Saltar para o conteúdo

Étangs Noirs

(Étangs Noirs, 2018)
9,5
Cineplayers
1 voto
?
Sua nota

Críticas

Cineplayers

Faça a coisa certa

9,5

Jimi recebeu um pacote em seu apartamento, por engano. A caixa deveria ter sido entregue ao mesmo apartamento, porém no bloco vizinho. Jimi vai então até o outro prédio, com a função de entregar tal mercadoria. Uma caixa, relativamente pequena de papelão mas cuja destinatária não se encontra em casa. Jimi não sabia, mas as mais de 24 h seguintes serão as mais intensas de sua vida, e não apenas porque ação e tensão constituirão parte integrante delas. O ato de entregar uma encomenda fará Jimi (sem querer, muito provavelmente) embarcar numa jornada de auto conhecimento, redefinirá seus padrões de comportamento e norteará um grau de afirmação étnica muito mais complexo e abrangente do que está exposto em sua superfície e também na de Etangs Noirs', um dos melhores e mais instigantes filmes exibidos no Olhar de Cinema esse ano.

A dupla de diretores belga Pieter Demoulin e Timeau de Keyser concebe um dos mais potentes produtos políticos vistos nos cinema recente, por tratar seus códigos e discussões de forma intrínseca a jornada do heroi sem conflitar temas e narrativas, mas exatamente tratando com organicidade os espaços percorridos pelo protagonista, ao pautar essa motivação com a voz corrente do lugar empático atual, aglutinando o contexto moral do longa a sua visão de mundo, que literalmente não segrega corpos ou suas demandas. Ao captar de maneira geral os olhares dissonantes que perpassam a narrativa e criam um painel da História do mundo ontem e hoje, os diretores não tiram da centralização o jovem Jimi e suas questões tangíveis. Não há separação, mas sim um lugar de reparação dos lugares de fala - ou melhor, da reflexão desses lugares e da determinação do indivíduo em alterar a percepção histórica de sua trajetória. 

A cor da pele de Jimi é determinante para ler todos os desdobramentos psicológicos e fabulares por trás de um roteiro feliz em realizar todos os complementos às suas sentenças. A negritude de Jimi pede passagem para ser vista dignificada, fora do ambiente hostil do passado (do passado?), que associa a mesma - em curta instância - à preguiça, ao desleixo, e em parâmetros mais racistas a falta de confiança, ao perigo, a um medo que tenta ser disseminado à própria raça, que sonha com sua própria presença de maneira ameaçadora. O negro cresce no mundo com a sombra branca a lhe dizer sobre as representações sociais de acesso ao RISCO, e ele é uma delas, senhor do seu próprio medo. Do que sente, do que transmite, do que representa. Observar a lógica aplicada do personagem é automaticamente aplaudi-la em seu foco conciso que vai além da proteção, mas uma maneira de conquistar espaços e tomar pra si confiança e autoconfiança.

Da maneira mais bonita possível, 'Etangs Noirs' é um filhote refinado do surgimento e da disseminação de autores tão espalhados no tempo como Spike Lee, Jordan Peele, Norman Jewison e de uma escritora como Harper Lee, mostrando que a empatia ela pode correr nas veias de qualquer ser humano que busque igualdade. Jimi se recusa a vestir em si as roupas que anos e anos lhe foram atribuídas; a forma como abraça a tarefa auto imposta, de realizar aquela atividade com eficiência, entregando o resultado desejado, é emocionante e estarrecedor ao mesmo tempo, tendo em vista os papéis que lhe foi atribuído através da História, infelizmente ainda reproduzidos. Um protagonista reativo que escreve seu próprio legado e que vende uma imagem que nem ele mesmo mais quer, pra si ou para os seus. 

Imageticamente também impactante, a fotografia do próprio Demoulin conjuga o atual estado do personagem conforme suas questões sejam alteradas; cores frias no início, o filme se encaminha para um tom mais forte, até chegar a noite e aos pesadelos, todos de intensidade expressiva. O filme ainda promove belos momentos de contemplação de imagens e propostas visuais em tom de quebra-cabeça, como no momento onde todo o cenário parece ter pitadas de azul em um momento de desespero. Aliado ao trabalho exemplar de Cedric Luvuezo como Jimi, 'Etangs Noirs' é daqueles raros casos onde você não verá tão cedo uma representação mais acertada dos temores do indivíduo no hoje, lutando para mudar mais do que a si mesmo, mas a História. A seu jeito.

Comentários (0)

Faça login para comentar.