Saltar para o conteúdo
7,3
Cineplayers
9 votos
8,0
Usuários
184 votos
?
Sua nota
Direção
John Ford
Roteiro:
Philip Dunne, Richard Llewellyn (romance)
Gênero:
Drama, Romance
Origem:
Estados Unidos
Duração:
118 minutos
Prêmios:
14° Oscar - 1942

Baseado no famoso romance de Richard Llewellyn, o filme conta a história da família Morgan em um pequeno vale de mineradores de carvão, e como o pai deles quer que seus filhos tenham uma vida melhor com menos exploração do trabalho. Vencedor do Oscar de Melhor Filme.

Elenco

Walter Pidgeon
Sr. Gruffydd
Maureen O'Hara
Angharad Morgan
Anna Lee
Bronwyn
Donald Crisp
Sr. Gwillym Morgan
Roddy McDowall
Huw Morgan
John Loder
Ianto
Sara Allgood
Sra. Beth Morgan
Barry Fitzgerald
Cyfartha
Patric Knowles
Ivor
Arthur Shields
Sr. Parry
Rhys Williams
Dai Bando
Louis Jean Heydt
Mineiro
Irving Pichel
Huw Morgan - adulto (voz)
Lionel Pape
Evans
Ethel Griffies
Sra. Nicholas
Eve March
Meillyn Lewis

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Uma apologia à idiotice. Através da ótica da nostalgia é um bom filme, porém mesmo assim é fraco, datado e segue sendo assim um dos maiores erros da história do Oscar.

  • Um forte exemplar da ideologia católica e concepção de família das raízes tradicionais de John Ford. Puro cinema clássico americano com uma bela direção. Chamam a atenção as atuações de Sara Allgood e Roddy McDowall, como a matriarca e o garoto.

  • Um drama meio banal, conservador como a época, piegas em muitos momentos, tudo isso é verdade! Poderia dizer que é um mal filme? Poderia, se não fosse a excelente direção de Ford, o belo clima de nostalgia, a fotografia, no fim é difícil não gostar!

  • Um dos preferidos de ganhadores de melhor filme, senão o mais preferido. Apesar da sutileza e na simplicidade com que muitos críticos se referem ao filme, seu status de clássico é aplicável, irreferível e incalculável.

  • Técnica: 9.0 Arte: 8.0 Ciência: 8.0 Nota: 8.33

  • Piegas e envelhecido, com trilha sonora irritante (e ininterrupta). Mas John Ford é John Ford, como sempre constroi imagens de encher os olhos. Team Cidadão Kane!

  • Para mim, essa obra ainda continuará sendo "o filme que roubou o Oscar de Cidadão Kane". Excetuando-se a atuação de McDowall e poucos momentos interessantes, todo o filme é uma chatice. Não vi propósitos na estória, tudo é muito frágil e cansativo.

  • Obra-prima multi-dimensional, multi-temática, multi-tudo, regidas com maestria dentro de fotografia impecável. Cinema político e moral sintonizado com passagens sentimentalistas e um quê de melodrama, sem se perder, coisa pouco conseguida. J.F. é o cara.

  • O vale verde que vai se acinzentando com o passar dos tempos, passando pelas situações mais trágicas, triste vida. Agora, não tem como ficar sem o status de filme vilão, só mostra o quanto a Academia é conservadora e medrosa.

  • Lança um olhar terno sobre uma família como tantas de seu tempo e não deixa de exercer a crítica sobre a hipocrisia e outras mazelas humanas.

Comentários (0)

Faça login para comentar.