Saltar para o conteúdo
7,8
Cineplayers
10 votos
8,1
Usuários
159 votos
?
Sua nota
Direção
Bob Persichetti, Peter Ramsey, Rodney Rothman
Roteiro:
Brian Michael Bendis, Steve Ditko (história e personagens originais), Stan Lee (história e personagens originais), Phil Lord (escrito por), Sara Pichelli
Gênero:
Ação, Animação, Ficção Científica
Origem:
Estados Unidos
Estreia:
10/01/2019
Prêmios:
76° Globo de Ouro - 2019, 91° Oscar - 2019

Filmes Relacionados

O Homem-Aranha atravessa dimensões paralelas e se une aos Homens-Aranha dessas dimensões para impedir uma ameaça a toda a realidade.

Elenco

Liev Schreiber
Rei do Crime (voz)
Mahershala Ali
Aaron Davis (voz)
Shameik Moore
Miles Morales / Homem-Aranha (voz)
Brian Tyree Henry
Jefferson Davis (voz)
Nicolas Cage
Homem-Aranha Noir (voz)
Hailee Steinfeld
Gwen Stacy (voz)
Jake Johnson
Peter Parker / Homem-Aranha (voz)
John Mulaney
Homem-Aranha (voz)
Lily Tomlin
Tia May (voz)
Luna Lauren Velez
Rio Morales (voz)
Kimiko Glenn
Peni Parker (voz)
Nick Jaine
Professor de matemática (voz)
Muneeb Rehman
Professor de literatura (voz)
Melanie Haynes
Professora de lógica (voz)

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Um caldeirão de estilos visuais que não formam necessariamente algo agradável e se assistir e, narrativamente, não chega a lugar nenhum e não é tão ousado quanto imagina ser.

  • Por um lado, Miles Morales é como um personagem de Spike Lee. Por outro, o conceito complexo de multiverso é radicalizado por uma animação moderna e ambiciosa, no traço e na trama, cheia de energia, cores, bom humor e toda sorte de referências.

  • Ousa ao apostar na transposição do visual das HQ's para a telona, resultando numa animação visual e artisticamente muito bonita. Justa e perspicaz homenagem ao personagem que certamente deixará Stan Lee muito feliz na dimensão paralela na qual se encontra

  • O Scott Pilgrim do gênero super-herói. Uma metaficção baseada em pura cacofonia pop. Produto tão ousado no cinema mainstream que, ainda que imperfeito, merece pontos só por apostar tanto.

  • Enérgico e espirituoso, conta mais uma origem para o herói de forma bem humorada, abraçando o passado e criando um belo novo futuro através de uma história de universos paralelos. É divertido, bem animado, com uma arte fantástica e de ação convincente.

  • Apesar de alguns excessos, o filme não tem medo de arriscar, e o faz combinando humor, boas ideias e emoção na medida certa, enquanto a animação é um verdadeiro deleite para os olhos. Ousado, original e tecnicamente impecável. Um dos melhores do ano.

  • Uma montagem e ritmo alucinantes, com uma historia que embora no fundo seja batida é feita de uma forma tão engajante e com detalhes narrativos tão bem feitos que é impossível não entrar na vibe. Com talvez a melhor trilha do ano e um trabalho foda de tod

  • Uma das melhores animações que já vi, de explodir a mente tamanha riqueza de detalhes, cores, sons, vibrações e sensações, recheada de homenagens a todos os filmes anteriores, e claro, a velha mas sempre atual mensagem de encorajamento do aranha. Genial.

  • Traz um protagonista simpatizante, além de decompor vários recursos de forma criativa e eletrizante. O roteiro nos faz empolgar com a história, mesmo com algumas saídas fáceis. Divertido e empolgante

  • Spike Lee + Carl Sagan é a receita ideal usada no Spider-Verse, uma mistura de tudo com todos que deu muito certo. A mensagem final, de um trecho de Stan Lee, é de molhar os olhos e aquecer o coração.

  • Ousa ao apostar na transposição do visual das HQ's para a telona, resultando numa animação visual e artisticamente muito bonita. Justa e perspicaz homenagem ao personagem que certamente deixará Stan Lee muito feliz na dimensão paralela na qual se encontra

  • O roteiro não se diferencia muito de outras fórmulas de filmes de super-heróis, chegando a soar desconexo. Mas o filme encontra a sua autenticidade na explosão de delírios visuais que, aliados a edição dinâmica, criam um ritmo agitado.

  • O que Raimi fez em live-action, os responsáveis por este Spider-Verse fizeram aqui em animação, se aproveitando de suas possibilidades ainda maiores - uma salada hipercolorida de referências pop que captura a verve dos quadrinhos de forma alucinante.

  • O que mais me impressionou foi esta estética muito próxima e particular do mundo dos HQ's que sem dúvida deve extasiar aos fãs mais fervorosos. Nessa onda ridícula e infantil de filmecos de super-heróis até se sai bem, de longe o melhor dos aranhas.

  • O enredo é interessante e o roteiro, no geral, é competente, embora revele poucas camadas - mesmo que superficiais - dos personagens e da cidade, a qual é um mero pano de fundo sem vida. O pior mesmo fica por conta da linguagem visual de HQ. Não gosto.

  • Nem nos dias mais doidos da minha vida eu tiraria um roteiro assim das mangas. O filme subverte conceitos do mercado de animações, agrada adultos e crianças, tem uma cota minima de esteriótipos e tudo isso contando a mesma história. Uma salva de palmas.

Comentários (0)

Faça login para comentar.