Saltar para o conteúdo
6,1
Cineplayers
8 votos
6,4
Usuários
124 votos
?
Sua nota
Direção
Anna Boden, Ryan Fleck
Roteiro:
Anna Boden (roteiro), Ryan Fleck (roteiro), Gene Colan (quadrinhos), Liz Flahive (roteiro), Meg LeFauve (roteiro), Carly Mensch (roteiro), Nicole Perlman (roteiro), Geneva Robertson-Dworet (roteiro), Roy Thomas (quadrinhos)
Gênero:
Ficção Científica, Aventura, Ação
Origem:
Estados Unidos
Estreia:
06/03/2019

Filmes Relacionados

Carol Danvers se torna uma das heróis mais poderosas do universo quando a Terra se mete no meio de uma guerra galáctica entre duas raças alienígenas.

Elenco

Brie Larson
Carol Danvers / Captã Marvel
Lee Pace
Ronan
Samuel L. Jackson
Nick Fury
Jude Law
Walter Lawson / Mar-Vell
Gemma Chan
Minn-Erva
Clark Gregg
Coulson
Djimon Hounsou
Korath
Colin Ford
Steve Danvers
Kenneth Mitchell
Joseph Danvers
Ben Mendelsohn
Mckenna Grace
Robert Kazinsky
Rune Temte
Lashana Lynch
Algenis Perez Soto
Connor Ryan
Livanson
Annette Bening

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Visualmente pobre e brega, além de um roteiro preguiçoso que somente arranha a questão do empoderamento feminino em filmes de herói. Brie Larson demora para encontrar o tom para a personagem, mas depois demonstra carisma. Bobinho e esquecível.

  • Sempre tive problemas com filmes de heróis porque a estrutura se repete muito, sobrando uma pirotecnia de CGs que não me atrai tanto em cenas de ação. Mas Capitã Marvel, apesar das falhas estruturais como cinema, traz uma excelente personagem para o MCU.

  • Este é um filme-muleta que constantemente derrapa nas escolhas do roteiro. Sem força e carente de bons momentos, só consegue mesmo apresentar uma nova - e muito boa - personagem dentro do universo da MCU.

  • Consegue conciliar com naturalidade uma jornada de autodescoberta com uma reviravolta política. Uma pena que não tenha conflito exterior desafiador ou antagonista à altura, além da típica construção visual criada e encenada de maneira preguiçosa.

  • A estrutura não-linear torna o 1o ato bastante problemático, uma vez que o filme demora a construir identificação com a personagem. Mas a obra cresce depois, acertando o ritmo e divertindo, apesar de trazer deslizes típicos dos filmes da Marvel.

  • Vale pela apresentação da personagem... vamos ver

  • Um filme Marvel sem a ambição de algum dos últimos lançamentos. Não possui nenhum grande impacto, tanto pro bem quanto pro mal. Apenas uma introdução de personagem ao universo.

  • O plot twist (inédito no MCU) compensa as fracas sequências de ação (que são essenciais num filme do gênero). Brie vai se mostrando confortável no papel ao mesmo tempo em que sua personagem vai também se encontrando na trama.

  • O passado de Danvers é apressado, o que ofusca um pouco o carisma de Larson, e o subtexto dos Kree/Skrulls soa mais interessante do que toda a apresentação de uma heroína essencial. Em homenagem aos anos 90, também contribui muito com a Sessão da Tarde.

  • Mais uma vez a Marvel dá uma lição de como fazer um filme de herois. Não foge do previsível, contando com um plot twist bem colocado. Fora disso, serve p acrescentar material p Os Vingadores. No fim é muito bom

  • Infelizmente com seu primeiro filme com um protagonista Feminino, a Marvel pesa a mão feio demais! partindo para uma canastrice sem limites! sendo que é um filme de origem de uma personagem Fabulosa! Capitã Marvel, Larson limitada e Jackson rouba a Cena

  • Fórmula Marvel de sempre, com a diferença que o personagem principal é feminino. E isso, querendo ou não, faz... diferença. Não nos lucros (objetivo final sempre), mas na questão da representatividade. Isso não é pouco.

  • Ficou bom ao introduzir a boa Capitã Marvel aos Vingadores, e gostei também das referências aos anos 90.

  • Eis um dos filmes de origem Marvel mais malhados pela crítica. Talvez eu tenha sido a exceção em enxergar uma energética obra que concilia ação, bons personagens e temas como diplomacia, intolerância e representatividade de maneira coesa e engajante.

  • É o que o MCU faz de melhor: Construção bacana de personagens? Não dessa vez. Passar um filtro cinza, esteticamente horrível, em 70% dos seus filmes? Sim, mas sobretudo lançar banalidades, feito essa. E alguém avisa a Brie Larson que ela não é pop? Valeu.

Comentários (0)

Faça login para comentar.