SÉRIES NOTÍCIAS TOPS FÓRUNS   CINEMA PUBLICIDADE
CENTRAL DE USUÁRIOS   |    CADASTRE-SE   |   ENTRAR
SÉRIES
NOTÍCIAS
TOPS
FÓRUNS

CINEMA
CADASTRE-SE   |   ENTRAR
NOTÍCIA

Sobre Dawson's Creek

Categoria: Geral
Por Heitor Romero
I don't want to wait for our lives to be over…
Bem-vindos à Capeside!

É madrugada na cidade portuária de Capeside e o casal de melhores amigos Dawson Leery e Joey Potter está assistindo mais uma vez à fita de E.T., clássico de Steven Spielberg, no quarto do rapaz. Está tarde e Dawson convida Joey para dormir lá, como sempre faz quando perdem a noção do tempo, mas dessa vez a garota recusa a oferta. Eles não são mais crianças, argumenta ela, e já não tem cabimento dois adolescentes do sexo oposto dividindo a cama. Ele se surpreende com a recusa – a amizade dos dois é forte demais e especial demais para esbarrar em preceitos sociais tão bobos. Dawson se nega a encarar que eles estão crescendo, enquanto Joey, secretamente apaixonada por ele, espera ser notada como mulher e não mais como amiga. No fim das contas, ela é convencida a ficar, mas alguma coisa está mudada. De repente, e pela primeira vez na vida, Dawson e Joey se estranham como dois completos desconhecidos. 

A partir dessa delicada abertura, somos inseridos no universo de Dawson’s Creek (1998-2003), sucesso adolescente de Kevin Williamson que colocou Katie Holmes, Michelle Williams, Joshua Jackson e James Van Der Beek no mapa. Simples, singela e econômica, a cena já desenha toda a estrutura que veio a ser construída com o passar dos capítulos da série e o principal conflito de toda a história: o choque entre a visão de mundo sonhadora/escapista de Dawson contra a percepção realista/prática de Joey. Ele é o aspirante a cineasta, filho único de um casal de classe média que o ama e apoia, que cresceu assistindo os filmes de Steven Spielberg e que por conta disso alimenta esperanças infantis e fantasiosas para seu futuro. Ela é pobre e carente, perdeu a mãe ainda criança, tem um pai preso por tráfico de drogas, vive sozinha com a irmã e o sobrinho e só deseja sair daquela cidadezinha onde é julgada e menosprezada por todos. Os dois são o completo oposto um do outro e ao mesmo tempo são almas gêmeas desde crianças, mas agora com a chegada do colegial e as complicações do início da vida adulta, esse vínculo quase espiritual ameaça se quebrar. 

Paralelo a esse conflito central se encontram os dois personagens que irão contrapesar a relação de Dawson e Joey: Pacey Witter e Jen Lindley. Pacey, a princípio, é o melhor amigo de praxe em qualquer série adolescente, colocado como alívio cômico e adolescente em polvorosa que só quer saber de sexo, mas que depois descobrimos sofrer com a rejeição da família, que o considera um desgosto. Com o passar do tempo, Pacey ganhará um espaço cada vez maior dentro na história, principalmente ao se apaixonar por Joey e colocar em risco a sintonia errante do romance central entre ela e Dawson. Jen, por sua vez, é a garota nova da cidade, linda, loura, experiente, misteriosa, que de cara encanta o coração do vizinho Dawson e desperta a fúria ciumenta de Joey. Talvez a mais complexa do quarteto, Jen é uma personagem extremamente funcional e essencial dentro da engrenagem de Dawson’s Creek, visto ser inserida como elemento de caos que bagunça a ordem da relação entre Dawson, Joey e Pacey e lhes dá a ciência de que tudo está mudando. Se pularmos lá para o fim da série, será a mesma Jen a única capaz de reunir todos novamente para a conclusão da história, o que nos permite enxerga-la como uma espécie de corpo angelical que desencadeia e por fim conclui os dramas de toda a série. 

Como todo bom coming of age americano, Dawson’s Creek tratou dos dramas adolescentes de uma forma muito madura e pé no chão, gerando identificação por parte do público, que não teve sua inteligência subestimada, como geralmente acontece em produções voltadas a espectadores dessa faixa-etária. Estão ali os temas mais típicos, como o conflito de geração entre pais e filhos, a dificuldade no processo de crescimento e amadurecimento, a descoberta do primeiro amor, as primeiras desilusões, a insegurança com o futuro, a homossexualidade (tratada no núcleo de Jack, personagem que aparece a partir da segunda temporada e se torna o melhor amigo de Jen), e a dificuldade de achar seu lugar no mundo. Afinal, é o que todos procuram, cada um à sua maneira: um lugar no mundo. No entanto, enquanto Joey, Pacey, Jen e Jack trilham um caminho calcado nas trágicas experiências que vivem, Dawson, o personagem central pelo qual Williamson filtra todo o olhar do espectador, enxerga tudo cor-de-rosa, e daí temos um protagonista fora de sintonia com o resto dos personagens, e por isso talvez tenha sido ele o mais incompreendido e rejeitado pelo próprio público. 

