FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Vício Frenético

(Bad Lieutenant: Port of Call New Orleans, 2009)
Por Daniel Dalpizzolo Avaliação:               7.5
Herzog e a ironia da maldade.

Se o cinema de Herzog pudesse ser sintetizado por uma temática específica, ela certamente estaria conectada com a relação entre o homem e a natureza, e a forma com a qual ele lida ou tenta lidar com as conseqüências deste convívio por vezes nada harmônico. Em filmes como Fitzcarraldo e Aguirre - A Cólera dos Deuses, ambos passados em meio às belas, úmidas e desoladoras paisagens do interior da floresta Amazônica, os principais conflitos que se estabelecem estão todos circundados pelo pensar e agir humano e pela ação, direta ou indireta - que pode surgir da mera existência de uma montanha até de catástrofes eventuais -, do ambiente  no qual estão instalados.

É a ação da natureza sobre o homem a responsável também pelo princípio trágico deste Vício Frenético. Durante a tempestade tropical provocada pelo furacão Katrina nos Estados Unidos, que deixou a cidade de New Orleans debaixo d'água, o detetive McDonagh (Nicolas Cage) arriscou a vida para salvar um prisioneiro em uma cela prestes a inundar. O heróico ato de resgatar um delinqüente acabou proporcionando ao oficial problemas na coluna, uma perna manca e de quebra o vício em cocaína, que em um primeiro momento era utilizada para disfarçar a dor mas que se tornou, com o tempo, em uma dependência de prazer tão intensa a ponto de estar junto dele durante toda a investigação que conduz o filme.

O ponto de partida (retrato de um policial viciado) é idêntico ao Vício Frenético de Abel Ferrara, do qual comentava-se ser uma refilmagem, mas não é preciso muito tempo para notar que tanto o projeto estético e narrativo do alemão quanto sua abordagem da temática são determinantemente diferentes do filme do ítalo-americano - apesar de obterem um resultado semelhante nas reflexões que impõem por estas vias tão distintas. Em primeiro lugar por se tratar de um filme sobre o espetáculo do mal, assunto que não pertence ao cinema de Ferrara. O personagem de Harvey Keitel no filme de 1992, asfixiado pela dor que palpita da sujeira sobre a qual sobrevive, busca a redenção após enfrentar e por muitas vezes condescender com o mal, enquanto Cage e Herzog exploram indeliberadamente as possibilidades que este mal apresenta para ironizar a degradante e constrangedora realidade de seu personagem e do meio em que vive – novamente a natureza, desta feita construída pelo próprio homem e marcada pelo cinza apático das construções de concreto.

Portanto é natural que enquanto Keitel desaba aos pés de um cristo imaginário implorando pela desejada redenção e se emociona ao ver uma freira se culpar por ter sido estuprada, Cage tenha visões alucinógenas com iguanas, negocie com traficantes, ameace velhinhas com armas de fogo e chantagie jogadores para conseguir vencer suas apostas e garantir o dinheiro para acertar contas com bandidos que ameaçam sua namorada – que, por nada, é prostituta. Tudo neste filme de Herzog, aliás, se expande proporcionalmente até chegar ao extravaso, ao cinema puramente do artifício - ao contrário de Ferrara, onde o choque das imagens vai aos poucos sendo contaminado pelo humano até o filme se tornar praticamente minimalista. O vício de Cage, sua perda de limites, a perturbação e alucinações com as drogas, os métodos de investigação, enfim, seu personagem e ações são levados às  últimas conseqüências através de um radicalismo cínico e grotesco, mas fascinante justamente por atingir através de toda esta bizarrice um contexto tão real quanto o de qualquer filme pretensamente sério sobre o assunto.

A ousadia e habilidade de subversão são tamanhas que seu filme acaba negando boa parte do que o gênero policial construiu nestas últimas três décadas. Se desde os anos 70 se convencionou em trazer para o cinema a realidade das ruas de forma crua e visceral, é a surrealidade e o artifício quem atraem o alemão e se transformam em vertente para uma ácida reflexão acerca dos rumos que o homem e seu meio, a sociedade, têm tomado neste mundo cada vez mais caótico e agressivo. A imagem, com todo seu exagero e ironia e eventual oniricidade, se transforma em veículo abstrato para esta nossa realidade. A New Orleans de Herzog é o inferno em cinza, e aqui extorquir, traficar, roubar, ameaçar e eventualmente acender um cachimbo com pedra durante uma abordagem são ações que constituem um espiral degradante, mas que conduz o agente rumo ao sucesso. Sendo que qualquer semelhança com nossos noticiários não é mera coincidência, resta somente abraçar ao filme e rir disso tudo junto de Herzog.

Por Daniel Dalpizzolo, em 15/01/2010
Avaliação:               7.5
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 8.0
• Daniel Dalpizzolo 7.5
• Rodrigo Cunha 8.0
• Régis Trigo 5.0
• Silvio Pilau 6.0
• Vlademir Lazo 6.0
• Heitor Romero 7.5
• Marcelo Leme 7.5
• Rafael W. Oliveira 8.0
•  Média 7.1
Notas - Usuários
7.0/10 (273 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (0)
Não há opiniões dos usuários.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Vício Frenético
(Bad Lieutenant: Port of Call New Orleans, 2009)
• Direção:
- Werner Herzog
• Elenco Principal:
- Nicolas Cage
- Eva Mendes
- Val Kilmer
• Sinopse: Após salvar um prisioneiro de afogamento em decorrência do furacão Katrina, o detetive Terence McDonagh é promovido a tenente. Com as costas seriamente contundidas, passa a depender de analgésicos para aguentar a dor. Um ano depois, está viciado em V...
 FILMES RELACIONADOS
• Fitzcarraldo
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE