Saltar para o conteúdo
7,0
Cineplayers
11 votos
7,4
Usuários
212 votos
?
Sua nota
Direção
Phil Lord, Christopher Miller
Roteiro:
Phil Lord (história e roteiro), Christopher Miller (história e roteiro), Kevin Hageman (história), Dan Hageman (história)
Gênero:
Ação, Animação, Comédia
Origem:
Estados Unidos, Austrália, Dinamarca
Estreia:
07/02/2014
Duração:
100 minutos
Prêmios:
72° Globo de Ouro - 2015, 87° Oscar - 2015

Filmes Relacionados

Emmet, um boneco comum, é confundido com o poderoso MasterBuilder.

Elenco

Chris Pratt
Emmet (voz)
Elizabeth Banks
Wyldstyle (voz)
Cobie Smulders
Mulher-Maravilha (voz)
Alison Brie
Uni-Kitty (voz)
Channing Tatum
Super-Homem (voz)
Jonah Hill
Lanterna Verde (voz)
Morgan Freeman
Vitruvius (voz)
Liam Neeson
Bad Cop (voz)
Nick Offerman
Craggy (voz)
Will Arnett
Batman (voz)
Will Forte
Abraham Lincoln (voz)
Will Ferrell
Presidente Business (voz)
Charlie Day
Spaceman Benny (voz)
Jadon Sand
Finn (voz)
Anthony Daniels
C-3PO (voz)
David Burrows
Robô Octan (voz)
Dave Franco
Wally (voz)
Todd Hansen
Gandalf (voz)
Jake Johnson
Barry (voz)
Christopher Miller
Apresentador (voz)

Lupas

Faça login para dar uma nota e uma lupa.

  • Termina melhor que começa, com a reviravolta final quase justificando a extrema previsibilidade do roteiro. O ritmo é segurado pelo humor físico trabalhado em primeiro e segundo plano.

  • Repleto de sacadas espirituosas, e até uma reviravolta no terceiro ato que dá um toque emocional, o filme supera o tom infantil para agradar até mesmo os adultos. Os excessos visuais cansam um pouco, mas é uma animação divertida e com boas ideias.

  • Lego é muito bonitinho, mas aparenta ser um conjunto de esquetes desconexas e quase aleatórias.

  • É extremamente nonsense, uma miscelânea maluca sendo narrada como se uma criança estivesse no comando. No fim, por picaretagem, mas também por certa ternura, tudo isso se justifica e finalmente LEGO diz a que veio. Capta bem parte da beleza da infância.

  • Demora para embarcarmos no artificialismo dos personagens e dos objetos de cena, e há um excesso de piadinhas "expertas". Mas na 2a metade, a auto-ironia divide espaço com um tom mais poético e reflexivo, e o filme engrena. Ainda assim, podia ser melhor.

  • Ao contrário da maioria, não me surpreendi de ter encontrado um bom filme, pois já acompanho a série de jogos que vem saindo para os videogames e já sabia da qualidade dos mesmos. Bom humor, uma surpresa realmente bacana no final e cheio de identidade.

Comentários (0)

Faça login para comentar.