FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

(Valerian and the City of a Thousand Planets, 2017)
Por Pedro Tavares Avaliação:           5.0
Formalismo Comic-Con.
imagem de Valerian e a Cidade dos Mil Planetas
Antes de tudo é preciso explicar o título: Valerian e a Cidade dos Mil Planetas também é uma convenção de entretenimento multigênero. É possível dizer também que Valerian e a Cidade dos Mil Planetas é uma leitura corrida dos últimos anos de ficção científica no “cinemão”, ainda que o projeto de Luc Besson seja muito pessoal e tenha sido financiado de maneira independente para levar a HQ de Pierre Christin às telas. E está longe de ser um passo adiante de Lucy, seu filme anterior, de abordagem completamente distinta.

Ainda que tudo pareça extremamente misturado e corrido – há um texto de David Elrich o comparando a um delírio lisérgico - nos seus 137 minutos, há delimitações simplórias no filme: são espaços desenhados para cada menção e diálogo com os “braços” do mundo fantástico. A dos games, por exemplo, lá está o uso do controle de visão e de joysticks para participar de um mundo paralelo, além de referências ao ecrã tátil e da própria linguagem usada por Besson, que também cerca o mundo das HQs, filmes e desenhos. Certamente um filme debruçado ao visual, cheio de referências que vão à Los Angeles de Blade Runner passando por O Último Guerreiro das Estrelas, Dark Star, Planeta do Tesouro e John Carter.  Neste sentido, é um filme bastante inocente, até infantil, brincando com formas e suas funções, como Besson outrora fez em O Profissional e principalmente em O Quinto Elemento, o filme mais próximo de Valerian

Das HQ’s, a referência da composição de quadros, cores e tons e dos desenhos à lisergia que o mundo fantástico permite. O que surpreende é o tom fabuloso da narrativa, ainda que falte muito nas definições dos personagens secundários – sempre regidos por uma decisão: “ataque!”, “corra!”, “vamos!”, etc. Valerian e a Cidade dos Mil Planetas não tem um vilão com o arquétipo que conhecemos nos épicos destes gêneros. Tem seu holofote quando a trama exige. Se não é espelhada, a trama guarda o outro lado para o questionável jogo de aproximação e distanciamento amoroso entre Valerian (Dane De Haan) e Laureline (Cara Delevingne) enquanto a crescente obrigação de salvar mundos intensifica – como outrora Leeloo e Korben Dallas fizeram em O Quinto Elemento

E deste córrego escoam coadjuvantes, entre monstros, aliens, majores, robôs e mutantes, como Bubble, interpretada por Rihanna a que ganha mais atenção, mas ainda assim pouco aproveitada para o norte narrativo. Ela é uma presença atrativa e que expõe as fragilidades de um filme sem camadas; pois Valerian e a Cidade dos Mil Planetas se resume em seu prólogo – uma brincadeira entre linguagem, mensagem e visual -, reservando o desbunde completo para o restante de filme, resumindo-o à procura de uma identidade própria no meio de tantas referências literárias e audiovisuais.

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas é um filme morno por oscilar neste delírio. Entre o pastiche e a estranha ousadia de ser ferrenho na transformação do humano no espaço utópico e não nas criaturas e planetas criados, há o desconforto pulsante. Em boa parte das sequências há uma moral e não por acaso será a mesma usada por todo o filme: a velha mensagem de esperança, amizade e paz, caricata e que esbarra no ridículo da maneira que Besson a compõe. 

E se estamos diante de um filme de superfícies e não de personagens, o abismo é próximo e o desarranjo com o tempo que se conjuga é nítido. Valerian e a Cidade dos Mil Planetas na medida em que insere informações e adereços constrói ausências no formalismo que a priori seria rico e complexo.  
Por Pedro Tavares, em 10/08/2017
Avaliação:           5.0
Notas - Equipe
• Daniel Dalpizzolo 3.0
• Bernardo D.I. Brum 6.0
• Pedro Tavares 5.0
• Felipe Leal 4.5
•  Média 4.6
Notas - Usuários
5.7/10 (14 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (1)
Por Jules F. Melo Borges, em 12/08/2017 | 17:13:07 h
"Em boa parte das sequências há uma moral e não por acaso será a mesma usada por todo o filme: a velha mensagem de esperança, amizade e paz, caricata e que esbarra no ridículo da maneira que Besson a compõe."
-
Bom sinal. É exatamente isso que o filme deveria ter.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
• #002 De Volta Para o Futuro
• #001 Os Goonies
• #000 O Piloto
 LEIA TAMBÉM

 FICHA DO FILME

 Valerian e a Cidade dos Mil Planetas
(Valerian and the City of a Thousand Planets, 2017)
• Direção:
- Luc Besson
• Elenco Principal:
- Cara Delevingne
- John Goodman
- Ethan Hawke
• Sinopse: O agente e viajante do tempo Valerian é enviado para investigar um império galáctico, junto de sua parceira Laureline.
 FILMES RELACIONADOS
• Dark Star
• Lucy
• O Profissional
• O Quinto Elemento
• O Último Guerreiro das Estrelas
• Planeta do Tesouro
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE