Saltar para o conteúdo
8,4
Cineplayers
12 votos
8,5
Usuários
749 votos
?
Sua nota
Direção
Juan José Campanella
Roteiro:
Juan José Campanella (roteiro), Eduardo Sacheri (romance e roteiro)
Gênero:
Drama, Policial, Suspense, Romance
Origem:
Espanha, Argentina
Estreia:
26/02/2010
Duração:
125 minutos
Prêmios:
82° Oscar - 2010

Após trabalhar a vida toda num Tribunal Penal, Benjamín Espósito se aposenta. Seu tempo livre o permite realizar um sonho longamente postergado: escrever um romance baseado num acontecimento que vivera anos antes. Em 1974, foi encarregado de investigar um violento assassinato. A Argentina entrava num ciclo de extrema violência política e a investigação colocou em risco sua vida. Ao escavar velhos traumas, Benjamín confronta o intenso romance que teve com sua antiga chefe, assim como decisões e equívocos passados. Com o tempo, as memórias terminam por transformar novamente sua vida.

Elenco

Ricardo Darín
Benjamín Espósito
Soledad Villamil
Irene Menéndez-Hastings
Guillermo Francella
Pablo Sandoval
Pablo Rago
Ricardo Morales
Javier Godino
Isidoro Gómez
Carla Quevedo
Liliana Coloto
José Luis Gioia
Inspetor Báez
Mario Alarcón
Juiz Fortuna Lacalle
Mariano Argento
Romano
Fernando Pardo
Sicora
Rudy Romano
Ordóñez
Gabriela Daniell
Alejandra Sandoval
David Di Napoli
Escrivão Andretta

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Tecnicamente esplendoroso e um dos melhores fechamentos em anos para qualquer romance, Campanella entrega uma obra-prima estupidamente inteligente que não se limita a apenas um gênero: é o cinema em sua completude e dificilmente decifrável.

  • Quando o que mais chama a atenção no filme é um determinado movimento de câmera - no caso, um espetacular plano-sequência no estádio de futebol - é sinal que alguma coisa deu errado. Como de praxe em Campanella, não é ruim, mas também não diz a que veio.

  • Não é o melhor filme de Campanella (a comicidade conflita com o tom sério da investigação, por exemplo), mas é acima da média e repleto de grandes momentos. Interpretações impecáveis, final interessantíssimo e o plano-sequência, desde já, antológico.

  • Funciona como um bom romance policial literário, e Campanella embala tudo com uma técnica afiadíssima. Peca por se perder em vários momentos, exagerar em tantos outros, e pelo desfecho que demora muito a se completar. Ainda assim, um grande filme.

  • As frases mais verdadeiras, em um filme quase todo perfeito, além de tecnicamente fantástico (a cena do estádio). Funciona em diferentes gêneros e sempre bem.

  • A poesia de ver Benjamín Esposito encontrar a letra 'A' que faltava em sua vida faz até o magnífico plano-sequência no estádio parecer brincadeira de criança.

Comentários (0)

Faça login para comentar.