Saltar para o conteúdo
8,3
Média
182 votos
?
Sua nota
Direção
Roteiro:
Federico Fellini (história e roteiro), Ennio Flaiano (história e roteiro), Tullio Pinelli (história e roteiro), Pier Paolo Pasolini (roteiro), Maria Molinari (romance)
Gênero:
Origem:
,
Estreia:
31/12/1969
Duração:
117 minutos
Prêmios:
30° Oscar - 1958, 10° Festival de Cannes - 1957

Lupas (22)

  • A realidade é cruel com os sonhadores. Mesmo assim grande parte da beleza da vida se encontra nos sonhos. Sim, tragédias acontecem, o mundo está repleto de desesperados, solitários, excluídos, mas sempre resta aquele fio de esperança, um sorriso no rosto. Fellini era grande, mas aqui todas as glórias estão com Giulietta Masina.

    Zacha Andreas Lima | Em 30 de Maio de 2020 | NOTA: 8.5
  • Entre sonhos e medos, Cabotiã é o retrato não apenas da mulher que precisa sobreviver, mas também de uma pessoa simples, o substrato da camada social mais pobre, que lá no fundo ainda tem fé, ainda acredita na humanidade. O final, embora previsível, é de uma condução ímpar, e o resultado dói fundo no coração. Um belo retrato feminino emoldurado em uma Itália mergulhada nas desigualdades sociais.

    Alan Nina | Em 16 de Abril de 2020 | NOTA: 8.5
  • Esta é a fase do Fellini que mais aprecio. Sem Hermetismo. Fácil de ver e gostar. Grande Personagem!

    Luiz Henrique C. Batista | Em 23 de Janeiro de 2020 | NOTA: 10.0
  • Revendo Cabíria hoje, chego a mesma conclusão do passado. Cabíria é uma personagem que não me agrada , não torço por ela, muito porque tudo que Cabíria deseja é sob um parâmetro de alcance pessoal. Ela quer se aproveitar do artista por status, da igreja para mudar de vida e a relação com o "marido" tem muito mais um cunho de alavancagem social do que de amor. Ou seja , dane-se Cabíria.

    Eliezer Lugarini | Em 03 de Maio de 2019 | NOTA: 5.5
  • Giulietta Masina é a alma do filme, com um desenvolvimento de personagem brilhante que serve como base para a condução melancólica e apaixonada de Fellini pela solidão, resiliência e força daqueles que pouco tem.

    Gabriel Frati | Em 03 de Outubro de 2017 | NOTA: 8.0
  • Conta com ritmo agradável se tratando de Fellini, mas quem rouba a cena é Giulietta Masina, que brilha ao interpretar Cabíria e o sonho de muitas mulheres de reconhecimento social e amoroso através da figura masculina, pagando pela pureza e ingenuidade.

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 12 de Abril de 2017 | NOTA: 7.5
  • Meu filme favorito do Fellini.

    Vinicius Lins Magno Ferreira | Em 04 de Abril de 2017 | NOTA: 10.0
  • O sorriso aliado as lágrimas da Cabíria no final é um dos grandes momentos do cinema.

    Edson Palmeiras | Em 19 de Março de 2017 | NOTA: 9.5
  • Não tem o desfile de figuras estranhas de outros Fellinis, mas tem Cabíria, uma personagem bem legal com seus desejos simples. Já não acho tão grandioso, como um dia. Dou mais valor a energia, intensa gritaria dos italianos - como a trova de putas na ru

    Adriano Augusto dos Santos | Em 02 de Dezembro de 2016 | NOTA: 8.0
  • Entre supostos avanços e francos reveses, Cabiria não perde sua alma.

    Patrick Corrêa | Em 25 de Agosto de 2015 | NOTA: 8.5
  • Cabíria está na igreja, sua vela repentinamente se apaga. Ela a acende novamente e volta a rezar, agora, ainda mais fervorosamente. Dos momentos mais belos que o cinema já viu. Fora o final, que é puro sentimento.

    Nilmar Souza | Em 02 de Março de 2015 | NOTA: 8.5
  • Um dos finais mais belos do cinema!

    Wellington Conegundes da Silva | Em 07 de Dezembro de 2014 | NOTA: 10.0
  • 07/11/05

    Eduardo Scutari | Em 13 de Fevereiro de 2014 | NOTA: 10.0
  • Masina sintetiza sua personagem numa cena. Como se não bastasse isso, a atriz nos brinda com uma das melhores atuações já vistas no Cinema. Para aplaudir de pé. Inesquecível!

    Alejandro Oliveira | Em 23 de Dezembro de 2013 | NOTA: 10.0
  • A velha história da puta redentora... Traz consigo aquela corrente de pensamento de que "dentro de toda puta, há uma santa esperando para acordar". Fora a ambiguidade moral da prostituta ingênua e romântica...

    Lucas Delon | Em 23 de Agosto de 2013 | NOTA: 4.0
  • Grande orquestra de Fellini em prol da vida e otimismo, clamando a trilha de Rota, as mulheres fogosas e o humor, o retrato social e os delírios exuberantes, e a puta como espelho do povão italiano, pobre, esperançoso, em busca de fé e uma vida melhor.

    Bruno Kühl | Em 31 de Julho de 2013 | NOTA: 8.0
  • as desventuras da vida são retratadas magistralmente neste filme, são traçadas em cima do espectador e do personagem central, ao qual ao longo do filme, cada vez mais nos apaixonamos.

    Danilo Silva | Em 25 de Novembro de 2012 | NOTA: 8.5
  • A velha história da pessoa sonhadora (aqui um tanto chatinha também) que é iludida das piores maneiras pela vida. Sempre comove, sempre emociona, sempre te dá raiva do mundo. E Fellini canaliza isto tudo muito bem em prol do sucesso do filme.

    Vinícius de Castro | Em 02 de Novembro de 2012 | NOTA: 7.0
  • A poesia descompromissada mais doce gravada por Fellini... Cabíria é uma personagem encantadora, devido em parte pela atuação magistral da brilhante Giulietta, musa do cineasta. Em suma, um FILMAÇO.

    Douglas Rodrigues de Oliveira | Em 12 de Outubro de 2012 | NOTA: 9.5
  • Fellini carnavalesco e perfeito!

    Wellington Conegundes da Silva | Em 29 de Agosto de 2012 | NOTA: 9.0