Saltar para o conteúdo
6,5
Cineplayers
12 votos
7,4
Usuários
482 votos
?
Sua nota
Direção
Tom Hooper
Roteiro:
William Nicholson (roteiro), Victor Hugo (romance), Alain Boublil (livreto), Herbert Kretzmer (canções)
Gênero:
Drama, Musical
Origem:
Reino Unido
Estreia:
01/02/2013
Duração:
157 minutos
Prêmios:
70° Globo de Ouro - 2013, 85° Oscar - 2013

Adaptação da obra de Victor Hugo, que narra a busca do implacável inspetor Javert (Russell Crowe), oficial da lei que precisa recapturar um fugitivo chamado Jean Valjean (Hugh Jackman), ladrão acusado de roubar comida para alimentar sua família e que, ao mudar de identidade para tentar escapar, passa a cuidar de uma fábrica que contrata Fantine (Anne Hathaway).

Elenco

Hugh Jackman
Jean Valjean
Russell Crowe
Inspetor Javert
Anne Hathaway
Fantine
Amanda Seyfried
Cosette
Helena Bonham Carter
Madame Thénardier
Sacha Baron Cohen
Monsieur Thenardier
Eddie Redmayne
Marius
Samantha Barks
Éponine
Aaron Tveit
Enjolras
Isabelle Allen
Cosette jovem
Colm Wilkinson
Bispo
Daniel Huttlestone
Gavroche
Patrick Godfrey
Gillenormand
Adrian Scarborough
Toothman
Richard Cordery
Duque de Raguse
Richard Dixon
Oficial da Prefeitura
Nicola Sloane
Compradora de cabelos
Sonya Cullingford
Intérprete em 'Lovely Ladies'
Josef Altin
Condenado puxando o navio
Charlotte Hope
Trabalhadora da fábrica

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Tom Hooper é um Jayme Monjardim com grife. Seu estilo marcadamente televisivo não se encaixa com o tratamento épico exigido pela história. Ainda assim, "Os Miseráveis", resiste e se impõe como espetáculo. O que Robert Wise faria com um material desses?

  • Se Tom Hopper carecia de marca e personalidade em 'Discurso do Rei', aqui suas limitações ficam mais evidentes diante do espetáculo agressivo e gritante (literalmente) do diretor, onde sua mão sem tato transforma o musical em uma experiência pesada.

  • Russell Crowe canta pra dentro e isso é bizarro de se ver, mas não é pior do que o romance final excessivamente forçado e que não cola mais. Mas o filme tem dois ou três momentos de muita força e várias canções que fazem a coisa toda valer a pena.

  • Poucos aspectos de produção aqui e ali, e alguns poucos atores bem colocados (como Jackman e Crowe) não salvam o diretor Tom Hooper de continuar provando que as apostas nele estão equivocadas. E o surto coletivo envolvendo a exagerada Anne Hathaway?

  • O diálogos cantados incomodam um pouco e é mais longo que o necessário, mas os demais momentos musicais funcionam de forma magistral, com belas músicas e interpretações. Até mesmo o estilo afetado de Hooper contribui com o tom de fantasia. Grandioso.

  • Faltou um acabamento melhor em algumas cenas para ser a obra-prima a qual se autointitula, com alguns momentos belíssimos e atuações irregulares.

Comentários (0)

Faça login para comentar.