Saltar para o conteúdo
Direção
Bernardo Bertolucci
Roteiro:
Alberto Moravia (romance), Bernardo Bertolucci (roteiro)
Gênero:
Drama, Suspense
Origem:
Alemanha, França, Itália
Estreia:
31/12/1969
Duração:
115 minutos
Prêmios:
29° Globo de Ouro - 1972, 44° Oscar - 1972

Lupas (17)

  • Não entendi o porquê de o gênero do filme não ser considerado comédia!

    Deyne | Em 05 de Dezembro de 2022 | NOTA: 9.5
  • Como filme, belíssimo, como adaptação fiasco pela falta de profundidade, filme maravilhoso e apaixonante, até ler a resenha sobre o livro, percebi a lástima, que traz uma abordagem bem mais intensa e sofrida de Marcello, o drama interior atormentando o, ao tentar ser normal, entretanto seu íntimo flerta com um homoafetivo, enamora-se do fascismo, dentro de se o bem lutando contra o mal, a satisfação de matar vs incessante busca do amor, situações antagônicas do paradoxo interno do protagonista..

    Rosana Botafogo | Em 13 de Julho de 2021 | NOTA: 7.5
  • Bertolucci dos bons, visualmente marcante e com bons personagens. Aqui a discussão moral e política faz sentido de fato, não são abstrações vazias como em outros dos seus.

    Adriano Augusto dos Santos | Em 26 de Abril de 2021 | NOTA: 8.0
  • Um belo exemplar de quando a fotografia e os movimentos de câmera são praticamente o filme.

    Mateus da Silva Frota | Em 06 de Outubro de 2019 | NOTA: 8.0
  • Lembra O Poderoso Chefão, trazendo uma bela síntese de violência com um charme e uma elegância deslumbrante, tudo isso ressaltado pela magnífica fotografia.

    César Barzine | Em 20 de Junho de 2019 | NOTA: 7.5
  • Bertolucci cria um suspense político de certa complexidade, onde o personagem principal é extremamente influenciável e inseguro com seus traumas do passado.

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 09 de Março de 2019 | NOTA: 7.5
  • O homem comum, sem convicções, levado ao fascismo por ser ordinário, indiferente, tolo (uma certa repressão sexual presente). Coberto pelo desejo de normalidade ele segue a manada, não assume sua culpa. Estará sempre pronto para um novo regime. Essencial!

    Zacha Andreas Lima | Em 10 de Outubro de 2018 | NOTA: 9.0
  • Caprichado, fotografia Storaro, trilha e tal. Um estudo sobre a alma do fascista, seu apego ao privilégio e sua "normalidade" fria e hipócrita. "Se o Estado não se modelar à imagem do indivíduo, como é q o indivíduo poderá se modelar à imagem do Estado?"

    Josiel Oliveira | Em 21 de Março de 2018 | NOTA: 9.0
  • Provavelmente uma das melhores fotografias da história, rendendo composições visuais, no mínimo, sensacionais e Bertolucci a engrandece ainda mais. É um filme cheio de camadas - e não é tão simples assim capturar todas -, o que o torna ainda melhor.

    Gabriel Frati | Em 31 de Julho de 2017 | NOTA: 8.5
  • 03/02/08 - Usando metáforas e imagens simbólicas, o diretor cria um clima psicológico de tensão. A fotografia de Vittorio Storaro é uma das mais belas do cinema,com o equilibrio das cores quentes e frias e a predominância do branco em algumas cenas.

    Eduardo Scutari | Em 24 de Maio de 2017 | NOTA: 8.5
  • Esteticamente é um primor, fotografia lindíssima e enquadramentos bem fora do comum. Influenciado por O Samurai, especialmente pela frieza dos personagens e um clima neo-noir extremamente silencioso. Todavia, seu roteiro e personagens não me arrebataram.

    Eliezer Lugarini | Em 05 de Maio de 2016 | NOTA: 6.5
  • Algumas insinuações do chocante Bertolucci (pedofilia, lesbianismo) podem até desviar o foco da real mensagem, de um filme que, se pararmos para refletir, é trsite pra cacete. Em tempos revolucionários, nada mais desprezível do que a inercia.

    Vinícius de Castro | Em 19 de Junho de 2013 | NOTA: 8.0
  • Ele queria ser um homem normal na sociedade mas isso já não era possível. Traumas de infâncias e incertezas quanto sua posição politica o fizeram assim. E no fim das contas ninguém mesmo é normal, são só as aparências.

    Caio Santos | Em 19 de Novembro de 2012 | NOTA: 8.0
  • Um Bertolucci prolixo e disperso. Contudo, traz seus instantes de lancinância a partir de certa altura e embriaga com uma fotografia quase iridescente.

    Patrick Corrêa | Em 19 de Setembro de 2012 | NOTA: 8.0
  • Schrader:"Parecia que Bertolucci tinha posto Godard e Antonioni em uma cama,colocado uma arma na cabeça deles e dito:'vocês vão foder agora ou eu mato vocês'". Tudo isso e mais um pouco.

    Reno Beserra | Em 30 de Outubro de 2011 | NOTA: 8.5
  • Aproveitando a onde antinazi-fascista do período, Bertollucci filmou esta trama de espionagem confusa, com uma história capenga, apenas como pano de fundo para uma novela gramiscista.

    Gilberto C. Mesquita | Em 10 de Julho de 2011 | NOTA: 0.5
  • Cada quadro tem a força de uma pintura. Um filme belíssimo e muito bem dirigido.

    Eduardo Arthur Comerlato | Em 03 de Março de 2011 | NOTA: 9.0