Ao mesmo tempo, essa questão mantém o interesse e valor do personagem até o fim da série, mesmo quando os conflitos mais interessantes se deslocam para os dramas do resto da turma. A princípio, Dawson carece de um drama, possui a vida perfeita e pacata demais, e como um cineasta em ascensão, sente falta de conflitos próprios que o inspirem a filmar, sendo obrigado a buscar ideias na vida de seus amigos. Mas quando surgem os primeiros reveses, as primeiras desilusões, as primeiras rejeições, e as primeiras pancadas da vida, ele é imaturo e inapto para enfrentar isso, justamente por não estar acostumado a lidar com a vida real em seu mundo particular de ilusões. Novamente surge Joey compensando a ingenuidade e imaturidade de Dawson, como uma personagem amargurada pelos traumas de infância e acostumada a sempre esperar o pior. Um terá de aprender a colocar os pés no chão e o outro a acreditar mais nos próprios sonhos, e um precisa do ponto do apoio do outro para isso. Nesse equilíbrio entre as almas gêmeas se encontra a beleza maior de Dawson’s Creek e a força que mantém a série irrepreensível até o fim de sua quarta temporada, em que Joey protagoniza a mais bela de todas as falas. 

A partir da quinta temporada a consistência e cadência tão belamente construídas até então perdem muito de sua força, quando os personagens se separam e deixam Capeside para enfrentar de vez a vida adulta. Digamos que é o momento em que tudo deixa de ser Dawson e passa a ser um pouco mais Joey. Embora menos inspiradas, essas duas últimas temporadas trabalham bem o amadurecimento de cada personagem e solidificam a passagem para o grande desfecho, em que Joey deverá decidir entre Dawson e Pacey, enquanto Jen se descobre com uma doença terminal. O grande pecado de toda a produção nesse meio tempo é a exploração incessante da personagem de Joey, que na verdade sempre foi a verdadeira protagonista da série, até o desgaste completo de seu núcleo, enquanto os demais são relegados à condição coadjuvantes, especialmente Jack e Jen. Sendo Michelle William a atriz mais talentosa do elenco e sua personagem a mais interessante e cheia de possibilidades, é muito frustrante vê-la subaproveitada e parcialmente esquecida para reconquistar de novo o espaço merecido somente no último capítulo. 

Dawson’s Creek foi baseado na vida do próprio Kevin Williamson, o famoso roteirista da cinessérie Pânico, dirigida por Wes Craven. Cinéfilo fissurado por filmes de terror, deixou que sua bagagem com o cinema servisse de inspiração para a série, por isso tantas referências, passando por clássicos desde O Clube dos Cinco, O Monstro do Pântano, Mortalmente Perigosa, E.T., Verão de 42, A Última Sessão de Cinema, American Graffiti, até os sucessos jovens da época, como A Bruxa de Blair e a própria série Pânico. Há também muita referência literária, musical e televisiva, de William Shakespeare a Louisa May Alcott, de The Pretenders a Alanis Morissette, de Além da Imaginação a Barrados no Baile. 

Em dado momento da série, Dawson questiona Joey, no meio de um jogo particular dos dois de perguntas e respostas rápidas, qual foi o momento da vida dela em que tudo mudou. Ela responde e faz a mesma pergunta de volta, e talvez nessa passagem fique clara a verdadeira essência de Dawson’s Creek: a hora da mudança, aquele momento às vezes aparentemente corriqueiro ou insignificante em que sentimos um clique e sabemos de alguma forma que nada será mais como antes. Todos, cedo ou tarde, passam por isso, como Dawson e Joey naquela noite estranha em que a moça se recusa a passar a noite na casa dele. Acompanhar o que rola daí em diante é como voltar ao próprio passado, ao momento mágico em que, de repente, a gente percebe que cresceu.
Por Heitor Romero, em 27/06/2016
Comente no Cineplayers (1)
Por Davi de Almeida Rezende, em 28/02/2017 | 00:31:40 h
Foi a única série norte-americana que marcou minha vida e assisti do início ao fim.
Comente no Facebook
Outras Notícias
• Geral - Análise: 13ª Temporada de Grey's Anatomy
• Primeira visão - Primeiras impressões sobre o revival de Twin Peaks
• Geral - The Walking Dead - S06E08 - Start to Finish
• Geral - Arquivo X - A Primeira Temporada 1/2
• Geral - The Walking Dead - S06E07 - Heads Up
• Geral - Master of None - S01E03 - Hot Ticket
• Geral - Jessica Jones - A Primeira Temporada
• Geral - Master of None - S01E02 - Parents
• Geral - The Walking Dead - S06E06 - Always Accountable
• Geral - Master of None - S01E01 - Plan B
• Geral - Zé do Caixão - Episódio 1
• Mercado - Zé do Caixão estreia hoje no Space!
• Geral - Unbreakable Kimmy Schmidt - A Primeira Temporada 1/2
• Geral - Narcos - A Primeira Temporada
• Geral - Veja os teasers da segunda temporada de Better Call Saul!
• Geral - Escolhido o ator para interpretar Negan em The Walking Dead!
• Geral - The Walking Dead - S06E05 - Now
• Geral - The Walking Dead - 6ª Temporada - Os Quatro Primeiros
• Primeira visão - Do you like scary TV?
• Geral - Remember Me (2014)
Todas as informações aqui contidas são propriedades de seus respectivos produtores. Sugestões? Reclamações? Elogios? Faça valer sua opinião, escreva-nos!
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017) - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

CENTRAL DE USUÁRIOS
SÉRIES
NOTÍCIAS
TOPS
JOGOS
FÓRUNS
PAPÉIS DE PAREDE
EQUIPE
NOSSA HISTÓRIA
CONTATO
PERGUNTAS FREQUENTES
PROMOÇÕES
ESTATÍSTICAS
CHAT
MAPA DO SITE
API CINEPLAYERS
ANUNCIE CONOSCO
         
CINEPLAYERS LTDA. (2003 - 2017)

           
 USUÁRIOS
 EQUIPE
 HISTÓRIA
CONTATO
FAQ
ESTATÍSTICAS
MAPA DO SITE
API
ANUNCIE