Saltar para o conteúdo
7,5
Cineplayers
14 votos
8,0
Usuários
338 votos
?
Sua nota
Direção
Alexander Payne
Roteiro:
Bob Nelson
Gênero:
Drama
Origem:
Estados Unidos
Estreia:
14/02/2014
Duração:
115 minutos
Prêmios:
71° Globo de Ouro - 2014, 66° Festival de Cannes - 2013, 86° Oscar - 2014

Um pai alcoólatra (Bruce Dern), pensa ter herdado uma fortuna e, acompanhado por seu filho fracassado (Will Forte), parte para sua cidade natal para receber o dinheiro.

Elenco

Bruce Dern
Woody Grant
Will Forte
David Grant
Bob Odenkirk
Ross Grant
Stacy Keach
Ed Pegram
Devin Ratray
Cole
Rance Howard
Tio Ray
Missy Doty
Noel
June Squibb
Kate Grant
Angela McEwan
Peg Nagy
Mary Louise Wilson
Tia Martha
Tim Driscoll
Bart
Kevin Kunkel
Primo Randy

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Payne entrega um belo filme sobre velhice e sobre família (do ponto de vista negativo/realista). A escolha do preto-e-branco, estética, é bem-vinda, mas gostaria de ter visto aquelas paisagens maravilhosas a plenas cores.

  • Payne cria um retrato sobre a crise econômica americana atual, em uma combinação de humor e melancolia que funciona bem na maior parte do tempo. Pena que resvale na caricatura em alguns momentos, jamais chegando a ser tudo o que prometia.

  • Payne chega no auge da carreira com um filme sobre o outono. O fim do outono. Um olhar de despedida sobre o que a vida fez com a gente, e o que fizemos com a nossa vida. Elenco sobrenatural, um dos grandes de 2013.

  • Payne aproveita o road movie de "Lua de Papel" e a melancolia de "A Última Sessão de Cinema", e faz um filme assumidamente bogdanovichiano, um retrato atual, humano e desolador do interiorzão da América. Dern, Forte e Squibb em grandes momentos.

  • Os personagens são cheios de nuances e a abordagem sobre cada um deles é bem tênue, mas na hora da verdade Payne arrisca um preto no branco, em mais de um sentido, e faz um filme maduro e belo, de elenco monstruoso, sem que suas opções soem pretensiosas.

  • No hall do cinema alguém mencionou os comerciais da Master Card pra definir o filme e até então não encontrei nada melhor que pudesse ser dito sobre ele.

  • Não é tão intenso quanto poderia ser, mas não deixa de ser uma bela jornada de pai e filho.

  • Gosto de como Payne estiliza a misantropia de seu protagonista. É levemente crítico e tende ao apelo social como urgência em contestar valores. Bom de se acompanhar, pena que sofra para empolgar. A fotografia reina.

  • Vidas estagnadas, planos imóveis e ilusões compartilhadas dão o tom de marasmo e desilusão ao filme de Payne, numa obra não sobre a jornada, mas o sentido dela e de todas as pessoas, as memórias e o material, um desabafo sobre expectativas e realidade.

  • Vazio como o tema tratado (a triste e solitária velhice, com suas lembranças), o roteiro é cansativo, e o filme só tem êxito graças às atuações convincentes (Dern ótimo, Forte e Squibb eficientes coadjuvantes), bem como à direção sensível de Payne.

  • Uma releitura do passado, as consequências que trouxe ao presente e o conformismo para carregar o futuro adiante.

  • Uma bela jornada de pai e filho, que nos mostra a desolação do interior dos EUA. Atuações fantásticas: Dern, Squibb e Forte entre os melhores trios dos últimos 20 anos. Uma mistura de humor e melancolia que vai te fazer compreender melhor seu velho.

  • Um surpreendente bom filme, fotografia em branco e preto notável, roteiro e direção, impecáveis e as atuações de BRUCE DERN, WILL FORTE e JUNE SQUIBB, soberbas. IMPERDIVEL.

  • Um filme tocante em todos os aspectos. Afinal de contas são raros os filmes que nos mostram um idoso com demência que acredita ter ganho em uma espécie de loteria. Bruce Dern está ótimo mas convenhamos que June Squibb rouba a cena.

  • Um equilíbrio dfiícil de se conseguir entre drama e comédia que Payne dirige com uma sutileza incomum. Como o roteiro não é seu, é a primeira vez que vemos um filme dele mais certeiro, menos insinuado. E Dern realmente encara muito bem um papel difícil.

  • Tem um roteiro bem original, e ótimas atuações. Mas no geral o filme é bem cansativo. Destaque para o visual em preto e branco!

  • Técnica: 9.5 Arte: 9.0 Ciência: 9.0 Nota: 9.16

  • Só não dei nota 10 porque não entendi o motivo da escolha da fotografia em preto e branco

Comentários (0)

Faça login para comentar.