Saltar para o conteúdo
5,6
Cineplayers
7 votos
6,9
Usuários
74 votos
?
Sua nota
Direção
Björn Runge
Roteiro:
Jane Anderson (roteiro e adaptação), Meg Wolitzer (romance)
Gênero:
Drama
Origem:
Estados Unidos, Suécia
Estreia:
10/01/2019
Duração:
100 minutos
Prêmios:
76° Globo de Ouro - 2019, 91° Oscar - 2019

Uma esposa questiona suas escolhas na vida durante uma viagem com o marido, que está para receber o prêmio Nobel de literatura.

Elenco

Glenn Close
Joan Castleman
Jonathan Pryce
Joe Castleman
Alix Wilton Regan
Susannah Castleman
Karin Franz Körlof
Linnea
Michael Benz
White
Carolin Stoltz
enfermeira do hotel
Twinnie Lee Moore
Monica
Catharina Christie
Médica do hotel
Jane Garioni
Constance Finch
Annie Starke
Joan Castleman jovem
Harry Lloyd
Joe Castleman jovem
Christian Slater
Nathaniel Bone
Elizabeth McGovern
Elaine Mozell
Max Irons
David Castleman

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Runge segue todas as cartilhas sobre como não levar um dramalhão adiante, e por mais que se ancore nas interpretações potentes de Close e Pryce (apesar dela já ter tido momentos melhores), desaba num filme desconexo em si mesmo e absurdamente piegas.

  • Runge dilui a força do material com flashbacks redundantes e um roteiro que inexplicavelmente evita o confronto entre os protagonistas. Close é prejudicada pela passividade da personagem. Pryce se sai melhor. Faltou um Bergman pra colocar ordem na casa.

  • Longe de ser a bomba que apontam, é um filme somente de performances e por isso o diretor nada mais faz do que enaltecer seus atores. Glenn Close não está nessa corrida quase ganha por condescendência, ela de fato brilha - assim como Jonathan Pryce.

  • Glenn Close e Jonathan Pryce sobram em um filme que não valoriza sua premissa envolvente e o requinte inerente à história e à forma com que o filme é contado — ao menos até flashbacks preguiçosos entrarem na narrativa com a mesma indolência de seu texto.

  • Filme contido, cuja história demora a engrenar, com um bom número de cenas e personagens desnecessários. Mas Runge trabalha bem a força dos olhares e dá espaço para Pryce e Close assumirem o comando, o que ambos fazem com o talento que lhes é peculiar.

Comentários (0)

Faça login para comentar.