Carbone 6.0
•  Média 6.0
Notas - Usuários
4.8/10 (12 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Quase Dupla, Uma
(Quase Dupla, Uma, 2018)
• Direção:
- Marcus Baldini
• Elenco Principal:
- Tatá Werneck
- Cauã Reymond
- Daniel Furlan
• Sinopse: Keyla e Claudio são dois policiais obrigados a trabalharem juntos na captura de um serial killer, mas a incompatibilidade entre os dois pode atrapalhar a investigação.
 FILMES RELACIONADOS
• Bruna Surfistinha
• La Vingança
• Mulheres Alteradas
• Máquina Mortífera
• Shaft
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE