Saltar para o conteúdo
Direção
Todd Haynes
Roteiro:
Todd Haynes
Gênero:
Drama, Suspense
Origem:
Estados Unidos, Reino Unido
Estreia:
31/12/1969
Duração:
119 minutos

Lupas (10)

  • Um filme opressivo, estranhamente simétrico, desconfortável. Um interessante retrato do mal-estar da sociedade de consumo, da insensibilidade de um mundo voltado ao supérfluo, do vazio da era Reagan. Se perde um pouco em alguns momentos que precisava de maior intensidade. Julianne Moore está ótima.

    Zacha Andreas Lima | Em 08 de Janeiro de 2022 | NOTA: 7.0
  • Muito interessante em retratar o horror psicológico dessa mulher, interpretada por Juliane Moore, acometida por uma doença que aterroriza a si mesmo, em sua jornada buscando "a cura". Trilha sonora marcante. Me pareceu documental ao mostrar perfis de pessoas que buscam terapia holística, tratamento New Age, coach e gurus de auto-ajuda para tratar as mais variadas doenças, desde neuroses até câncer. Interessante demais mesmo. O tom de angústia é constante e a trilha põe mais terror ainda.

    Bruno Justo | Em 09 de Novembro de 2020 | NOTA: 8.5
  • Melhor de ver na primeira parte fica bem cansativo após a viagem. Mas sempre fica a sensação de estar vendo algo sem muito impacto. Sinceramente não sei se entendi a questão da doença. O foco parece ser a depressão, mas falam demais das alergias.

    Adriano Augusto dos Santos | Em 04 de Março de 2019 | NOTA: 6.0
  • Curiosamente, o filme soa mais pontual agora, mesmo sendo desprovido da nossa tecnologia. Com uma das melhores atuações de Moore, essa subestimada obra prende de forma tão eficaz quanto seus personagens enclausurados pela doença que é a modernidade.

    Gustavo Hackaq | Em 07 de Janeiro de 2018 | NOTA: 8.0
  • Vai muito bem enquanto se resume à asfixia da vida cotidiana mas da metade para o fim se transforma num péssimo livro de auto-ajuda cheios de frases vazias prontas e notáveis clichês. A direção de Haynes é estilosa e tem ritmo. Havia mais potencial aqui.

    Eliezer Lugarini | Em 30 de Agosto de 2017 | NOTA: 6.0
  • Antecipa o mal estar do século XXI sustentado pelo desempenho assombroso de Moore. O terço final, contudo, não tem a mesma fluidez do outros, apesar de ser quando sua mensagem fica mais clara.

    Patrick Corrêa | Em 30 de Junho de 2017 | NOTA: 7.0
  • Há certas referências sutis bem irônicas, mas infelizmente acaba não passando disso. A narrativa não engrena, e desde o início já se percebe as pretensões a que se queria chegar.

    Kennedy | Em 12 de Fevereiro de 2017 | NOTA: 7.0
  • 15/08/14

    Eduardo Scutari | Em 16 de Agosto de 2014 | NOTA: 5.0
  • A vida do homem pós-moderno é dominada por diversos temores: temos medo da violência, da morte, da destruição ambiental, do terrorismo, dos fenômenos ambientais, da pobreza, do desemprego, etc. Funciona, portanto, como uma fábula sobre o poder do medo.

    Edward Jagger DeLarge | Em 06 de Setembro de 2013 | NOTA: 7.0
  • O drama de uma dona de casa alérgica, embora tendo uma filmagem certinha, definitivamente, não é um roteiro que empolga. Fica bem melhor em um documentário do Discovery Channel...

    Gilberto C. Mesquita | Em 20 de Maio de 2011 | NOTA: 2.5