Saltar para o conteúdo
7,1
Cineplayers
14 votos
7,7
Usuários
391 votos
?
Sua nota
Direção
Damien Chazelle
Roteiro:
Damien Chazelle
Gênero:
Romance, Musical, Drama, Comédia
Origem:
Estados Unidos
Estreia:
19/01/2017
Duração:
127 minutos
Prêmios:
74° Globo de Ouro - 2017, 89° Oscar - 2017

Ao chegar em Los Angeles, o pianista de jazz Sebastian conhece a atriz iniciante Mia e os dois se apaixonam perdidamente. Em busca de oportunidades para suas carreiras na competitiva cidade, os jovens tentam fazer o relacionamento amoroso dar certo.

Elenco

Emma Stone
Mia Dolan
Ryan Gosling
Sebastian Wilder
J.K. Simmons
Bill
John Legend
Keith
Rosemarie DeWitt
Laura Wilder
Finn Wittrock
Greg Earnest
Tom Everett Scott
David
Callie Hernandez
Tracy
Sonoya Mizuno
Caitlin
Jessica Rothe
Alexis
Jason Fuchs
Carlo
Terry Walters
Linda, gerente do café
Miles Anderson
Alistair, fotógrafo
Claudine Claudio
Karen, garçonete
Josh Pence
Josh
Valarie Rae Miller
Amy Brandt
Meagen Fay
Mãe de Mia
Damon Gupton
Harry
Zoë Hall
Chelsea
Ana Flavia Gavlak
Jovem atriz

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Uma declaração de amor ao cinema (através dos musicais) e à música (através do jazz), repleta de referências e momentos de pura magia. O sentimento, o visual e a excelente química entre Gosling e Stone compensam o roteiro apenas correto. Encantador.

  • Se não é o grande filme que apontaram (e nem que ser), Chazelle encanta com seu discurso sobre os sonhadores e a ode ao classicismo do cinema e da música. Emma Stone, enfim, conseguiu ser atriz, e o desfecho doloroso emociona.

  • Que bagunça. O marketeiro que inventou Chazelle como cinéfilo de aspirações nouvellevaguianas deveria ser preso - aplicação das cores remete tanto a Demy quanto os Teletubbies que ilustram memes do filme. As ideias de arte/sonhos do diretor são péssimas.

  • Passada a reação passional típica do deslumbramento cinefílico, resta um ''musical'' sem química (Gosling está ruim e chato), um anacronismo intencional que não sustenta a própria homenagem no presente, e uma trama boba e mal desenvolvida. Stone é só ok.

  • Não há um conflito dramático que impulsione a história, as coreografias são fracas, e o casal central é desequilibrado (Stone > Gosling): a força de "La La Land" vem da música e não da câmera. É gostoso de ver, mas não se iguala à fonte em que se inspira.

  • Fiquei dias pensando no filme antes de conseguir dar uma nota, seja porque, como musical, ele tem apenas alguns momentos inspirados, e como história de amor seja raso e ingênuo demais. Mas aquele final, destruidor, mostra que o filme funciona.

  • Entre referências vazias, números musicais mal coreografados e Ryan Gosling sendo uma figura canastrona, existem momentos ao longo de La La Land que salvam o filme, especialmente seu final, que revela uma entrega surpreendente.

  • Encantador! Tecnicamente primoroso, músicas marcantes, Stone e Gosling muito bem entrosados e uma significativa e pontual reviravolta final que enriquece a narrativa. Uma bela homenagem ao jazz e um alento ao gênero musical.

  • Como apaixonado por musicais que sou, La La Land peca ao não apresentar nada realmente empolgante e uma história viciosa. Moulin Rouge e Dançando no Escuro continuam tranquilamente como os melhores do gênero deste novo milênio.

Comentários (0)

Faça login para comentar.