FILMES CRÍTICAS NOTÍCIAS PERFIS TRILHAS TOPS PREMIAÇÕES ARTIGOS COMENTÁRIOS FÓRUNS   SÉRIES PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
   
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS
TOPS
PREMIAÇÕES
ARTIGOS
COMENTÁRIOS
FÓRUNS

SÉRIES
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
CRÍTICA

Weekend à Francesa

(Week End, 1967)
Por Daniel Dalpizzolo Avaliação:                   9.0
O apocalipse de Godard.

Weekend à Francesa marca a transição de Jean-Luc Godard entre seus primeiros passos na Nouvelle Vague francesa e sua fase imediatamente posterior, mergulhada na ideologia marxista. Antecedendo em um ano o emblemático Maio de 68, com este filme Godard provocaria, mais uma vez, reações radicais nos espectadores. Materializou a percepção de um mundo em ruínas com suas observações sobre os valores decadentes do imperialismo americano, impressionou pela ousadia narrativa, pela transgressão formal e por seus experimentos técnicos radicais. Para filmar o plano-sequência em que percorre, a partir de um longuíssimo travelling, um engarrafamento formado por mais de cem automóveis, pelo qual o filme costuma ser lembrado, Godard precisou da autorização do governo francês para fechar uma rodovia inteira – e o resultado dessa aventura, além de seu primor estético, sintetiza muito desse grande filme.

Encontramos aqui um mundo em colapso. Antes de explorá-lo, porém, Godard lança o espectador ao colapso dos relacionamentos humanos. Logo nos primeiros minutos do filme, um casal sentado à cama conversa sobre sexo. A mulher, em suntuoso contra-luz, relata ao marido suas experiências sexuais durante uma viagem de férias. Trepei com fulano, trepei com outro e sua mulher, trepei e trepei. O marido ouve a esposa com a maior frieza do mundo. Posteriormente, durante a viagem que dispara a trama principal, compreendemos o por quê. Todos, em Weekend à Francesa, trepam e falam de suas trepadas de um jeito tão impessoal e desestimulante que, ao final do filme, o sexo soa como uma ação tão mecânica quanto trocar um pneu.

É sintomático. Godard transformou-se em símbolo da geração francesa dos anos 60, e não foi por qualquer bobagem. Se observarmos seu cinema cronologicamente, pode-se notar as transformações pelas quais a juventude francesa passava, pouco a pouco, até eclodir no fatídico movimento grevista de maio de 68. Em O Demônio das Onze Horas (Pierrot le Fou, 1965), Godard já insinuava que só poderiamos ignorar as amarras sociais da burguesia do século XX largando tudo por um amor intenso, pois a liberdade, um ideal de todos à época, era impossível de ser conquistada de outra forma que não a retratada na trágica e poética cena final - transformando o corpo em cinzas e poeira ao vento. Era utopia. Na sequência, em A Chinesa (La Chinoese, 1968), com o mundo quase explodindo e seu cinema consciente desta impossibilidade, Godard filmaria uma fuga às avessas: sem a desejada liberdade das amarras burguesas, a juventude procurava refúgio nos livros, na política, na militância marxista.

Assim voltamos a Weekend à Francesa e ao casal do início, habitantes de um mundo no qual o valor das coisas materiais supera o das pessoas que os possuem. Ambos partem em uma viagem por rodovias repletas de signos do caos. Carros incendiados, colisões bloqueando o tráfego, corpos ensanguentados e vestidos com roupas multicoloridas estirados no asfalto, cadáveres que sequer chocam perante tanta frieza. O automóvel, símbolo do poder econômico ocidental e um dos principais objetos de consumo do homem moderno, é incorporado por Godard às imagens para pintar seu apocalipse social a partir dos exageros consumistas e do capitalismo predatório. A atmosfera do filme se estabelece, assim, a partir de um suposto casamento muito louco entre o cinema de George Romero, com seus metafóricos e físicos filmes de zumbis, e o mestre surrealista Luis Buñuel, com suas observações sempre ácidas e ferrenhas sobre os costumes burgueses. 

Os personagens de Godard vagam pelas estradas da França numa viagem que jamais termina, não interessa o quanto rodem. O asfalto parece uma esteira. Ambos correm e não saem do lugar, topando com tipos e situações absolutamente nonsenses. “Que filme ruim, tudo o que fazemos é encontrar gente doida” fala o protagonista em determinado momento, num daqueles jogos metalinguísticos célebres de Godard. Nessa sensação de aprisionamento narrativo, percebemos que Weekend à Francesa também não deixa de representar uma auto-colisão do cinema de Godard. É sua experiência limítrofe, a arte colocada à prova, o cinema implodindo em nossa frente de forma quase apoteótica - isso até que, em certo momento, enquanto os personagens fazem uma curva em alta velocidade, a película literalmente se desfragmenta.

Toda a inquietude do mundo se volta a Weekend à Francesa neste momento. A partir daí o filme de Godard perde o fôlego; fica estático. Nem mesmo corre no lugar. Se não sabíamos onde tudo aquilo iria chegar, ou se enfim chegaria a algum lugar, agora temos certeza: ficará parado neste instante. A colisão dos homens com um mundo em chamas ganha contornos ainda desesperadores. Não por acaso, um filme que abre com a conversa de um casal sobre sexo encerra com canibalismo, com a mulher comendo os restos do marido como se comesse uma chuleta de porco. Os homens regressam à boçalidade, vivem em florestas, se alimentam uns dos outros. Bem-vindos às ruínas sociais de Godard.

