Saltar para o conteúdo
8,8
Cineplayers
3 votos
8,1
Usuários
15 votos
?
Sua nota
Direção
Giuseppe De Santis
Roteiro:
Giuseppe De Santis (roteiro e argumento), Mario Monicelli (roteiro - não creditado), Corrado Alvaro (roteiro), Carlo Lizzani (roteiro e argumento), Franco Monicelli (diálogos - não creditado), Carlo Musso (roteiro), Ivo Perilli (roteiro), Gianni Puccini (roteiro e argumento)
Gênero:
Drama
Origem:
Itália
Duração:
108 minutos
Prêmios:
3° Festival de Cannes - 1949, 23° Oscar - 1951

No Vale do Rio Pó, mulheres bóias-frias são contratadas para trabalharem na colheita de arroz. Elas trabalham em condições precárias com as pernas de fora. Uma delas, a camponesa Silvana, se envolve com um vigarista, Walter, que já tem uma amante, Francesca.

Elenco

Vittorio Gassman
Walter
Silvana Mangano
Silvana
Raf Vallone
Marco
Doris Dowling
Francesca
Checco Rissone
Aristide
Nico Pepe
Beppe
Maria Grazia Francia
Gabriella
Adriana Sivieri
Celeste
Lia Corelli
Amelia
Dedi Ristori
Anna
Anna Maestri
Irene
Mariemma Bardi
Gianna
Maria Capuzzo
Giulia
Isabella Zennaro
Rosa
Carlo Mazzarella
Gianetto

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • O típico Neorrealismo Italiano, com um leve toque dos clássicos noir da época. Aqui, o destino é o juíz e o torturador, esmagando todos os erros do passado e buscando justiça de forma implacável. Filmaço!

  • É uma obra chocante pela volúpia física da sedução. Trouxe ao cinema um erotismo incomum para a época (1949), bem filmado, porém sem matizes. Drama-denúncia de mulheres plantadoras de arroz, pano de fundo para a beleza estonteante de Silvana Mangano.

  • Dramalhão épico sedutor e simpático com alguns excessos que poderiam ser cortados. No fim a presença dos bandidos (pelo carisma do Gassmann e pelo físico da Magnano) e a tortuosidade da trama é o que vale.

  • Dificilmente o colocaria como um filme neorrealista apesar de sua nítida crítica social que ao meu ver fica relevado à um segundo plano onde o que importa mesmo é o cinema de crime/noir numa mescla voraz com a sensualidade "pecaminosa" para a época.

  • Clássico do Neorrealismo Italiano é estranha mistura de erotismo (atmosfera Noir) e denúncia social. Mas que funciona graças ao trabalho rebuscado de Giuseppe De Santis (a movimentação da câmera é um primor). Silvana Mangano é a própria sedução em pessoa.

  • 01/05/11 - Mais um grande clássico do Neo-realismo italiano, o filme mostra a exploração das mulheres que trabalham na colheita de arroz, além do envolvimento de uma ingênua jovem com um sedutor ladrão. Roteiro inteligente e uma bela fotografia.

Comentários (0)

Faça login para comentar.