Saltar para o conteúdo
7,7
Cineplayers
13 votos
8,1
Usuários
296 votos
?
Sua nota
Direção
Robert Mulligan
Roteiro:
Harper Lee (romance), Horton Foote (roteiro)
Gênero:
Drama, Policial
Origem:
Estados Unidos
Duração:
129 minutos
Prêmios:
16° Festival de Cannes - 1963, 35° Oscar - 1963, 20° Globo de Ouro - 1963

Advogado de pequena cidade do Sul dos Estados Unidos recebe a tarefa de defender um homem negro acusado de ter estuprado uma jovem branca.

Elenco

Gregory Peck
Atticus Finch
John Megna
Charles Baker 'Dill' Harris
Frank Overton
Xerife Heck Tate
Rosemary Murphy
Maudie Atkinson
Ruth White
Sra. Dubose
Brock Peters
Tom Robinson
Estelle Evans
Calpurnia
Paul Fix
Juiz Taylor
Collin Wilcox Paxton
Mayella Violet Ewell
James Anderson
Robert E. Lee 'Bob' Ewell
Alice Ghostley
Tia Stephanie Crawford
Robert Duvall
Arthur 'Boo' Radley
Mary Badham
Scout
Phillip Alford
Jem
Bill Walker
Reverendo Sykes
Jester Hairston
Spence Robinson
Paulene Myers
Jesse
Richard Hale
Nathan Radley
David Crawford
David Robinson
Dan White
Mafioso

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Uma obra ainda relevante, dado ao seu conteúdo ainda atual, como o preconceito e a ignorância da sociedade para com as minorias. Além de ser bem realizado, com uma fotografia magnífica, além de ótimas atuações e uma trilha sonora marcante. Recomendo.

  • Uma linda mensagem sobre tolerância, igualdade e justiça envolta em uma espessa camada de moralismo ianque ultrapassado.

  • Teve seu efeito na época e ainda pode ter hoje. A parte do julgamento eleva o filme mas não me dei muito bem com o discurso anti-racismo que o filme levanta de modo apelativo.

  • Tem 2 cenas um tanto desnecessárias,mas é um dos grandes. As crianças são ótimas e Gregory Peck sempre nos faz acreditar em seus personagens,sua aura de credibilidade,sua capacidade de construir mocinhos impressiona. A cena do tribunal é das melhores.

  • Tecnicamente muito bonito, fotografia impecável, bela trilha, Gregory Peck defende seus personagens sempre com grande elegância e competência. A cena do tribunal é o grande auge mas no geral todo o olhar das crianças para a situação me pareceu capenga.

  • Técnica: 9.5 Arte: 9.0 Ciência: 8.0 Nota: 8.83

  • Suas entrelinhas carregam mais mensagens do que se pode imaginar. Ainda vou maturar muito o que vi, o que parece insinuar com seus valores morais, o que ele quer realmente dizer do sistema, dos preconceitos que velamos. Que obra rica.

  • Singelo retrato de um homem que é modelo vivo de caráter íntegro. Produzido em uma época de rompante discriminação racial e social, esta obra corajosa prega a igualdade e o respeito, abordando interessantes questões jurídicas. Clássico essencial.

  • Redondinho, porém com algumas arestas soltas: a versão inverossímil do acusado, a falta de conexão entre a história de Boo Radley e a do estupro, e o final de moral dúbia.

  • Que filme lindo, construído de uma maneira infantil e delicada, a introdução é longa, o que dá um encanto especial, estupro e racismo, temas abomináveis numa versão light, nessa drama de tribunal, amei, top...

Comentários (0)

Faça login para comentar.