Saltar para o conteúdo
7,3
Usuários
55 votos
?
Sua nota
Direção
Sang-soo Hong
Roteiro:
Sang-soo Hong
Gênero:
Drama, Comédia
Origem:
Coréia do Sul
Estreia:
05/04/2013
Duração:
89 minutos
Prêmios:
65° Festival de Cannes - 2012

Ambientado numa praia nublada da costa sul-coreana. Uma estudante de cinema escreve três histórias diferentes, todas com uma personagem francesa chamada Anne (todas interpretadas por Isabelle Huppert), que chega à tal praia e encontra os mesmos personagens. A primeira é uma diretora de cinema, a segunda é uma mulher casada que vai encontrar o amante na praia, e a terceira é uma mulher divorciada cujo marido a trocou por uma coreana.

Elenco

Isabelle Huppert
Anne
Joon-sang Yoo
Salva-vidas
Kwon Hye Hyo
So-ri Moon
Kumhee
Moon Sung Keun
Youn Yuh Jung
Yeo-jeong Yoon
Park Sook
Yu-mi Jung
Wonju

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Uma brincadeira agradável sobre as variações de um mesmo conto com os mesmo elementos mas ajustados e posicionados de formas diferentes dentro de uma história . É como passar a borracha para mudar algo de lugar. O cinema sempre interessante de Sang-so!

  • Técnica: 8.5 Arte: 8.0 Ciência: 8.0 Nota: 8.16

  • Sobre as possibilidades de criação, interpretação e fabulação que fazem do Cinema essa arte tão cheia de vida e potência.

  • Sang-soo Hong demonstra humor e criatividade ao criticar o processo de composição que domina o cinema atual e fabrica diversos filmes iguais em seu núcleo, com apenas poucas diferenças. Com isso, o longa ganha um leve e interessante ar metalinguístico.

  • Mais uma narrativa impressionante de Hong Sang-Soo que brinca de desmontar, misturar e montar novamente personagens e situações. Aposta demais na piada do idioma que de hilária vai ficando repetitiva e Huppert parece constragida em alguns momentos.

  • Mais um filme belo e onírico de Sang-soo, em que se estuda como diferentes posições sociais geram diferentes formas de as pessoas se relacionarem e exercerem controle umas sobre as outras.

  • Falta uma moral pra história, mas as variações do roteiro são interessantes. E só.

  • Despretensioso em sua primeira impressão, revela-se uma interessante vitrine sobre as conexões e desconexões do viver.

  • Com sua geometria analítica, Sang-soo depura a lógica que parece subjazer às relações humanas, brincando de traçar linhas descontínuas e, ao mesmo tempo, contíguas, sobre a deriva dos sentimentos.

  • Aqui, o "zoom" de Sang-Soo funciona de uma maneira mais eficiente, ajustando os planos nas nuances dos personagens. Há belíssimos tons de cores claras na fotografia, que quase dá para sentir o frio na praia. Só faltou a conclusão da última história.

Comentários (0)

Faça login para comentar.