Saltar para o conteúdo
7,1
Cineplayers
7 votos
7,2
Usuários
72 votos
?
Sua nota
Direção
Roman Polanski
Roteiro:
Jakub Goldberg, Roman Polanski, Jerzy Skolimowski
Gênero:
Drama
Origem:
Polônia
Duração:
94 minutos
Prêmios:
36° Oscar - 1964

Um casal quase atropela um jovem de 19 anos numa estrada e acaba oferecendo uma carona para o rapaz, convidando-o também a passar o dia velejando. A partir daí, estabelece-se uma disputa entre os dois homens, mediada pela mulher.

Elenco

Leon Niemczyk
Andrzej
Jolanta Umecka
Krystyna
Zygmunt Malanowicz
Menino

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Uma naturalidade instigante embala essa batalha de egos covarde e cheia de falsas sutilezas. O microcosmo social filmado com precisão ao redor do barco revela com calma a soberania humana reduzida a uma faca na água: não lhe serve de muita coisa.

  • Um conflito de gerações e de virilidade masculina representado belíssima metáfora do comando do navegar do barco. Barco chamado Christine, onde a mulher é a grande juíza. A direção do Polanski também já chama a atenção nesse início.

  • Um bom começo para o notável cinema de Polanski.

  • Polanski estreia uma linda fotografia num belíssimo filme sobre corpos, mas 90 minutos de comparação de pinto é um tanto demais.

  • Polanski consegue criar tensão usando poucos elementos! Com direção segura e minimalista, ele já mostra a cara de seu cinema, logo na estréia! Destaque para o bom uso da profundidade de foco.

  • Não vi nenhum sentido, neste enredo, muito parado e sem nehuma indicação. Vazio mesmo, não é porque se trata de um filme de ROMAN POLANSKI, que seja bom ou ótimo. Salvam-se a fotografia e a trilha sonora.

  • Não gosto desse filme, mas suas qualidades são inegáveis. Como gosto pessoal não influi em ser realmente bom ou ruim, dou essa nota. Muito bem realizado, mas não me prendeu.

  • Em seu primeiro longa-metragem, Polanski já mostrava o potencial que viria a desenvolver em sua filmografia. Aqui, porém, nos entrega uma obra apenas mediana.

  • Eficiente em criar tensão a maior parte do tempo, mas a dispensa de um vero clímax gera uma perda de fôlego em sua reta final.

  • Curioso,Polanski já trazia seu estilo sufocante num ambiente aberto,auxiliado pelo espaço asfixiante de uma regata. A tensão está presente entre os três,mas só explode no fim.Quando a convivência é chacoalhada tudo acontece,muito é dito.Revelações.

Comentários (0)

Faça login para comentar.