Saltar para o conteúdo
7,7
Média
99 votos
?
Sua nota
Direção
Michael Dudok de Wit
Roteiro:
Michael Dudok de Wit (roteiro e argumento), Pascale Ferran (roteiro)
Gênero:
Fantasia, Animação
Origem:
Japão, França, Bélgica
Estreia:
02/02/2017
Duração:
80 minutos
Prêmios:
69° Festival de Cannes - 2016, 89° Oscar - 2017

Lupas (16)

  • Bom, mas esperava mais. A narrativa é muito aberta a significados. Isso em muitas obras é um ponto positivo, mas nessa animação não funcionou tão bem para mim. Achei tudo assaz abstrato. Seria tudo apenas uma grande ilusão diante à inexorável solidão da vida? Enfim, vai alternar de avaliação conforme a interpretação da pessoa. Diante da minha interpretação faltou algo a mais nesse filme. Além disso, a ausência total de diálogos é, em alguns pontos, forçada. Já a arte, é magnífica.

    Lucas Alves | Em 15 de Maio de 2020 | NOTA: 8.0
  • Visualmente pobre e com personagens nada graciosos ou simpáticos (considerando as atuais animações CGI), e ainda por cima com um roteiro totalmente filósofo-metafórico, o filme tem lá sua sensibilidade, ainda que ininteligível (Novo conceito da criação de Eva? A incapacidade do homem se acasalar e perpetuar a espécie mais de uma vez com uma mulher-tartaruga? A multiplicação e conservação das peças de roupa numa ilha deserta?). Enfim, para a intelectualidade crítica debater conceitos e chavões...

    Gilberto C. Mesquita | Em 27 de Março de 2020 | NOTA: 0.0
  • Poesia silenciosa em que o poder dos gestos, das imagens e da trilha revela um filme que é puro sentimento. E ainda tem aquele cena final com apenas 1 minuto que te faz pensar em tudo. É disparada a melhor animação do ano

    Anderson de Souza | Em 28 de Março de 2019 | NOTA: 8.0
  • Poucas coisas são mais desafiadoras para um crítico do que a simplicidade.Quando nos deparamos com um filme que se resume ao essencial, a essa marca de síntese e clareza que só os grandes artistas conseguem alcançar, temos dificuldade de explicar a beleza

    Edward Jagger DeLarge | Em 09 de Maio de 2018 | NOTA: 10.0
  • Lindo e poético. Senti falta das falas, sim =(

    Pedro Luis Santos Miranda | Em 29 de Novembro de 2017 | NOTA: 7.0
  • A sensibilidade fala alto em um filme totalmente sem diálogos, característica ao qual valoriza muito a edição de som; cada barulho soa como uma pequena poesia. Assim como o visual e o roteiro simples, que compõem um perfeito retrato entre homem e natureza

    César Barzine | Em 03 de Setembro de 2017 | NOTA: 7.5
  • Durante o começo, o meio e o fim, a ilha é casa. No emaranhado de desenhos em rotoscópio de Michael Dudok de Wit, não há um plano sequer que não carregue simbolismo.

    Renato Abbt Keppe | Em 02 de Abril de 2017 | NOTA: 7.0
  • Simples e lindão. Envolve (desde o início) bonito com o lado mágico, faz admirar com os detalhes realistas - as brincadeiras e risos do menininho são verdadeiras demais. A beleza das imagens do Ghibli é incrível, a natureza ganha vida.

    Adriano Augusto dos Santos | Em 02 de Março de 2017 | NOTA: 8.5
  • Uma fábula ambientalista construída parcimoniosamente, com muito a dizer sobre o homem, seus anseios e o lugar em que ele se insere na natureza. Cinema pra ser assimilado na cabeça e nos poros.

    Felipe Lima | Em 15 de Fevereiro de 2017 | NOTA: 8.5
  • Um conto diferente e bonito da máxima "a natureza está para servir o homem e o mesmo tem de viver em harmonia com ela".

    Bruno Ricardo de Souza Dias | Em 08 de Fevereiro de 2017 | NOTA: 7.0
  • Muito Bom

    Lucas Moreira | Em 01 de Fevereiro de 2017 | NOTA: 8.0
  • Há alguma indecisão na tentativa de ser contido e mínimo em sua abordagem, que abraça muitas discussões e símbolos e acerta na maioria das vezes. Entre acertos e erros, mantém a regra de que as animações de fora dos EUA são acima da média do gênero.

    Gabriel Frati | Em 26 de Janeiro de 2017 | NOTA: 7.5
  • Discute o papel do homem como uma figura isolada na natureza e sua condição de extrema solidão. Também discute a vida e morte, a cadeia alimentar e os ciclos da vida que passam pelo sonho, amor, solidão, família , crescimento e morte.

    Eliezer Lugarini | Em 25 de Janeiro de 2017 | NOTA: 7.5
  • Pega de surpresa o espectador que contava com uma história sobre a amizade entre homem e animal, já que, na verdade, mira seu olhar no tempo e no que se pode fazer da vida. As imagens simples e exuberantes também são puro sentimento.

    Patrick Corrêa | Em 30 de Dezembro de 2016 | NOTA: 8.0
  • O filme vai bem até a metade, quando tudo desmorona. A falta de diálogos é forçada e desmotivada. O aspecto minimalista é quebrado por uma música excessiva, que quer criar cenas memoráveis, mas não passa da superfície. Belo, mas não vai muito além.

    Mateus Barros | Em 27 de Novembro de 2016 | NOTA: 6.0
  • 25/11/16

    Eduardo Scutari | Em 26 de Novembro de 2016 | NOTA: 7.5