Saltar para o conteúdo
7,6
Média
30 votos
?
Sua nota
Direção
Roteiro:
Jean-Claude Carrière (roteiro), Milos Forman (roteiro), John Guare (roteiro), John Klein (roteiro)
Gênero:
,
Origem:
Duração:
93 minutos
Prêmios:
24° Festival de Cannes - 1971

Lupas (7)

  • M.Forman chega aos EUA c/ 2 pés no peito! Contracultura no rolê, estética e discurso profundos, seleção incrível de cantoras, e escancarando a hipocrisia dos tradicionais. A cena do beque com o Schiavelli é de se mijar! O final c/ o músico cheio da $$$ tb

    Josiel Oliveira | Em 26 de Julho de 2018 | NOTA: 9.0
  • Se Buñuel fosse menos rebelde, mais imaturo e ishpertinho faria filmes assim.

    Daniel Mendes | Em 09 de Maio de 2018 | NOTA: 7.0
  • O filme como metáfora da chegada do diretor à América. O estranhamento vem pelo olhar da família com a cultura jovem. Os quadros e reuniões, sejam show de talentos, sejam pais com filhos desaparecidos, deveriam ter certas lembranças às do partido.

    Chcot Daeiou | Em 25 de Junho de 2017 | NOTA: 8.0
  • A magnífica primeira meia hora é seguida por uma busca um tanto morna, de achados pontuais. O mais importante, contudo, é que Forman não parece despersonalizado em solo estrangeiro.

    Patrick Corrêa | Em 04 de Outubro de 2016 | NOTA: 7.5
  • 06/04/16

    Eduardo Scutari | Em 07 de Abril de 2016 | NOTA: 7.5
  • O primeiro filme americano de Milos Forman é um mecanismo do choque de gerações, da captura de um momento singular - registro histórico. É a estrada que leva ao rompimento entre o novo (que se revela extensão) e o velho (incapaz de ver a metamorfose).

    Zacha Andreas Lima | Em 23 de Março de 2016 | NOTA: 8.5
  • Forman leva sua irreverência contra as instituições, os pudores e o convencionalismo para a América, e encontra no choque de gerações dos anos 60/70 um verdadeiro prato cheio. Belo e divertido filme.

    Augusto Barbosa | Em 26 de Outubro de 2013 | NOTA: 8.0