Saltar para o conteúdo
6,6
Média
119 votos
?
Sua nota
Direção
Julia Ducournau
Roteiro:
Julia Ducournau
Gênero:
Terror
Origem:
França, Bélgica
Duração:
99 minutos

Lupas (17)

  • Filme com um gore delicioso, história bem montada, que consegue apresentar muito bem o tema. Muito sangue ns tela nesta eficiente produção!

    Marco Roberto de Oliveira | Em 07 de Agosto de 2020 | NOTA: 7.0
  • Interessante, um dia após a resolução de me tronar vegana, num futuro não tão próximo, infelizmente, me deparo com esse filme, um terror vegano (ou seria carnívoro) bem improvável e totalmente coerente, e até assustador... Uma experiência bizarra e diferente, essa mistura Franco-belga tem dado bons frutos… Adoráveis cenas sanguíneas, dilacerações, decepamentos, divertido…

    Rosana de Almeida Machado | Em 26 de Julho de 2020 | NOTA: 8.5
  • Me desagrada o retrato meio individualista dos universitários, mas isso acaba funcionando para criar a noção de isolamento da protagonista. Não chega a ser visualmente perturbador, mas cumpre o seu papel por não se render a nenhuma cartilha.

    César Barzine | Em 19 de Abril de 2019 | NOTA: 6.0
  • O maniqueísmo imenso contradiz a frieza emocional, sabotando todo o tom do filme. Sutil demais na hora errada, manipulador demais o tempo inteiro, e ainda um gore sem graça. Um tédio que tenta ser significativo e não diz muito sobre nada.

    Alexandre N. Magno | Em 16 de Outubro de 2017 | NOTA: 4.0
  • perturbador

    eduardo vieira de oliveira | Em 30 de Setembro de 2017 | NOTA: 7.0
  • não é um terror, o que no fim potencializa o impacto ao não cair na cartilha maniqueísta típica desse gênero. é gráfico e incômodo, e parece ser bem esse o seu objetivo

    Olivio Gavassi Netto | Em 13 de Setembro de 2017 | NOTA: 7.5
  • Mais bonito no plano das ideias do que em sua própria execução, com um punhado de cenas equivocadas, ainda que com belos momentos. Ou seja: todo o jeito de "debut" de alguém com potencial que ainda não se encontrou. Boa trilha sonora.

    Gabriel Frati | Em 07 de Setembro de 2017 | NOTA: 5.5
  • Ducournau consegue imiscuir repulsa e ternura numa forte alegoria sobre a latência e inescusabilidade da essência e a necessária empatia entre desviantes. A trilha sonora é um achado.

    Felipe Lima | Em 21 de Agosto de 2017 | NOTA: 7.0
  • Apesar do final ser tolo e de Ducournau ter algumas escolhas duvidosas (a briga entre as irmãs acaba sendo involuntariamente cômica), a diretora acerta em sua abordagem, ancorando a temática do amadurecimento feminino com boas metáforas. Interessante.

    Diego de Mendonça Costa | Em 19 de Agosto de 2017 | NOTA: 6.0
  • Uma espiral alegórica sarcástica, chocante tanto no gore como na proximidade com a realidade interna das universidades. O horror mora no constante estímulo a libertamos nossa selvageria.

    Guilherme Algon | Em 16 de Agosto de 2017 | NOTA: 7.5
  • Caminha entre altos e baixos, mas o saldo geral é positivo. A cena do dedo e a cena de sexo são antológicas.

    ISRAEL ACORDI DO NASCIMENTO | Em 16 de Agosto de 2017 | NOTA: 7.0
  • O começo é promissor, mas pouco avança no decurso da narrativa, centrada no simbólico. O suspense prevalece e funciona, e aí está o valor do roteiro.

    Patrick Corrêa | Em 15 de Agosto de 2017 | NOTA: 7.0
  • Surpreendentemente maravilhoso. A escolha da diretora em ir além da mera representação de uma tara desprezível, se concentrando ao invés disso na escalada obsessiva de Justine, torna toda a experiência um show de beleza mórbida e labirintos psicóticos.

    Vinícius de Castro | Em 19 de Julho de 2017 | NOTA: 8.0
  • É o tipo de filme todo trabalhado no conceito mas que se perde um pouco nas ideias, apresentando-as melhor que desenvolvendo, e traz um certo frescor de estilo e violência digno dos melhores filmes de horror franceses, mas eu esperava algo mais radical.

    Bruno Kühl | Em 22 de Junho de 2017 | NOTA: 7.0
  • Nunca um filme que se leva tão a sério criou tantas cenas involuntariamente cômicas como esse. Vergonha alheia.

    Gabriel Severo | Em 15 de Junho de 2017 | NOTA: 4.0
  • Bom

    Lucas Moreira | Em 10 de Junho de 2017 | NOTA: 7.0
  • Seguindo a tradição do horror francês, Raw é uma metafórica viagem que força o espectador a vislumbrar o desabrochar violento de uma garota para os desejos mais primitivos do seu ser, dialogando com a repressão sexual feminina num final para ver de joelho

    Gustavo Hackaq | Em 26 de Maio de 2017 | NOTA: 8.5