Saltar para o conteúdo
7,4
Média
86 votos
?
Sua nota
Direção
Elia Kazan
Roteiro:
John Steinbeck (roteiro), Edgecumb Pinchon (livro - não creditado)
Gênero:
Biografia, Drama, Histórico
Origem:
Estados Unidos
Estreia:
31/12/1969
Duração:
113 minutos
Prêmios:
5° Festival de Cannes - 1952, 10° Globo de Ouro - 1953, 25° Oscar - 1953

Filmes Relacionados

Lupas (13)

  • Emiliano Zapata, o eterno romântico, pai de um total de 16 filhos documentados com 9 mulheres diferentes, com Josefa teve dois, que faleceram jovens, teve uma amizade (romance) muito boa com Ignacio de la Torre y Mier, marido de Amada, filha do ditador Porfírio Díaz, mas aparentemente integro e um benfeitor do povo, e principalmente encorajou a muito a nunca desistir, essa ideologia que Vive Zapata eternamente… Muito bom, dada a época da feitura e qualidade primorosa, satisfatório...

    Rosana Botafogo | Em 17 de Julho de 2024 | NOTA: 8.0
  • Há grandes problemas no desenvolvimento da narrativa, sabotada por saltos de continuidade, provavelmente devido à montagem. Já o roteiro é amplo em seu corpo social ao retratar o cenário tendencioso à revolução: há a autoridade distante das massas, o político prudente e conciliador que é traído, as massas revoltadas, o grande líder revolucionário, a classe média elitista e o poder militar tirânico. Nem parece uma obra do anticomunista Kazan.

    César Barzine | Em 22 de Julho de 2022 | NOTA: 7.0
  • Filme sobre articulação política e um pouco da história da revolução mexicana. Me pareceu um filme bem didático e quem brilha na minha opinião é Anthonny Quinn, enquanto Marlon Brando entrega um personagem um tanto caricatural. COnfesso que lá pela metade perdi o interesse.

    Eliezer Lugarini | Em 10 de Maio de 2022 | NOTA: 5.5
  • Roteiro muito bem escrito por John Steinbeck, sempre lúcido, cativante e espirituoso.

    Lucas Michels | Em 04 de Dezembro de 2021 | NOTA: 8.0
  • História que se inicia muito bem mostrando o confronto entre a força de um regime totalitário contra um herói do povo. Todo esse sentimento, esse peso de ter tamanha importância é interpretado com maestria por Brando, mesmo sendo um filme hollywoodiano sobre a revolução mexicana. Ele transparece a dificuldade de sua posição e é a força motriz para seguir acompanhando o longa. Porque a queda de Díaz, Huerta, o entendimento com Villa são todos feitos ás pressas. A linha do tempo é confusa.

    Eduardo Percequillo Freire de Souza | Em 02 de Dezembro de 2020 | NOTA: 6.0
  • Vergonha alheia! Zapata e Hollywood já não combinam nada, pra piorar exagera na idealização americanizada do herói, M.Brando caricato e artificial, msm o texto do premiado Steinbeck me pareceu atropelado e sem nada a dizer. Salva a boa direção do E.Kazan.

    Josiel Oliveira | Em 18 de Setembro de 2017 | NOTA: 5.0
  • Praticamente todos os acontecimentos importantes do filme são contados de maneira abrupta o que atrapalha o resultado final. Um personagem tão inspirador quanto Zapata merecia um cuidado melhor.

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 19 de Fevereiro de 2017 | NOTA: 6.5
  • Com o visual limpo, diálogos trabalhados e um elenco muito bem encaixado (qualidade corriqueira na época), fora Marlon Brando acrescentando demais com sua profundidade. Há certos saltos que deixam uma sensação de corrido. A sequência final é legal demai

    Adriano Augusto dos Santos | Em 16 de Janeiro de 2017 | NOTA: 8.0
  • 21/12/08

    Eduardo Scutari | Em 12 de Fevereiro de 2014 | NOTA: 8.0
  • Um Homem forte faz outras pessoas fracas, um povo forte não precisa de um homens forte.

    Rafael Mello | Em 20 de Outubro de 2012 | NOTA: 8.0
  • Técnica: 9.5 Lógica artística: 10 Lógica científica: 8.5 Nota: 9.33

    Ma Rodrigues Barbosa | Em 17 de Setembro de 2012 | NOTA: 9.5
  • 7,5 pois o texto de Steinbeck é muito bom, como quase tudo que ele escreve.

    Gustavo Catania Ramos | Em 02 de Agosto de 2011 | NOTA: 7.5
  • Um filme extremamente chato, para aquelas aulas chatas de história (E olha que eu sou formado em História) onde, necessariamente, temos que ver a revolução mexicana.

    Hallyson Alves | Em 02 de Agosto de 2011 | NOTA: 6.0