Em meio a esse universo, o diretor insere doses ainda maiores de discursos políticos que em qualquer um de seus filmes anteriores e vai, aos poucos, descortinando os problemas do mundo. Era um prenúncio da fase marxista e da parceria com o grupo de cinema tcheco Dziga Vertov. Era o fim daquele Godard que nos fez rir em Uma Mulher é uma Mulher (Une Femme est une Femme, 1961), que subverteu fórmulas narrativas clássicas em Alphaville (idem, 1965) ou Bande à Part (idem, 1964), que amou o cinema em O Desprezo (Le Mépris, 1963). Em Weekend à Francesa, Godard abdica da Nouvelle Vague com a câmera em punhos e se declara um militante do mundo.

Por Daniel Dalpizzolo, em 07/12/2010
Avaliação:                   9.0
Notas - Equipe
• Alexandre Koball 7.0
• Daniel Dalpizzolo 9.0
• Vlademir Lazo 9.0
• Heitor Romero 9.0
• Marcelo Leme 8.5
•  Média 8.5
Notas - Usuários
7.9/10 (116 votos)
Minha nota:
0.5 1.0 1.5 2.0 2.5 3.0 3.5 4.0 4.5 5.0 5.5 6.0 6.5 7.0 7.5 8.0 8.5 9.0 9.5 10.0
    --
• Todas as opiniões 
Comente no Cineplayers (2)
Por Bill Coln, em 06/08/2018 | 17:53:05 h
Belo texto.
Por Lucas do Carmo, em 29/04/2012 | 22:46:13 h
Ótima critica mesmo.
Comente no Facebook
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
 CINEPLAYERS CAST
CP Cast
#55 Halloween (2018)
#54 O Primeiro Homem
#53 Nasce Uma Estrela
#52 Musicais no Século XXI
#51 70 anos de John Carpenter
#50 Breaking Bad - 10 Anos
#49 Neorrealismo Italiano
#48 O Exorcista
#47 Wall-E
#46 The Last of Us
#45 60 anos de Tim Burton
#44 Meu Amigo Totoro
#43 Missão: Impossível - Efeito Fallout
#42 Filmes da Sessão da Tarde
#41 Batman: O Cavaleiro das Trevas
#40 100 anos de Ingmar Bergman
#39 Os Incríveis 2
#38 Era Uma Vez no Oeste
#37 Jurassic Park e Jurassic World
#36 O Bebê de Rosemary
#35 A Noite dos Mortos-Vivos e Despertar dos Mortos
#34 Han Solo: Uma História Star Wars
#33 Deadpool 2
#32 Um Corpo que Cai
#31 Stephen King no Cinema
#30 Vingadores: Guerra Infinita
#29 A Franquia 007
#28 Um Lugar Silencioso
#27 2001: Uma Odisseia no Espaço
#26 Jogador Nº1
#25 Planeta dos Macacos
#24 Quentin Tarantino
#23 75 anos de David Cronenberg
#22 Projeto Flórida
#21 Trama Fantasma
#20 Três Anúncios Para um Crime e Lady Bird
#19 Oito e Meio de Fellini
#18 A Forma da Água
#17 The Post e os filmes de Jornalismo
#16 Indicados ao Oscar 2018!
#15 20 Anos de Titanic
#14 Nostalgia Cinéfila - Especial 15 Anos!
#13 Melhores de 2017
#12 Star Wars: Episódio VIII - Os Últimos Jedi
#11 Especial Natalino
#10 Assassinato no Expresso Oriente
#9 Onde os Fracos Não Têm Vez
#8 Liga da Justiça
#7 Stranger Things
#6 45 anos de O Poderoso Chefão
#5 Branca de Neve e os Sete Anões
#4 Halloween
#3 Blade Runner / Blade Runner 2049
#2 De Volta Para o Futuro
#1 Os Goonies
#0 O Piloto
 LEIA TAMBÉM
 FICHA DO FILME

 Weekend à Francesa
(Week End, 1967)
• Direção:
- Jean-Luc Godard
• Elenco Principal:
- Mireille Darc
- Jean Yanne
- Jean-Pierre Kalfon
• Sinopse: Um casal resolve fazer uma viagem até a casa dos pais da moça e, no caminho, vai se deparando com situações e pessoas cada vez mais surreais, que denunciam uma realidade apocalíptica provocada pelos problemas sociais. Comédia satírica e política de G...
 FILMES RELACIONADOS
• A Chinesa
• Alphaville
• Bande à Part
• O Demônio das Onze Horas
• O Desprezo
• Uma Mulher é uma Mulher
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
FILMES
CRÍTICAS
NOTÍCIAS
PERFIS
TRILHAS SONORAS
HOME CINEMA
TOPS
COMENTÁRIOS
ARTIGOS
PREMIAÇÕES
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
MAIS ASSISTIDOS
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
ESPECIAL A NOVA HOLLYWOOD
ESPECIAL WES CRAVEN
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2018)

           
 USUÁRIOS
 + ASSISTIDOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
WES CRAVEN
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE