Saltar para o conteúdo
7,3
Usuários
26 votos
?
Sua nota
Direção
Sang-soo Hong
Roteiro:
Sang-soo Hong
Gênero:
Drama, Romance
Origem:
Coréia do Sul
Estreia:
12/04/2018
Duração:
92 minutos
Prêmios:
70° Festival de Cannes - 2017

Bongwan, um homem casado, sai de casa ainda no escuro da madrugada para ir trabalhar. As memórias do passado vão se misturar com a realidade do trabalho naquele dia.

Elenco

Yunhee Cho
Song Haejoo
Min-hee Kim
Song Areum
Sae-byeok Kim
Lee Changsook
Hae-hyo Kwon
Kim Bongwan
Ki Joabang

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Um tanto familiar, é verdade, mas o olhar que Sang-soo lança sobre pessoas e relacionamentos fraturados, à deriva, é sempre minucioso e preciso. Aqui, há ainda um quê de existencialismo que engrandece a obra.

  • Sabe aquele sentimento de passar um por determinado lugar e lembrar de toda uma história que ocorreu ali e que de alguma forma te marcou? Pois é isso que Sang-Soo faz, quatro pessoas e muitos sentimentos, amores e rancores.

  • Meio desconexo, se tornando desequilibrado, mas acerta mais do que erra; os diálogos transitando entre o existencialismo e os relacionamentos não apenas contribuem para o clima frio do filme, mas dão vida ao mesmo e seus personagens. Destaque para Hong.

  • Filma com a leveza do vento o interior de seus manequins, e num efeito ainda mais difícil e ambicionado por 11 em cada 10 cineastas, chega a conectar o interior dos lugares, com o âmago exposto de suas personas cotidianas. Para Song, câmera é binóculo.

  • Fazer três fllmes em tão curto espaço do tempo invariavelmente resultaria em um certo desnível entre eles. Aqui, nem a construção de personagem nem os diálogos funcionam tão bem como é o padrão de Sang-Soo - mesmo que o tom irônico seja bem-vindo.

  • É quase um arrastão pelos conflitos de um triangulo (ou quadrado) amoroso. Achei o melhor dessa leva inspirada na experiencia real do diretor.

  • De como as relações amorosas se complicam ainda mais quando você não tem coragem para tomar decisões.

  • "Fora de forma" é uma expressão que ainda não serviu para Sang-soo, artista da palavra e do silêncio que brinda (nos dois sentidos) à vida e aos seus movimentos tantas vezes inconstantes.

Comentários (0)

Faça login para comentar.