Saltar para o conteúdo
Drama Suspense

Millennium: A Garota na Teia de Aranha

(Girl in the Spider's Web, The, 2018)
6,3
Cineplayers
3 votos
6,6
Usuários
28 votos
?
Sua nota
Direção
Fede Alvarez
Roteiro:
Fede Alvarez, Jay Basu, Steven Knight, Stieg Larsson (personagens originais), David Lagercrantz (livro)
Gênero:
Drama, Suspense
Origem:
Estados Unidos, Alemanha, Reino Unido, Canadá, Suécia
Estreia:
08/11/2018
Duração:
117 minutos

Filmes Relacionados

A hacker Lisbeth Salander e o jornalista Mikael Blomkvist se envolvem numa rede de espionagem, corrupção e ciberterrorismo.

Elenco

Claire Foy
Lisbeth Salander
Sverrir Gudnason
Mikael Blomkvist
Cameron Britton
Plague
Sylvia Hoeks
Camilla Salander
Claes Bang
Lakeith Stanfield
Edwin Needham
Stephen Merchant
Frans Balder
Vicky Krieps
Erika Berger
Synnøve Macody Lund
Christopher Convery
August Balder
Andreja Pejic
Maria

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Filme denso, pesado, ainda que pouco inferior ao primeiro. Gosto bastante dessa série, de um gênero - policial investigativo - que está um pouco esquecido do grande público e carecendo de produções realmente grandes e que tenham um pouco de ambição.

  • A trilogia original tinha força narrativa e, principalmente, uma boa história que fechou com um arco melhor do que a média do gênero. Mas "Millennium" não é 007 (ainda bem?), e não pode se sustentar com novas histórias genéricas (pelo menos aqui).

  • esvazia-se a trama e usa-se a roupagem da história original para fazer uma side history de Lisbeth, rebaixando todos os demais personagens a coadjuvantes, alguns inúteis. entrega ação competente, mas sem densidade

  • É inofensivo perto da obra de Fincher, o mesmo para a Lisbeth de Claire frente a de Rooney Mara, e por vezes se esquece se tratar de um filme da série Millennium. Porém ainda é um bom filme do estilo suspense investigação. Esperava bem menos.

  • Apesar da competente direção de Alvarez, o grande erro aqui é apresentar Salander como uma Lara Croft do hacker, deixando de lado a dinâmica e importância de Blomkvist na história, principalmente por ter comido dois remakes. Não é ruim, mas...

  • Alvarez mantém com muito esforço o ritmo no que poderia ser um tour de force vigoroso, principalmente em seu terceiro ato, lidando com o suspense como Michael Bay lida com carros. Fincher fez melhor, mas 'Teia de Aranha' não ofende ninguém.

  • A opção por retratar Lizbeth como uma super heroína não combina com o tom supostamente verossímil da série. O plot de dimensões globais generaliza o filme, mas é o que se tem, com erros e acertos.Foy convence como pode, e a direção é boa, mas convencional

Comentários (0)

Faça login para comentar.