Saltar para o conteúdo
6,4
Cineplayers
11 votos
6,9
Usuários
381 votos
?
Sua nota
Direção
Lars von Trier
Roteiro:
Lars von Trier
Gênero:
Drama, Erótico
Origem:
Alemanha, França, Reino Unido, Bélgica, Dinamarca
Estreia:
10/01/2014
Duração:
118 minutos

Filmes Relacionados

Joe (Charlotte Gainsbourg) é uma mulher de 50 anos que decide contar a um homem mais velho (Stellan Skarsgard) sua história pessoal. Ela relata suas experiências ao longo de oito períodos da sua vida, marcados por diversos encontros e incidentes.

Elenco

Charlotte Gainsbourg
Joe
Stellan Skarsgård
Seligman
Stacy Martin
Joe jovem
Shia LaBeouf
Jerôme
Christian Slater
Pai de Joe
Uma Thurman
Sra. H
Sophie Kennedy Clark
B
Connie Nielsen
Mãe de Joe
Jesper Christensen
Tio de Jerôme
Jens Albinus
S
Nicolas Bro
F
Ananya Berg
Joe - 10 Anos
Hugo Speer
Sr. H
Cyron Melville
A
Christian Gade Bjerrum
G
Felicity Gilbert
Liz
Peter Gilbert Cotton
Médico
Saskia Reeves
Enfermeira
James Northcote
1º rapaz no trem
Anders Hove
Odin

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Obra incompleta à parte, o que se vê é um filme que não diz a que veio, se pra tratar de uma patologia com seriedade, de maneira sombria ou através de metáforas estapafúrdias. Grande Stacy Martin, que livra a experiência de ser mais chata e vazia.

  • Ninfomaníaca é estranhamente menos orgânico do que a obra de Trier - soa mais gratuito e episódico - e até menos ousado do que se poderia esperar. Ainda assim, o diretor expõe como poucos verdades que muitos não teriam coragem de colocar na tela.

  • Mais convencional do que aparenta, Trier troca o grafismo, a polêmica, e a perversão, por muita teoria, filosofia, e transforma a discussão do conflito entre sexo x prazer x culpa numa espécie de filme-tese. Inconclusivo, mas ainda assim interessante.

  • É um filme pesado que certamente não funciona sozinho (e nem foi pensado como tal), mas até aqui soou gratuito, raso demais no tema principal (e complexo em devaneios) e com Uma Thurman roubando a cena. Até o sexo, que é o real foco, é decepcionante.

  • Bastante irregular, flertando com o pretensiosismo nas chatíssimas digressões metafóricas de Seligman, mas ainda assim ousado e filmado com habilidade por Von Trier. Parece uma obra incompleta, que necessita do segundo volume.

  • A divisão certamente prejudicou o aproveitamento desta primeira parte da suposta obra ousada de Von Trier, que de ousadia tem pouco, e que se ainda levanta questões pertinentes sobre a sociedade, não se esclarece e deixa suas ideias soltas.

Comentários (0)

Faça login para comentar.