Saltar para o conteúdo
7,7
Cineplayers
9 votos
7,3
Usuários
251 votos
?
Sua nota
Direção
Jerome Robbins, Robert Wise
Roteiro:
Jerome Robbins, Arthur Laurents, Ernest Lehman
Gênero:
Romance, Drama, Musical
Origem:
Estados Unidos
Duração:
151 minutos
Prêmios:
19° Globo de Ouro - 1962, 34° Oscar - 1962

Filmes Relacionados

O filme retrata, de maneira musical, uma acirrada briga entre gangues de Nova York. Os americanos, conhecidos como Jets, são os donos do lugar por muito tempo, e sentem a necessidade de proteger o 'seu' território quando uma gangue de porta-riquenhos, os Sharks, tentam tomá-la. Em meio a essa guerra, Tony, um ex Jet, e Maria, irmã do líder Shark, se apaixonam, em uma leitura diferente da obra de "Romeu e Julieta", de Shakespeare. Vencedor de 10 Oscar, incluindo Melhor Filme e Direção.

Elenco

Simon Oakland
Schrank
Tony Mordente
Ação
William Bramley
Krupke
Ned Glass
Doc
George Chakiris
Bernardo
Rita Moreno
Anita
Russ Tamblyn
Riff
Richard Beymer
Tony
Natalie Wood
Maria
David Winters
A-rab

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Uma mistura de "Cantando na Chuva" com "Bad" do Michael Jackson. Uma experiência! Uma experiencia visual. Uma experiencia corporal.

  • Um espetáculo em celebração da paixão e da arte, num mundaréu de músicas excelentes, emoções estourando, danças contagiantes, com um final abrupto, mas que mostra como o ódio acaba com vidas, enquanto o amor dá sentido para elas, um real pedaço de cinema.

  • Tudo é motivo para uma coreografia ou um diálogo cantado com letras cafonas. Deve ter funcionado com a plateia de sua época.

  • Tenta tratar do preconceito contra imigrantes latino-americanos nos EUA, mas o faz de forma estabanada, a começar pela própria caracterização estereotipada dos latinos: todos de fenótipo indígena e de roupas sujas. O final é de um simplismo tacanho.

  • Tem números principalmente aquela da América e outros que falam da juventude, um lindo figurino simples mas colorido a única coisa que incomoda e maneira que as gangues são mostradas como pode os caras cantarem e dançarem enquanto se rivalizam?

  • Supervalorizado. Roteiro mal trabalhado, atores protagonistas que deixam a desejar e uma longevidade infinita. Enfim, hoje se vê que não é lá essas coisas, mas sua trilha sonora e atores coadjuvantes além da importância no oscar, deixam o marcado...

  • Romeu e Julieta da delinquência juvenil, dos muros que separam o país da liberdade e das cores e exageros da para sempre adorável velha Hollywood.

  • Romeu e Julieta cheio das piruetas e irritantemente água com açúcar. Uma das provas mais nítidas de que nem tudo imortalizado pela Hollywood clássica é merecedor de sua aclamação.

  • Retirando o romance mela cueca que move a trama, o resto é realmente sublime(trocadalho do carilho) com músicas de outro mundo. A brutalidade escorrendo entre simplicidade e a magia dos musicais da Era de Ouro.

  • Os musicais são bons, belas coreografias, bem interpretados, empolgantes no geral! Mas o romance é tão brega, que chega a dar dor de barriga, além de apressado demais, no fim é um claro exemplo de obra valorizada em excesso!

Comentários (0)

Faça login para comentar.